Planejamento de recursos humanos no pronto socorro de Araguari, Minas Gerais / Human resources planning at Araguari emergency room, Minas Gerais

Alberto Felipe de Souza Júnior, Barbara Fabel Bernucci, Évora Mandim Ribeiro Naves, Fernanda Camargo Borges e Silva, Jaqueline Mendonça Gondim

Resumo


Esse trabalho resulta da experiência vivenciada na disciplina de Economia e Gestão em Saúde II, no 6º período, do primeiro semestre de 2015, do curso de Medicina, no sentido de que o conteúdo Planejamento de Recursos Humanos fosse abordado. O objetivo do trabalho consiste em compreender o processo de planejamento de recursos humanos da equipe de saúde do Pronto Socorro Municipal de Araguari (PSMA). Trata-se de uma pesquisa qualitativa desenvolvida por meio da Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez. As etapas contempladas foram: observação da realidade, definição de pontos chave, teorização, hipóteses de solução e aplicação à realidade. Na etapa da teorização, realizou-se uma entrevista semi-estruturada com uma enfermeira, um médico e alguns pacientes do PSMA. A partir da teorização, foram apontadas algumas hipóteses de solução. O planejamento de recursos humanos precisa ser reformulado para melhorar o tipo de serviço prestado à população e para adequar os custos, em uma realidade cujos recursos financeiros à saúde pública tem se tornado mais escasso.  Além disso, elaborou-se uma cartilha esclarecendo o papel do PSMA dentro do sistema de saúde do município de Araguari e sobre seu funcionamento, para ser entregue nas UBS.


Palavras-chave


Dimensionamento de pessoal, Serviços de saúde, Planejamento em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, A.V.; COSTA, M.N. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital universitário. Rev Latino-am Enfermagem, v. 11, n.6, p. 832-839, 2003.

BERBEL, NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface Comum Saúde Educ., v.2, n.2, p.139-154, 1998.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Minuta de Resolução CFM nº 2.079/14. Disponível em:. Acesso: 30 maio 2015.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) nº 293/2004. Disponível em: Acesso em: 30 maio 2015.

DATASUS. Cadastro no CNES. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2015.

FRANÇA, A.C.L., RODRIGUES, A.L. Stress e trabalho: guia básico com abordagem psicossomática. Atlas, São Paulo, 2006.

FRANCO, G. P.et al. Burnout em residentes de enfermagem. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 45, n. 1, mar. 2011.

FUGULIN, F.M.T., GAIDZINSKI, R.R., KURCGANT, P. Ausências previstas e não previstas da equipe de enfermagem das Unidades de Internação do HU-USP. RevEscEnferm USP, v.37. n.4, p. 109-117, 2003.

GARCIA, V. M.; REIS, R. K. . Perfil de usuários atendidos em uma unidade não hospitalar de urgência. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 67, n. 2, p. 261-267, abr. 2014.

GARLET, E. R. et al.Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v.18, n.2, p.266-272, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: Tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p.20-29, Mai.Jun. 1995.

LEITE, M. Escassez de médicos é aguda no sistema público, não no Brasil. Folha de S. Paulo, São Paulo, 01 nov. 2013.

MALAGRIS, L. E. N. Burnout: o profissional em chamas. In: NUNES SOBRINHO, F. P.; NASSARALLA, I. (Eds.). Pedagogia Institucional: fatores humanos nas organizações. Rio de Janeiro: ZIT Editores, p. 196-213, 2004.

MARTINATO, M., et. al. Absenteísmo na Enfermagem: Uma revisão integrativa. Rev. Gaúcha de Enf., Porto Alegre, mar. 2010.

MARTINS, L. A. N. A saúde do profissional de saúde. In: DE MARCO, M. A. (Ed.). A face Humana da Medicina. Casa do Psicólogo, São Paulo, p. 93-99, 2003.

MARQUES, G.Q.; LIMA, MADS. Demandas de usuários a um serviço de pronto atendimento e seu acolhimento ao sistema de saúde. Rev Latino-am Enfermagem, v.15, n.1, p.13-19, 2007.

MARTINS, L.M.M., et. al. Agentes estressores no trabalho e sugestões para amenizá-los: opiniões de enfermeiros de pós-graduação. Rev. Esc. Enfermagem, USP, v.34, n. 1, p.52-58, 2000.

MELO, M.C.; QUELUCI, G. C.; GOUVEA, M.V. Problematizando a residência multiprofissional em oncologia: protocolo de ensino prático na perspectiva de residentes de enfermagem. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 48, n. 4, p. 706-714, ago. 2014.

MENZANI, G. Stress entre enfermeiros brasileiros que atuam em pronto socorro. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Escola de Enfermagem da USP: 2006.

MOIMAZ, S. A. S. et al . Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 1419-1440, dez. 2010.

MORICI, M. C.; BARBOSA; A. C. Q. A gestão de recursos humanos em hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) e sua relação ao modelo de assistência: um estudo em hospitais de Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro , v. 47, n. 1, p. 205-225, fev. 2013 .

PICCHIAI, D. Parâmetros e Indicadores de Dimensionamento de Pessoas em Hospitais. Disponível em :. Acesso em: 30 maio 2015.

PRADO ML., et al. Arco de maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde.Esc Anna Nery. 16 (1):172-177.jan-mar. 2012.

SANCINETTI, Tânia Regina et al. Nursing staff absenteeism rates as a personnel management indicator. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 4, p. 1007-1012, 2011.

SILVA, M.P.P., MARZIALE, M.H.P. Absenteísmo de trabalhadores de enfermagem em um hospital universitário. Rev Latino AmEnferm, Ribeirão Preto, v.8, n. 5, p. 44-51, 2000.

SOUSA A B. O método da resolução de problemas com o arco de maguerez. . Acesso em: 13/02/2016.

STARFIELD, B. Atenção Primária. Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde, 2002.

VITURI, D. W. et al . Dimensionamento de enfermagem hospitalar: modelo OPAS/OMS. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 20, n. 3, p. 547-556, set. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.