Estudo bibliográfico sobre as definições dos principais tipos de arranjos empresariais / Bibliographic study on the definitions of the main types of business arrangements

Aianna Rios Magalhães Véras e Silva, Amanda Braga Marques, Cryslaine Cinthia Carvalho Nascimento, Danylla Gabryella Reinaldo Batista, Danyella Gessyca Reinaldo Batista, João Isaque fortes Machado, Pamella Fortes Machado Soares Costa, Paulo Ricardo Fernandes de Lima

Resumo


 

Devido a globalização as empresas estão cada vez mais em competitividade acirrada, se vendo frente a oportunidades e desafios. Essa competitividade é caracterizada por diversos fatores. Os Arranjos Empresariais se mostraram como uma ótima ferramenta para aumentar a competitividade das empresas. Dessa forma, o objetivo deste estudo é analisar os conceitos dos Os Arranjos Empresariais a fim de obter suas definições coletadas e analisadas, criando uma única definição para cada arranjo e analisando as características mais comuns entre os arranjos. Quanto ao tipo de pesquisa feita no trabalho, trata-se de uma pesquisa básica, descritiva e bibliográfica, na qual foram coletadas em livros, artigos, monografias, dissertações, teses, etc. várias definições sobre cada um dos tipos de Arranjo Empresarial em estudo. Com o objetivo de mostrar definições recentes, o estudo foi limitado à publicações e definições feitas entre os anos de 2006 e 2016. Os Arranjos Empresariais que tiveram suas definições coletadas e analisadas foram: Arranjo Produtivo Local (APL), Clusters, Redes de Empresas, Cooperativas, Cadeia Produtiva, Cadeia de Suprimentos, Condomínio Industrial e Consórcio Modular. A execução da pesquisa consistiu em três etapas: Elaboração de tabelas com 12 definições para cada um dos Arranjos; A criação de uma nova definição com base no que foi estudado; e a construção de Tabelas coloridas. Analisando os quadros presentes no trabalho, pode-se observar que para vários autores os Arranjos possuem definições parecidas, tendo algumas características em comum. Apesar de alguns autores possuírem uma definição bem própria e não ser tão semelhante aos outros.

 


Palavras-chave


Competitividade, Arranjo Empresarial, Pesquisa bibliográfica

Texto completo:

PDF

Referências


AKAHOSHI, Wesley Batista and BINOTTO, Erlaine. Cooperativas e capital social: caso da Copasul, Mato Grosso do Sul. Gest. Prod. [online]. 2016, vol.23, n.1, pp.104- 117.

ALVARENGA, Fabiano Vieira. Uma proposta de aplicação para a solucao do problema da árvore geradora de custo mínimo com grupamentos utilizando Cluster em Linux.Monografia. Universidade Federal de Lavra: 2007.

APL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL: SÉRIE EMPREENDIMENTOS

COLETIVOS. Brasília: Sebrae, 2014.

ARICA, José. SOUZA, Sebastião Décio Coimbra. Mudança tecnológica e estratificação competitiva em um arranjo produtivo do setor ceramista. Produção, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p.88-99, 2006. Jan./abr.

ARIEIRA, J.O. Avaliação de relacionamentos em redes de empesas: um estudo do agronegócio na região da Amerios – PR. 2010. 191p. Tese (Doutorado em Engenharia de produção) – Universidade Paulista, São Paulo,2010.

BASSANI. I. D. C.; Dinâmica Imobiliária recente no Município de Serra-ES: Análise Dos Condomínios Industriais. In: XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA URBANA- SIMPURB. Anais..., 2015.

BEM, Judite Sanson de; GIACOMINI, Nelci Maria Richter and WAISMANN, Moisés. Utilização da técnica da análise de clusters ao emprego da indústria criativa entre 2000 e 2010: estudo da Região do Consinos, RS. Porto Alegre,2015.

BIALOSKORSKI NETO, Sigismundo. Um ensaio sobre desempenho econômico e participação em cooperativas agropecuárias. Rev. Econ. Sociol. Rural [online]. 2007, vol.45, n.1

BNDES. Arranjos Produtivos Locais e Desenvolvimento. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/seminario/apl.pdf. Acesso em 24 de Agosto de 2016.

BORTOLASO. I. V.; SELLITTO. M. A.; Vantagens competitivas observadas em uma rede de cooperação para comercialização de artigos esportivos. GEPROS. GESTÃO DA PRODUÇÃO, OPERAÇÕES E SISTEMAS – Ano 4, nº 2, Abr-Jun/2009, p. 37-48

BUENO, Marcos José Corrêa; VENDRAMETTO, Oduvaldo; ALISANCIC, Alexandre. O consórcio modular como fator de competitividade: um estudo de caso na Volkswagen Resende e São Bernardo do Campo. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. 2007.

BUTTON, Sérgio Tonini. Sistema modular de manufatura. Disponível em:

. Acesso em: 19 set. 2016.

CABRAL, C. DE O.; A Estratégia das Redes Empresariais e Alianças da Microsoft. REVISTA ELETRÔNICA NOVO ENFOQUE, ano 2011, v. 13, n. 13, p. 13 – 28.

CARNEVALLI. J.; SOUZA. J. E. R.; BENEDICTO. S. C.; SALERNO. M. S.;

MIGUEL, P.A. C. Modulidade em montadoras de automóveis: uma análise sob a ótica da estratégia. Produção Online, Florianópolis, SC, v.15, n. 2, p.433-457, abr./jun. 2015

CASTRO, Ednaldo Quirino. CONSÓRCIO MODULAR E CONDOMÍNIO

INDUSTRIAL. Revista Intellectus, v. 16, p.152-164, 2006.

COSTA, Bianca Aparecida Lima; AMORIM JUNIOR, Paulo Cesar Gomes and SILVA, Marcio Gomes da. As Cooperativas de Agricultura Familiar e o Mercado de Compras Governamentais em Minas Gerais. Rev. Econ. Sociol. Rural.

CUNHA, SieglindeKindl da and CUNHA, João Carlos da. Competitividade e sustentabilidade de um cluster de turismo: uma proposta de modelo sistêmico de medida do impacto do turismo no desenvolvimento local. Rev. adm. contemp. [online]. 2005, vol.9, n.spe2, pp.63-79. ISSN 1982-7849.

DÉCIO, Paulo. Modelando O Consórcio Modular. Disponível em:

. Acesso em: 22 set. 2016.

Elza Maria Santos I, Flávia Almeida Firmino II, Leliane Barros Peixoto III, Leônidas Fidelis da Silva IV. CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE COOPERATIVISTA:

COOPERATIVAS DE CRÉDITO. Belo Horizonte, 2007. Faculdade Novos Horizontes.

FERNANDES, Ana Cristina and LIMA, João Policarpo R..Cluster de serviços: contribuições conceituais com base em evidências do pólo médico do Recife. Nova econ. [online]. 2006, vol.16, n.1, pp.11-47. ISSN 0103-6351.

FERREIRA, A. A.; OLIVA, F. L. Formação de redes para o desenvolvimento tecnológico: uma experiência com empresas de base tecnológica. In: BOAVENTURA, João Maurício Gama (Org.). Rede de negócios: tópicos em estratégia. São Paulo: Saint Paul, 2006. p. 293-311.

FINATTI, R. Condomínios Empresariais nas Áreas Metropolitanas do Estado de São Paulo: Produção Imobiliária e Localização da Indústria. São Paulo 2011. Dissertação de mestrado apresentada a Universidade de São Paulo - USP.

FOGUEL, Flávio Henrique dos Santos and NORMANHA FILHO, Miguel Arantes. Um fator de desenvolvimento de clusters no Brasil: a educação profissional. Cad. EBAPE.BR [online]. 2007, vol.5, n.1,pp.01-16.

FRANCO, Angela. Em tempos globais, um “novo” local: a Ford na Bahia. Caderno CRH. Salvador, v. 22, n. 56, p. 359-380, 2009.

FUINI, Lucas Labigalini. ESTUDO DO MERCADO DE TRABALHO EM ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL): TERRITÓRIO E PRODUÇÃO CERÂMICA EM

SANTA GERTRUDES/SP. Sociedade&Natureza, Uberlândia, v. 20, n. 1, p.75-85, jun. 2008.

GASPAR. A. G.; BORGATO, F.; LIMA. I. C. DE.; Estratégia de atuaçãoem rede de negócios: estudo de caso no pequenovarejo de alimentos. REVISTA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA, Campo LimpoPaulista, v.7, n.1, p.3-16, 2013 (Jan/Abr).

GEROLAMO, M. C. Gestão de desempenhoem clusters e redes regionais de cooperação de pequenas e médiasempresas: Estudos de casosbrasileiros e alemães e proposta de um modelo de análise. 2007.227p. Tese (DoutoradoemEngenharia de Produção) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.2007.

GEROLAMO, Mateus Cecílio; CARPINETTI, Luiz César Ribeiro; FLESCHUTZ, Timo and SELIGER, Günther. Clusters e redes de cooperação de pequenas emédiasempresas: observatórioeuropeu, casoalemão e contribuiçõesaocasobrasileiro. Gest. Prod. [online]. 2008, vol.15, n.2,pp.351-365.

GONÇALVES, Anderson Tiago Peixoto; LEITE, Maria Silene Alexandre; DA SILVA, Ricardo Moreira. Um estudopreliminarsobre as definições e as diferenças dos principaistipos de arranjosempresariais. RevistaProdução Online, v. 12, n. 3, p. 827- 854, 2012.

Altos EstudosUgt/brasil,2013.

GUARNIERI, P.; HATAKEYAMA, K.; RESENDE, L. M. Estudo de caso de um

condomínio industrial naindústriaautomobilística: caso GM Gravataí. Rev. Produção Online, v. 9, n. 1, 2009

GUERRINI, F.M.; CALIA, R.C.; GILNEI, L.M. Innovation networks: From technological development to business model reconfiguration. Technovation, v. 27, p. 426-432, 2007.

HOFFMANN. V. E.; MORALES F. X. M.; FERNÁNDEZ M. T. M.- Redes de

empresas: proposta de umatipologia para classificaçãoaplicadanaindústria de cerâmica de revestimento. REVISTA ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA vol.11 no.spel.Curitiba.2007.

INHAN, Ligia; FERREIRA, João; MARQUES, Carla and REBELO, João. Paradoxo de inovação no cluster do vinho: o caso da regiãodemarcada do Douro. Rev. adm.empres. [online]. 2013, vol.53, n.3, pp.256-271. ISSN 0034-7590.

KUBO, Pablo Yugo Yoshiura; SILVA, Cristiano Cândido; LIMA, Rafael de Paiva. Consórcio modular Volkswagen caminhõesônibus, decisãoestratégica de sucesso. Simpósio de ExcelênciaemGestão e Tecnologia, Rio de Janeiro,2006.

L, Rosi. CONSÓRCIO MODULAR DA VOLKSWAGEN. 2012. Disponívelem:

.Acessoem: 19 set. 2016.

LACAY, Marino Castillo. CadeiaProdutiva do Turismo: Resumo dos Resultados do Estudo da RegiãoTurística do Litoral do Paraná – Brasil. Semintur, Caxias do Sul/RS, jul. 2010.

LEITE, M. S. A.; BRITO, A. M.; OLIVEIRA, J. B. Proposta de um framework com traçosdistintivoscomo base para aimplantação de sistemas de gestão de custos: aplicaçãoteóricanosformatosorganizacionaisestabelecidosnamesoregião do semiárido. GEPROS - Gestão da Produção, Operações e Sistemas – v.4, n. 1, jan./mar. 2009, p. 117-132.

LENCIONI, S. Condomíniosindustriais: um novo nicho dos negóciosimobiliários. Artigo do livro: Negóciosimobiliários e transformaçõessócio-territoriaisemcidades da América Latina. FAU USP, 2011. São Paulo.

LIMA, Rafael de Oliveira. COOPERATIVISMO POPULAR COMO REDUTOR DAS DESIGUALDADES SOCIAIS: UM ESTUDO DE CASO DA COOPCAP.

Natal, 2012. Universidade Federal do Rio Grande do Norte- UFRN

MAGALHÃES, Joilson João Lage de. O emprego do custo meta emumaestrutura de consórcio modular: Um estudomulticaso para ossistemistas do consórcio modular da FORD de Camaçari/BA. 2007. 151 f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,2007.

Marchese, A. ADMINISTRAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO. Brasilia, Monografia 2006. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS –FASA.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalhocientífico. São Paulo: Editora Atlas, 1992. 4a ed. p.43 e 44.

MARTINS, M DE F. Cooperação e Competitividadenuma Rede de Empresasem Campina Grande-Pb: OsDesafios para consolidarumamarca com conceitoSustentável

,QUALIT@S REVISTA ELETRÔNICA, ISSN 1677 4280 Vol.13. No 1 (2012).

MARTINS, M DE F. COOPERAÇÃO E COMPETITIVIDADE NUMA REDE DE EMPRESAS EM CAMPINA GRANDE-PB: OS DESAFIOS PARA CONSOLIDAR UMA MARCA COM CONCEITO SUSTENTÁVEL ,Revista Eletrônica, ISSN 1677 4280 Vol.13. No 1 (2012)

Martins, T. C. De Souza, S. C. I. Maia, K. IMPORTÂNCIA DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) DE CONFECÇÕES DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ PARA O MERCADO DE TRABALHO LOCAL. p. 1-20,2010.

MATTOS, SMCS. Arranjosprodutivoslocaiscomoestratégia para o desenvolvimento local: o caso de Maracás. Sitientibus. Feira de Santana, n. 39, p.131-167.

MENDES, A.A. Condomíniosindustriais e empresariais no Brasil. A indústriaautomobilística e osnovosespaçosprodutivosem Campinas (SP). Finisterra no.97 Lisboamaio2014

MONTEIRO, Rogério. Consórcio Modular. Universidade São Judas Tadeu, 2006.

NEGRINI. F.; WITTMANN. M. L.; BATTISTELLA. L. F. Análise da competitividade de uma rede de empresas do setormoveleiro do Estado do Rio Grande do Sul. REDES- REVISTA DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Santa Cruz do Sul, v. 12, n. 2,

p.127-144 mai./ago. 2007

OUSA, Diego Neves de; AMODEO, Nora Beatriz Presno; MACEDO, Alex dos Santos and MILAGRES, Cleiton Silva Ferreira. A comunicaçãonaarticulaçãoagroindustrial entre umacooperativa central, suascooperativassingulares e cooperados. Brasília, 2014

. Revista Economia e Sociologia Rural.

PEREIRA, Hernane Borges de Barros; FREITAS, Mario Cezar; SAMPAIO, Renelson Ribeiro. Fluxos de informações e conhecimentos para inovações no arranjoprodutivo local de confecçõesem Salvador, Bahia. Datagramazero: Revista de Ciência da Informação, Salvador, v. 8, n. 4, p.1-20, ago. 2007. Mensal.

PIRES, L. M.; MARQUES, M. J. Condomínio industrial e consorcio modular – gerenciamento de aliançaslogísticasestratégicasnabusca de fatorescompetitivos. 56 p. Monografia (GraduaçãoemEngenharia de Produção) - FaculdadePitágoras, Ipatinga - MG, 2009

PIRES, S. R. I.; SACOMANO NETO, M. Característicasestruturais, relacionais e gerenciaisnacadeia de suprimentos de um condomínio industrial naindústriaautomobilística. RevistaProdução, v. 20, n. 2, p. 172-185, abr./jun. 2010.

PIRES, S.; CARDOZA, G. A study of new supply chain management practices in the Brazilian and Spanish auto industries. International Journal of Automotive Technology and Management, v. 7, n. 1, p. 72-87, 2007.

PITANGA, Marcos. ConstruindoSupercomputadores com Linux. 3ª edição. Rio dejaneiro: BrasportLivros e MultimídiaLtda: 2008.

QUANDT, Carlos Olavo. REDES DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO LOCALIZADA: ESTUDO DE CASO DE UM ARRANJO PRODUTIVO LOCAL. Rai

– Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 9, n. 1, p.141-166, 2012. Jan./mar.

RESENDE, Alexandre Pimentel de et al. CONSÓRCIO MODULAR: O NOVO PARADIGMA DO MODELO DE PRODUÇÃO. Curitiba-PR, 2008.

ROMERO, E. .Desenvolvimento de Clusters navisão do conhecimento: proposta do modelo PRUGI de análise: oportunidades para o norte do estado do Rio de Janeiro. Tese de doutorado. COPPE / UFRJ. Rio de Janeiro.2006

Santana, J.Marques, D. PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS

PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO. boletim regional, urbano e ambiental, p. 103-107, 2014.

SANTOS, H. N., FILHO, E. R. Processos de produção e trabalho no ArranjoProdutivo Local calçadista de Nova Serrana. GEPROS. Gestão da Produção, Operações e Sistemas, Bauru, Ano 8, nº 2, abr-jun/2013, p.55-65.

SCOPINHO, Rosemeire Aparecida. Sobrecooperação e cooperativasemassentamentosrurais. Porto alegre, 2006. Universidade Federal de São Carlos.

SILVA, Ione Guilherme Pereira da; RODRIGUES, Danielle Fernandes; PINHEIRO, Nadja Valéria. CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA ANÁLISE

SOBRE A SUSTENTABILIDADE. Xi Encontro de Iniciação à Docência, UFPB, 2009.

SILVA. G. G. S.; Indústrias e Segurança Ambiental no Município de Maracanaú- CE. Dissertação (mestradoacadêmicoem Geografia)- UniversidadeEstadual do Ceará, Fortaleza-CE, 2015.

SILVEIRA. M. A. P.; FARINA. M. C.; Análise de Redes Sociaiscomo ferramenta que contribui para a melhoria das relações entre empresasparticipantes de um APL de eventos. In: REDES- REVISTA DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, Santa Cruz

do Sul, v. 17, n. 1, p. 33 – 54, jan/abr 2012

STADUTO, Jefferson A. R.; ROCHA JR, Weimar F. and BITENCOURT, Mayra B.Contratos no mercado de trabalhoagrícola: o caso das cooperativas de trabalhadoresrurais. Brasilia, 2006 ,Revistaeconomia e sociologiageral.

STRIEDER, P.J .O SISTEMA COOPERATIVISTA EM UM OLHAR ANTROPOLÓGICO. São Paulo, 2008. FAC.

SUGAHARA, Cibele Roberta, VERGUEIRO, Waldomiro de Castro Santos. Redes sociais: um olharsobre a dinâmica da informaçãona rede (APL) ArranjoProdutivo Local Têxtil, de Americana – São Paulo. RevistaInteramericana de Bibliotecología, 2011, vol. 34, no. 2, p. 177-186.

TEIXEIRA, Fátima Regina; MAYR, Luiz Roberto; PAISANA, António Viera e VIEIRA, Filipa Dionísio. Escolhasmetodológicaseminvestigaçãocientífica: aplicação da abordagem de Saunders no estudo da influência da culturanacompetitividade de clusters. RISTI [online]. 2014, n.spe2, pp.85-98. ISSN 1646-9895.

USIMINAS. Diagnóstico da CadeiaProdutiva de Petróleo e Gás – P&G. Segmento Industrial, out. 2010.

VENANZI, D.; SILVA, O. R. Arranjosde condomínio industrial e consórcio modular naindústriaautomobilísticabrasileira: umaanálise de múltiploscasos. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS – SIMPOI. Anais...,2010.

VERSCHOORE. J. R.; BALESTRIN. A.; Ganhoscompetitivos das empresasem redes de cooperação. REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO ELETRÔNICA, São Paulo, v.1, n.1, art.2, jan./jun.2008

VIDIGAL, Vinícius Gonçalves; VIGNANDI, Rafaella Stradiotto; DE CAMPOS, Antonio Carlos. EVOLUÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APL) DE

CONFECÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ NOS ANOS 2000. RevistaBrasileira de EstudosRegionais e Urbanos (RBERU), v. 8, n. 1, p. 54-76, 2014.

WITTMANN. M. L.; DOTTO. D. R.; WEGNER. D.; Redes de empresas: um estudo de redes de cooperação do Vale do Rio Pardo e Taquari no estado do Rio Grande do Sul. In: REDES- REVISTA DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, Santa Cruz do Sul,

v. 13, n. 1, p. 160 - 180, jan./abr. 2008.

YOSHIMITANAKA, Oswaldo et al. Uso da análise de clusters como ferramenta de apoio à gestão no SUS. Saude soc. [online]. 2015, vol.24, n.1, pp.34-45. ISSN 0104- 1290.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.