Constância dos grupos da macrofauna edáfica em cultivo de quiabo, Alagoas / Constance of edaphic macrofaune groups in okra farming, Alagoas

Amanda Silva de Medeiros, Élida Monique da Costa Santos, Renato Wilian Santos de Lima, Velber Xavier Nascimento, Mayara Andrade Souza

Resumo


A macrofauna realiza importantes funções no solo, dentre elas pode-se destacar o auxílio na decomposição do material vegetal e na ciclagem de nutrientes. Objetiva-se com esse trabalho verificar quais grupos da macrofauna edáfica são mais constantes em uma área de cultivo de quiabo em Marechal Deodoro, Alagoas. A pesquisa foi realizada durante três meses, com 10 pontos de coleta em cada mês. Para a captura da macrofauna foram utilizadas armadilhas Provid. A macrofauna foi avaliada quantitativamente pela abundância de espécimes e qualitativamente através da diversidade, calculada pelo Índice de Diversidade de Shannon. Também foi verificada a constância dos grupos da macrofauna e, classificados em constantes, acessórios e acidentais. Araneae, Coleoptera, Diptera, Hymenoptera e Orthoptera são os grupos mais constantes em área de cultivo de quiabo; Coleoptera foi o único grupo encontrado em todos os pontos amostrais; Chilopoda foi o grupo mais raro, tendo sido encontrado em apenas um ponto amostral; Os grupos mais abundantes na área de cultivo de quiabo foram Hymenoptera, Coleoptera, Acarina e Diptera, sendo que acarina foi constatado como grupo acidental. Conclui-se, então, que os grupos mais constantes em área de cultivo são aqueles considerados como mais resistentes e adaptáveis (Araneae, Coleoptera, Diptera, Hymenoptera e Orthoptera). Apesar de abundante e de também ser um grupo resistente, Acarina foi verificado como sendo acidental, pois em mais de 75% dos pontos amostrais ele não foi encontrado.


Palavras-chave


Biodiversidade, Qualidade do solo, Biota do solo, Ciclagem de Nutrientes, Sustentabilidade ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. A.; SOUTO, J. S.; SOUTO, P. S. Composição e sazonalidade da mesofauna do solo do semiárido paraibano. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 8, n. 4, p. 214-222, 2013.

BODENHEIMER, F. S. Precis D.écologie Animale. Paris: Payot, 1955,315 p.

HOFFMANM, R. B.; NASCIMENTO M. S. V.; DINIZ.A. A. Diversidade da mesofauna edáfica como bioindicadora para o manejo do solo em areia, Paraíba, Brasil. Caatinga, v. 22, n. 3, p. 121-125, 2009.

MELO, F. V. de. et al. A importância da meso e macrofauna do solo na fertilidade e como biondicadores. Boletim Informativo da SBCS, v. 39, n. 1, p. 38-43, 2009.

PARRON, L. M.; et al. Serviços Ambientais em Sistemas Agrícolas e Florestais do Bioma Mata Atlântica. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Brasília. 2015.

PEREIRA, R. de C.; ALBANEZ, J. M.; MAMÉDIO, I. M. P. Diversidade da meso e macrofauna edáfica em diferentes sistemas de manejo de uso do solo em Cruz das Almas-BA. Revista Magistra, Cruz das Almas, v. 24, número especial, p. 63-76, dez. 2012.

SILVEIRA NETO, S.; NAKANO, O.; BARBIN, D.; VILLA NOVA, N. A. Manual de ecologia dos insetos. 1 ed. São Paulo: Ceres, 1976. 429 p.

SWIFT, M. J.; HEAL, O. W.; ANDERSON, J. M. Decomposition in terrestrial ecosystems: studies in ecology. 5. Ed. Oxford: Blackwell Scientific, 1979. 238 p.

TRIPLEHORN, C. A.; JONNSON, N. F. Estudo dos insetos. 1. Ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 809 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.