Modelos matemáticos para tomada de decisão quanto ao uso total de água potável em relação ao uso misto de água potável e não potável em edifícios / Mathematical models for decision making regarding the total use of drinking water in relation to the mixed use of potable and non-potable water in buildings

Viviane Grion Mielli, Lúcia Helena de Oliveira, Fernando Akira Kurokawa

Resumo


Em decorrência da escassez de água verificada, em grandes centros urbanos, nos últimos anos no Brasil, o uso de água não potável em edifícios tem aumentado gradativamente, tendo em vista a redução da oferta de água potável. Para tal, há três opções de sistemas: descentralizado individual, descentralizado em grupo e centralizado. Para fazer a melhor escolha são consideradas variáveis tais como: os custos de aquisição e de implantação dos sistemas, os custos operacionais e de manutenção, além de assegurar a qualidade final da água produzida de modo a preservar a saúde dos usuários. Nesse sentido, tendo em vista os custos, os riscos à saúde dos usuários e as responsabilidades de gestão que envolvem a utilização de um sistema predial de água não potável, surge a seguinte questão: em termos econômicos, ambientais e sociais, não seria mais viável o uso de água potável em edifícios ao invés de uso misto de água potável e não potável? Assim, o objetivo deste artigo é formular modelos matemáticos quanto ao uso total de água potável em relação ao uso misto de água potável e não potável, que permitam otimizar a tomada de decisão, por meio das principais variáveis envolvidas na implantação, manutenção e operação de sistemas de tratamento de água. Para o desenvolvimento deste artigo foi realizada pesquisa bibliográfica para coletar dados que possibilitassem caracterizar e comparar tanto os sistemas prediais centralizados e descentralizados, quanto os tipos de tratamentos existentes. Além disso, a partir das informações levantadas, foi empregada a pesquisa operacional para formular modelos matemáticos para a tomada de decisão. Os resultados são a formulação e a validação de um modelo para populações superiores a 30 mil habitantes, assim como a análise do comportamento da solução ótima para diferentes populações e vidas úteis. As conclusões indicampriorização de sistemas centralizados e otimalidade da solução ao longo de um intervalo de tempo de 20 anos.
 

Palavras-chave


água potável, água não potável, tomada de decisão, sistemas prediais

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Disponibilidade e Demandas de Recursos Hídricos no Brasil – Caderno de Recursos Hídricos 2. Brasília, 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Conservação e reuso da água em edificações. São Paulo, 2005, 152 p. Disponível em: . Acesso em junho de 2015.

ALMEIDA, D. L.; BENASSI, R. F. Crise hídrica e de energia elétrica entre 2014-2015 na região Sudeste. Revista Hipótese, Itapetininga, v. 1, n. 2, p. 65-76, 2015.

BRASIL. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: Agenda 21. Câmara dos Deputados, Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Portaria n. 2914, de 12 de dezembro de 2011.

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SABESP). Relatório de Sustentabilidade. São Paulo, 2014.

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SABESP). Estudo de concepção e projeto básico do Sistema Produtor São Lourenço. São Paulo, 2011.

DIAS, C.M. Modelos para a tomada de decisão quanto ao tipo de sistema predial de água não potável. 2017. 224 p. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Ciências, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Construção Civil, São Paulo, 2017.

DOMÈNECH, L.; VALLÈS, M. Local regulations on alternative water sources: greywater and rainwater use in the metropolitan region of Barcelona. InvestigacionesGeográficas. v. 61, p. 87- 96, 2014.

DOMÈNECH, L.; SAURÍ, D. Socio-technical transitions in water scarcity contexts: Public acceptance of greywater reuse technologies in the Metropolitan Area of Barcelona. Resources, Conservation and Recycling. v. 55, p. 53-62, 2010.

GUEST, J. S. et al. A new planning and design paradigm to achieve sustainable resource recovery from wastewater. Environmental Science & Technology, 43, p. 6126-6130, 2009.

HAUBERT, M. Região Sudeste vive a pior crise hídrica em 84 anos, afirma ministra. Folha de São Paulo: 24 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em julho de 2015.

LIBRALATO, G; GHIRARDINI, A. V.; AVEZZÙ, F. To centralise or to decentralise: an overview of the most recent trends in wastewater treatment management. Journalof Environmental Management, v. 94, p. 61-68, 2012.

LIMA, R.G. Tratamento descentralizado de efluentes como alternativa a despoluição dos recursos hídricos da região metropolitana de Aracaju/SE. 2008. 127 p. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2008.

METCALF e EDDY. Water reuse: issues, technologies, and applications, 1. ed. New York: McGraw Hill, USA, 2007.

OLIVEIRA, S. V. W. B. Modelo para tomada de decisão na escolha de sistema de tratamento de esgoto sanitário. 2004. 197 p. Tese (Doutorado) – Departamento de Administração, Faculdade de Economia e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SANTOS, A. M. Tratamento descentralizado de esgotos domésticos em sistemas anaeróbios com posterior disposição do efluente no solo. 2013. 83 p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2013.

SANTOS, M. P. Programação Linear. Departamento de Matemática Aplicada, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000, 146 p.

SHEHABI, A.; STOKES, J. R.; HORVATH, A. Energy and air emission implications of a decentralized wastewater system. Environmental ResearchLetters, v. 7, n. 2, 7 p., 2012.

TUNDISI, J. G. Recursos hídricos no futuro: problemas e soluções. EstudosAvançados, v. 22, n. 63, 2008.

UNITED STATES ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY (U.S.EPA). Guidelines for water reuse. Washington: United States Environmental Protection Agency, EPA/600/R-12/618, 2012. Disponívelem:. Acesso em novembro de 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Novo estudo da ONU indica que mundo terá 11 bilhões de habitantes em 2100. Disponível em: . Acesso em: 05 de setembro de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.