Relação entre fatores antrópicos/climáticos com os casos de Hantavirose no Município de Novo Progresso/PA / Relationship between anthropic/climatic factors and Hantavirus cases in Novo Progresso/PA

Adriana Manfroi Mendes, Édina da Silva Ribeiro dos Santos

Resumo


O presente estudo tem por base o levantamento de dados acerca dos casos investigados de hantavirose no município de Novo Progresso - PA. Busca identificar os fatores naturais e antrópicos relacionados à doença, tendo em vista o agravo notificado no decorrer dos anos e o aumento da incidência em determinadas épocas. Em equitativa importância, apresentam-se informações obtidas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente – SEMMA, bem como dados do INPE e demais colaboradores. De forma geral, serão levados em consideração alguns pontos específicos para verificar os possíveis fatores que têm conduzido à infecção por hantavírus no município pesquisado. Entre eles, os índices de desmatamento, regime de chuvas, queimadas e a influência das condições de higiene e limpeza. Não obstante a isso, o trabalho remonta à historicidade da doença, com data determinada ao seu surgimento em nível de mundo, país, estado e município, favorecendo assim, uma melhor contextualização quanto ao conhecimento do vírus e da enfermidade causada pelo mesmo.


Palavras-chave


Casos Investigados. Hantavirose. Fatores naturais. Fatores antrópicos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Brasil. 5 ed. Brasília: FNS, 2002.

BRASIL, Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde/Departamento de vigilância epidemiológica. Normas e manuais técnicos. 7ed. Brasília, 2010.

CASTRO, L. Pará histórico, 2009. Disponível em . Acesso em: 30 mai. 2013.

Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais – DAS/INPE. Precipitação por satélites, 2013. Disponível em . Acesso em: 12 jul.

DONALISIO, Maria Rita et al . Aspectos climáticos em áreas de transmissão de hantavirose no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 5, p. 1141-1150, May 2008.

FIGUEIREDO, L. T. et al. Contribuição ao conhecimento sobre hantavirose no Brasil. São Paulo: IESUS – Informe Epidemiológico do SUS, jul-set, v.9, n.3, p. 167-178, 2000.

GOMES, R. F. Hantavirose. 2006 30 f. Monografia - Pós-Graduação em Planejamento e Educação ambiental, Universidade Candido Mendes, Niterói, 2006.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em

. Acesso: 22 de jul. 2013.

IPAM. Avaliação ambiental integrada - AAI do território BR-163. Itaituba, Pará. 2006, 45pp.

KRUGER, D. H. et al. Hantavirus infection and theirs prevention. Microbes and Infection, Paris. v.3, n.13, p. 1129-1144, 2001.

IVERSON, LB, Travassos APA, Rosa MDB, Lomar AV, Sasaki MGM, Leduc JM. Infecção humana por hantavírus no Sul e Sudeste do Brasil. Rev Assoc Med Bras 1994; 40:85-92.

SCHMIDT, R. A. C. Hantavirose em Santa Catarina: um estudo epistemológico da emergência de uma zoonose. 2005. 196 f. Dissertação (Mestrado) - Pós-Graduação em Saúde Pública, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SEMMA, Secretaria Municipal do meio ambiente. Plano ambiental do município de Novo Progresso – PA. 2013.

SEMSA, Secretaria Municipal de Saúde de Novo Progresso. Hantaviroses. 2011. SESPA, Secretaria de Estado de Saúde Pública. Alerta de hantavirose no oeste do Pará.

Disponível em .Acesso em: 05 de jun. 2013.

ZEIER, M, et al. New aspects of Hantavirus infection: A change of a paradigma and a challenge of prevention – A review. Virus Genes, Norwell, v 30, n2, p. 157-180, 2005..


Apontamentos

  • Não há apontamentos.