A sustentabilidade na complexidade dos cemitérios horizontais – o papel da educação ambiental crítica / Sustainability in the complexity of horizontal cemeteries - the role of critical environmental education

Clarissa Suelen Oliveira

Resumo


O presente trabalho busca discutir sobre a relação cemitérios x sustentabilidade x educação ambiental crítica, no intuito de fomentar as poucas discussões e reflexões que existem sobre os cemitérios horizontais e suas adversidades quando se trata de poluição urbana e transmissão de doenças. A temática será fundamentada na sustentabilidade e na construção do conhecimento a partir da educação ambiental crítica, que entra em cena a partir do momento que essa questão é diagnosticada como um problema ambiental urbano. A partir de um levantamento bibliográfico pautado na teoria crítica e no materialismo histórico dialético, o trabalho procura inserir a problemática nos moldes da análise textual discursiva. Problemática esta, cerceada pelos cemitérios horizontais, os quais são grandes potenciais poluidores, pois afetam direta e indiretamente a saúde da população e o meio ambiente. Afetam o solo com os metais pesados advindos dos adereços dos caixões, da radiação e outros contaminantes do cadáver, os vírus e bactérias transmitidas pelos cadáveres e sua decomposição. Há também a contaminação das águas, principalmente dos lençóis freáticos, através dos metais pesados e do necrochorume, o qual consiste em um líquido gerado a partir da decomposição dos cadáveres pelos microrganismos, no estado de putrefação. Há ainda a contaminação do ar pelos gases como gás sulfídrico, metano, amônia, etc. E, por fim, a contaminação visual, gerada por monumentos de túmulos e restos de flores e plantas levadas pelos visitantes. Por esses motivos foram realizadas as Resoluções CONAMA n° 335/2003 e 338/2006, que preveem licenciamento ambiental para os cemitérios, a fim de minimizar sua poluição e contaminação ambiental. Contudo, ambiente não é apenas o natural, mas também toda a sociedade e seu espaço geográfico. Com isso, a educação ambiental entra em cena para suprir as necessidades da sociedade em relação ao tema e assegurar que a população tenha discernimento de como atual perante esse problema ambiental, fomentando a conscientização e a construção de um conhecimento consciente e transformador para a população, a partir da educação ambiental crítica. A educação ambiental crítica é um processo contínuo, que deve ser permanente e constante. Por isso sua discussão acerca dos cemitérios se torna tão imprescindível, pois há necessidade de mudança cultural e social e reorientações de premissas já existentes em nossa sociedade. E essas transformações e mudanças são propiciadas a partir da construção dos limites e das possibilidades do objeto em questão, fundamentadas em um ensino crítico e emancipatório da educação ambiental.


Palavras-chave


Cemitério, educação ambiental crítica, transformação, socioambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUAB, K. C. Cemitérios e vulnerabilidade ambiental: Um diagnóstico do risco de contaminação no perímetro rural de Francisco Beltrão – PR. 200 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão – PR, 2014. Disponível em Acesso em 11 ago 2018.

BINDER, W. Adeus caixões! Cápsula orgânica transforma pessoas falecidas em árvores. 2018. Disponível em Acesso em 18 ago 2018.

BOFF, L. A Contribuição do Brasil. In: VIANA, G.; SILVA, M.; DINIZ, N. (Org.). O Desafio da Sustentabilidade – Um debate socioambiental no Brasil. Ed. Fundação Perseu Abramo. São Paulo – SP, 2001, p. 17-26.

BOFF, L. Sustentabilidade, O que é – O que não é. 4ª ed, Ed. Vozes. Petrópolis – RJ, 2015.

CAMARGO, A. L. de B. Desenvolvimento Sustentável – Dimensões e Desafios. Ed. Papirus, 6ª ed. Campinas – SP, 2014.

CARNAÚBA, M. E. C.; Sobre a Distinção Entre Teoria Tradicional e Teoria Crítica em Max Horkheimer. Kínesis, vol. II, n. 03, 2010, p. 195-204.

CARNEIRO, V. S. Impactos causados por necrochorume de cemitérios: meio ambiente e saúde pública. Revista Águas Subterrâneas, 2009. Disponível em Acesso em 15 ago 2018.

CARNEIRO, S. M. M.; DICKMANN, I. Paulo Freire e educação ambiental: contribuições a partir da obra Pedagogia da Autonomia. Revista de Educação Política, v. 21, n. 45. Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá – MT, 2012. Disponível em Acesso em 08 ago 2018.

DAMO, A. et al. Paulo Freire, um Educador Ambiental: Apontamentos Críticos sobre a Educação Ambiental a partir do Pensamento Freireano. Revista Desarrollo Local Sostenible, Dellos, v. n. 13. Red Académica Iberoamericana Local Global, Espanha, 2012. Disponível em Acesso em 08 ago 2018.

GOMES, L. R. Teoria Crítica e Educação Política em Theodor Adorno. Revista HISTEDBR On-line, n. 39. Campinas – SP, 2010, p. 286-296. Disponível em Acesso em 09 de ago 2018.

GUIMARÃES, R. P. A ética da sustentabilidade e a formulação de políticas de desenvolvimento. In: VIANA, G.; SILVA, M.; DINIZ, N. (Org.). O Desafio da Sustentabilidade – Um debate socioambiental no Brasil. Ed. Fundação Perseu Abramo. São Paulo – SP, 2004, p. 43-74.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, nº 118, São Paulo – SP, 2003, p. 189-205.

LAYRARGUES, P. P. A dimensão freireana na Educação Ambiental. In LOUREIRO, C. F. B.; TORRES, J. R. (Org.). Educação Ambiental – Dialogando com Paulo Freire. Editora Cortez. São Paulo – SP, 2014, p. 7-12.

LAYRARGUES, P. P. Educação Ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. In LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de (Org.) Repensar a Educação Ambiental – um olhar crítico. Editora Cortez, São Paulo – SP, 2015, p. 11-32.

LEIS, H. R. Ambientalismo: um projeto realista-utópico para a política mundial. In: Vários autores (Org.). Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cidadania: desafios para as ciências sociais. Ed. Cortez. Florianópolis – SC, 1995, p. 15-44.

LELI, I. T. et al. Estudos ambientais para cemitérios: indicadores, áreas de Influência e impactos ambientais. Boletim de Geografia, v. 30, n. 1. Maringá – PR, 2012, p. 45-54. Disponível em Acesso em 15 ago 2018.

LIMA, G. da C. O discurso da sustentabilidade e suas implicações para a educação. Revista Ambiente e Sociedade, v. 6, n. 2, Campinas – SP, 2003. ISSN: 1809-4422.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e Educação – um olhar da ecologia política. Ed. Cortez, São Paulo – SP, 2012.

LOUREIRO, C. F. B.; BARBOSA, G. L.; ZBOROWSKI, M. B. Os vários “ecologismos dos pobres” e as relações de dominação no campo ambiental. In LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de (Org.) Repensar a Educação Ambiental – um olhar crítico. Editora Cortez, São Paulo – SP, 2015, p. 119-140.

MOREIRA, L. A. As fontes do medo na educação: estudo de caso de uma escola construída onde existiu um cemitério. 192 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte – MG, 2013. Disponível em Acesso em 11 ago 2018.

NEIRA, D. F. et al. Impactos do necrochorume nas águas subterrâneas do cemitério de Santa Inês, Espírito Santo, Brasil. Natureza on line, ESFA, 2008, p. 36-41. Disponível em Acesso em 15 de ago 2018.

NOBRE, M. A Teoria Crítica. Ed. Zahar. São Paulo – SP, 2004, p. 07-46.

NOGUEIRA, C. de O. G.; COSTA JÚNIOR, J. E. V.; COIMBRA, L. A. B. Cemitérios e seus impactos socioambientais no Brasil. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 9, n. 11, 2013, p. 331-344. Disponível em Acesso em 13 ago 2018.

PACHECO, A. Cemitério e Meio Ambiente. Dedalus. São Paulo, 2000.

PIRES, M. F. de C. O materialismo histórico-dialético e a educação. Comunicação, Saúde e Educação, 1997, p. 83-94. Disponível em Acesso em 16 ago 2018.

PONTEL, E.; Esclarecimento e Modernidade: Uma leitura a partir da crítica de Adorno e Horkheimer. Revista Filosofazer, n. 42, PUCRS, Passo Fundo – RS, 2013.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental pública: a construção do ato pedagógico. In LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de (Org.) Repensar a Educação Ambiental – um olhar crítico. Editora Cortez, São Paulo – SP, 2015, p. 33-80.

REIS, L. C. L. dos; SEMÊDO, L. T. de A. S.; GOMES, R. C. Conscientização Ambiental: da Educação Formal a Não Formal. Revista Fluminense de Extensão Universitária, v. 2, n. 1. Vassouras – RJ, 2012, p. 47-60.

ROCHA, J. M. Sustentabilidade em Questão – Economia, Sociedade e Meio Ambiente. Paco editorial. Jundiaí – SP, 2011.

ROCHA, L. A. G. Estudo do Potencial Contaminante do Cemitério Jardim, Botucatu – SP. Undefined f. Dissertação (Mestrado em Agronomia – Energia na agricultura), Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu – SP, 2016. Disponível em Acesso em 11 ago 2018.

RUSCHEINSKY, A. No conflito das interpretações: o enredo da sustentabilidade. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Fundação Universidade Federal do Rio Grande, v. 10. Rio Grande – RS, 2003, p. 39-50.

SILVA, A. F. G. da.; PERNAMBUCO, M. M. C. A. Paulo Freire: uma proposta pedagógica ético-crítica para a Educação Ambiental. In LOUREIRO, C. F. B.; TORRES, J. R. (Org.). Educação Ambiental – Dialogando com Paulo Freire. Editora Cortez. São Paulo – SP, 2014, p. 116-154.

SILVA, J. S. S. E. Novas Territorialidades para o Turismo em Fortaleza (CE): As Potencialidades do Cemitério São João Batista visto como um Espaço Sagrado. 181 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro – SP, 2013. Disponível em Acesso em 11 ago 2018.

SILVA, O. L.; COSTA, A. P. L; ALMEIDA, E. A. Educação Ambiental: O despertar de uma proposta crítica para a formação do sujeito ecológico. Editora Holus. Natal-RN, 2012, p. 110-118.

SILVA, V. T. da. et al. Um Olhar Sobre as Necrópoles e seus Impactos Ambientais. III Encontro da ANPPAS. Brasília – DF, 2006.

THOMPSOM, B. Cemitérios verticais, espaço urbano e meio ambiente: O novo discurso científico universitário de incentivo à verticalização do cemitério e à cremação. Primeiros Estudos, n. 7. São Paulo – SP, 2015, p. 7-27.

TOMASI, J. M. Santinhas do Itacorubi: História e memória das milagreiras do cemitério São Francisco de Assis/Itacorubi, Florianópolis (1980-2016). 277 f. Tese (Doutorado em História). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC, 2017. Disponível em Acesso em 11 ago 2018.

TORRES, J. R.; FERRARI, N.; MAESTRELLI, S. R. P. Educação ambiental criítico-transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana. In: LOREIRO, C. F. B.; TORRES, J. R. (Org); Educação Ambiental – Dialogando com Paulo Freire. Editora Cortez. São Paulo-SP, 2014, p. 11-14.

XAVIER, F. V. Métodos Geoelétricos Aplicados ao Diagnóstico Ambiental Subsuperficial do Cemitério Municipal de Rio Claro, SP. 175 f. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro – SP, 2015. Disponível em Acesso em 11 ago 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.