Foz Côa megalítica nos processos de turistificação / Foz Côa megalithic in the processes of tourism

José Manuel Figueiredo Santos, Isabel Cristina Tavares Gonçalves Teotónio, Isabel Cristina Tavares Gonçalves Teotónio

Resumo


Este artigo aborda a relação entre património e turismo pelo viés das representações propiciadas pela arqueologia pré-histórica que, em Portugal, fez emergir as megalíticas gravuras rupestres do município de Vila Nova de Foz Côa, erigidas à condição de Património Mundial da Humanidade, pela UNESCO, em 1998. Assenta num estudo de caso problematizadordas potencialidades daquela instância na sua apropriação cultural pelo turismo, interlocução com tanto mais fundamento quanto o seu valor cultural intrínseco parece ter sofrido uma inflexão compaginável com a crítica de especialistas relativa à ausência de políticas de investigação, valorização, fruição e proteção deste património que, assim, parece condenado ao insucesso enquanto recurso municipalendógeno.

Assim, preconizamos aferir se os conhecimentos daquele espaço fazem jus a esse pessimismo cultural ou se, pelo contrário, este património contém uma potencialidade turística que o contraria. Os resultados apresentados deduzem-se de um conjunto inquirições feitas a estudantes do ensino superior, que tiveram como principal objetivo aferir a performatividade deste Património para o turismo cultural, e apontam para a inscrição das gravuras rupestres numa torrente de difuso amorfismo turístico.

 


Palavras-chave


Cultura. Processos turistificadores. Património. Turismo.

Texto completo:

PDF

Referências


Baudrillard, J., (1992), A Sociedade de Consumo, (trad. de Artur Morão), Edições 70, Lisboa.

Bourdieu, P., (1979), La Distinction,Critique Sociale du jugement, Les Éditions de Minuit, Paris.

Bourdieu, Pierre, (1996), As Regras da Arte, Génese e Estrutura do Campo Literário, (trad. Miguel Serras Pereira), Editorial Presença, Lisboa.

Conceição, C. Palma, (1998), Promoção Turística e (Re)Construção Social da Realidade, in Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 28, Celta Editora, Oeiras, p. 69.

Crik, M. (1989), “Representations of International Tourism in the Social Science: Sun, Sex, Sights, Savings and Servility”. Annual Review of Antropology, 18:307-44.

Cruz, Maria Teresa (2002), «Técnica e Afecção», in Crítica das Ligações na Era da Técnica, (0rg. José. A. Bragança de Miranda e Maria Teresa Cruz), Tropismos, Lisboa.

Durand, G., (1989), As Estruturas Antropológicas do Imaginário, Introdução à Arquetipologia Geral, (tradução de Helder Godinho), 1ª edição, Editorial Presença, Lisboa,

Elias, N., (1994), Teoria Simbólica, Celta Editora, Lisboa.

Foucault, M., (1972), A Arqueologia do Saber, Editora Vozes Ltdª., Rio de Janeiro.

Halbwachs, M., (1997), La mémoire collective, Albin Michel, Paris.

Krippendorf, J., (1989), Sociologia do Turismo, Para uma nova compreensão do Lazer e das Viagens, Civilização Brasileira S.A., Rio de Janeiro.

Lacan J., (1986), Os Escritos Técnicos de Freud, (trad. de Maria Belo a partir da edição francesa), Publicações Dom Quixote, 1ª edição, Lisboa.

Lash, Scott, e Urry, John, (1994), Economies of Signs and Space, Sage, London.

MacCannell, D. (1973) “Staged authenticity: arrangement of social pace in tourist settings”. American Journal of Sociology, 79(3): 589-603.

MacCannell, D., (1976), The Tourist, A new theory of the leisure class, Schocken Books, New York.

Miranda, José A. Bragança (1994), Analítica da Actualidade, Veja, Lisboa.

Nogueira, Luis C., (1997), La risa del espacio, El imaginário espacio-temporal en la cultura contemporânea: una reflexión sociológica, editorial Tecnos, S.A., Madrid.

Odo, Marquard, (1981), L` homme accusé et l`homme disculpé dans la philosofie du XVIIe siècle, Critique, n.º 413.

Santos, José Manuel Figueiredo (2002), Turismo – Mosaico de Sonhos, Edições Colibri, Lisboa.

Schiller, F., (1997), Textos Sobre O Belo, O Sublime e O Trágico, (trad. de Teresa Rodrigues Cadete), Imprensa Nacional Casa da Moeda, Estudos Gerais Série Universitária, Clássicos da Filosofia, Lisboa.

Simmel, Georg, (1986), Sociologia 2 Estudios sobre las formas de Socialización, ed. Cast.: Alianza Editorial, S.A., Madrid.

Simmel, G.,(1994), A Metrópole e a Vida do Espírito, in Carlos Fortuna (org.), Cidade Cultura e Globalização, p. 31.

Soja, Edward W., (1996), Thirdspace, Journeys to Los Angeles and other Real-and-Imagined Places, Blackwell Publishers Inc., Massachusetts.

TIGHE, AJ., (1986), “The arts/tourism partnership”, in Journal of Travel Research n.º 24, pp. 2-5.

Urry. J. (2000) The Touriste Gaze. Leisure and Travel in Contemporary Societies. Sage, London.

Vasconcelos, J., (1997), Tempos Remotos: a Presença do Passado na Objectivação da Cultura Local, in Etnográfica, Volume 1, N.º 2, Revista do Centro de Estudos de Antropologia Social (ISCTE), Lisboa.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.