As perspectivas de competitividade dos batedores artesanais de açaí com selo ‘açaí bom’ / Competitive prospects for 'Acai bom' stamp

Dinaldo do Nascimento Araujo

Resumo


O trabalho tem como tema as perspectivas de competitividade dos batedores artesanais que tem o selo “Açaí Bom’ na capital paraense. O objetivo principal é descrever e avaliar as principais perspectivas de competitividade da atividade de batedor artesanal de açaí na capital paraense. A fundamentação teórica considerada para a pesquisa é composta de uma abordagem de competitividade, de fatores de competitividade e da atividade artesanal de processamento do fruto açaí. A metodologia foi qualitativa e quantitativa descritiva aliada com a técnica survey apoiada por um questionário de pesquisa que proporcionou caracterizar a amostra. Os fatores de competitividade definidos para o referido estudo foram: estrutura de mercado, armazenamento e transporte e ambiente institucional. Na percepção da amostra os subfatores que impactam positivamente a competitividade são a certificação de qualidade; transporte do fruto; parceria com centros de pesquisas; legislação e inspeção sanitária; curso de manipulação e uso dos engradados plásticos. E os subfatores que impactam negativamente a atividade são o número de batedores; o custo do transporte; as condições, a capacidade e a segurança das rodovias e dos portos; a disponibilidade e o acesso ao crédito; as ações governamentais e a doença de chagas.

 


Palavras-chave


Competitividade. Fatores de competitividade. Batedores artesanais

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO DOS VENDEDORES ARTESANAL DE AÇAÍ DE BELÉM E REGIÃO METROPOLITANA – AVABEL. Disponível em . Acessado em março de 2016

BARCHET, Isabela. Avaliação da competitividade da cadeia produtiva de carne ovina no Rio Grande do Sul. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Maria, 2012

BATALHA, Mário Otávio; SOUZA FILHO, Hildo Meirelles de. Agronegócio no Mercosul: uma agenda para o desenvolvimento. São Paulo: Atlas, 2009.

COUTINHO, Luciano. FERRAZ, João Carlos. Estudo da competitividade da indústria brasileira. 3 ed. Campinas: Papirus/Unicamp, 1995

FERRAZ, J. C.; KUPFER, D.; HAGUENAUER, L. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus, 1995

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. Decreto nº 326. Estabelece requisitos higiênico-sanitários para a manipulação de Açaí e Bacaba por batedores artesanais, de forma a prevenir surtos com Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) e minimizando o risco sanitário, garantindo a segurança dos alimentos. Diário oficial do Estado do Pará. 20 jan. 2012

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 15 Jun. 2016.

MELZ, Laércio Juarez. Competitividade da cadeia produtiva de carne de frango em Mato Grosso: Avaliação dos segmentos de avicultura e processamento. Dissertação de Mestrado. Dep/UFSCAR. São Carlos, 2010

PINAZZA, Gustavo Galvão de. Análise da competitividade da cadeia produtiva da soja no Brasil vis-à-vis os demais países exportadores Sul-Americanos. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos, 2008

ROMAN, Darlan José. PIANA, Janaina. LOZANO, Marie Anne Stival Pereira e Leal. MELLO, Nelson Ruben de. ERDMANN, Rolf Hermann. Fatores de competitividade organizacional. Brazilian Business Review. V.9, n.1, Vitória, Jan-Mar, 2012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.