Concepção de discentes do ensino médio sobre a extração de urânio em Caetité-BA / Conception of high school students on uranium extraction in Caetité-BA

Anatalice Fagundes Bizerra, Gabriel de Jesus Leão, Leandro de Sousa Silva, William Souza Santana, Caroline Nery Jezler

Resumo


O urânio é um elemento químico radioativo, retido nos principais minerais formadores das rochas e utilizado principalmente como fonte de energia para as usinas nucleares. As principais reservas brasileiras concentram-se nas regiões de Caetité (BA), Caldas Novas (MG) e Itatiaia (CE). Atualmente, somente a mina de Caetité está em atividade, sendo explorada pelas Indústrias Nucleares do Brasil (INB), as quais se responsabilizam em promover programas de sensibilização ambiental juntamente com a população. Com base nas questões que envolvem a exploração do urânio e as indagações que surgem em relação a complexidade do tema, objetivou-se com esse trabalho analisar a concepção de discentes do ensino médio sobre as consequências positivas e negativas da exploração de urânio no município de Caetité-BA. Para isto, realizou-se pesquisa com discentes de instituições públicas e privadas do município de Caetité, por meio de aplicação de questionário estruturado. Foi possível constatar que os discentes têm consciência da extração de urânio no município de Caetité; que o assunto é abordado nas instituições, ainda que de forma esporádica; que as atividades de extração podem ocasionar prejuízos ao meio ambiente; e que as informações sobre os acidentes ocorridos foram obtidas por fontes que não a INB. Por fim, este trabalho foi realizado com o intuito de verificar o grau de conhecimento dos adolescentes sobre a atividade mineradora da região, incentivando a busca de informações verídicas acerca das questões ambientais e que auxiliem na compreensão do ambiente a sua volta.


Palavras-chave


Contaminação, meio ambiente, educação, adolescentes

Texto completo:

PDF

Referências


AMBIENTE BRASIL. Ambiente e Energia – Energia Nuclear. Disponível em:

. Acesso em 30/09/2018.

__________________. Ambiente e Energia – Exploração de Urânio e o Meio Ambiente. Disponível em:

. Acesso em 30.09.2018

ARAÚJO, E. R., OLIVIERE, R. D., FERNANDES, F. R. C. Atividade mineradora gera riqueza e impactos negativos nas comunidades e no meio ambiente. CETEM/ MCTI. 2014

BONOTTO, D. M., SILVEIRA, E. G. Geoquímica do Urânio aplicada a Águas Minerais. São Paulo: UNESP, 2006.

CCME. Canadian soil quality guidelines for uranium: environmental and human health. Scientific supporting document. CCME, Winnipeg. 2007

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, O. D., ALMEIDA, IPS. A energia nuclear. Ciência Hoje, v. 37, n. 220, 2005.

GREENPEACE. INB esconde vazamento de urânio. 2008. Disponível em: . Acesso em: 01.10.2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Mapa de pobreza e desigualdade, ano 2003. Disponível em: . Acesso em: 01.10.2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Produto Interno Bruto dos Municípios, ano 2015. Disponível em:

. Acesso em: 01.10.2018

INB. Indústrias Nucleares do Brasil – Ciclo do Combustível Nuclear. Disponível em: . Acesso em 30.09.2018.

PUNCHER, M.; BURT, G. The reliability of dose coefficients for inhalation and ingestion of uranium by members of the public. Radiat Prot Dosimetry, Ashford, v. 157, n. 2, p. 242-54, 2013.

PRADO, G. R. Estudo de contaminação ambiental por urânio no município de Caetité - Ba, utilizando dentes de humanos como bioindicadores. 2007. 182f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PRODEMA), Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus – Ba. Disponível em: http://www.uesc.br/cursos/pos_graduacao/mestrado/mdrma/teses/dissertacao_georgia.pdf, acesso em 06/05/2011.

SILVA, P. H. P. Processo de beneficiamento do urânio visando a produção de energia elétrica. 2011, 84p. Monografia (Graduação em Física) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia, Fortaleza, 2011.

VICENTE-VICENTE, L. et al. Nephrotoxicity of uranium: pathophysiological, diagnostic and therapeutic perspectives. Toxicological sciences: an official journal of the Society of Toxicology, Oxford, v. 118, n. 2, p. 324- 47, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.