Perfil postural de indivíduos escolares em Maceió-Al / Postural profile of school individuals in Maceió-Al

Edlávio Oliveira Silva, Ana Candice Coelho, Charlles Petterson Andrade de Omena

Abstract


Dentre os distúrbios ortopédicos, as alterações posturais da coluna e membros inferiores são as mais incidentes. Alguns hábitos posturais incorretos, adotados desde o ensino fundamental, são motivo de preocupação, devido a imaturidade das estruturas músculoesqueléticas que apresentam menor suporte à carga. OBJETIVO: Analisar a característica postural e identificar possíveis alterações posturais em estudantes com faixa etária de 10 a 14 anos. MÉTODO: 80 estudantes do centro educacional de pesquisa aplicada (CEPA), avaliados em quatro etapas: Anamnese; Teste de Adams; Analise do perfil postural com o IAP e a Biofotogrametria computadorizada. Utilizou-se o SPSS 17, para análise estatística dos dados, com um nível de significância de p<0,05. Para biofotogrametria, utilizou o método de angulação de Cobb, analisando o desvio lateral da coluna vertebral. RESULTADOS: 33,7% apresentaram hiperlordose, 30% ombros elevados e 35% cabeça inclinada. Teste de Adams: 71,2% apresentaram-se normal, 15% Gibosidade torácica à direita e 13,8% à esquerda. Alteração de pelve antevertida com hiperlordose (p<0,05) e ambos os sexos, ângulo de carreamento à direita com ombro elevado à esquerda (p<0,05) apenas no sexo feminino e ombros protusos com hiperlordose (p<0,05) apenas no sexo masculino. Na angulação, observamos 1% dos avaliado com 20° de desvio lateral com 10 a 12 anos e 3% com 16º em ambos os sexos. CONCLUSÃO Na amostra estudada, observou-se a presença de hiperlordose lombar e escoliose leve, porém, a idade dos indivíduos torna-se um fator preocupante, por estarem na fase considerada como estirão do crescimento.

 


Keywords


Fotogrametria, Postura, Adolescente, Coluna Vertebral

References


Sacco I.C.N, Costa P.H.L., Denadai R.C., Amadio A.C. Avaliação biomecânica de parâmetros antropométricos e dinâmicos durante a marcha em crianças obesas. Congresso Brasileiro de Biomecânica; 1997; Campinas. Anais. Campinas: Unicamp/SBB; 1997. p. 447-452.

Knoplich J. 1985. A coluna vertebral da criança e do adolescente. Ed. Panamed, São Paulo.

Kendall F.P., McCreary EK, Provance P.G. Músculos provas e funções. 4ª ed. São Paulo: Manole; 1995.

KISNER, carolyn; COLBY, Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: Fundamentos e técnicas. Tradução Lilia Breternitz Ribeiro 3 ed. São Paulo: Manole, 1998.

Pereira, O.S. A utilização da análise computadorizada com método de avaliação das alterações posturais: um estudo preliminar. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 16, n.2, p.17-25, 2003

Bricot, B. Posturologia. 2. ed. São Paulo: Ícone editora, 2001. 270 p.

Ferriani M.G.C, Cano A.A.T., Candido GT, Kanchina AS. Levantamento epidemiológico dos escolares portadores de escoliose da rede pública de ensino de 1º grau no município de Ribeirão Preto. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2000. Disponível em: . Acessado em 10 fevereiro 2012.

Ferst N.C. O uso da mochila escolar e suas implicações posturais no aluno do Colégio Militar de Curitiba. [Tese de Mestrado]. Florionópolis: Faculdade de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.

Scoliosis Research Society. Report of the prevalence and natural history committee. Presented at the 17th Annual Meeting of the Scoliosis Research Society, Denver Sept. 1982; 22-25.

Carenzi T, Domenichelli C., Zitti A.C., Berbel A.M. Avaliação postural em crianças em idade escolar de uma escola da cidade de Guarulhos - SP.Rev Fisioter UNICID 2004; 3(1): 39-47.

Charrière L, Roy J. Fisioterapia dos desvios laterais da coluna vertebral. São Paulo: Roca, 1987.

Tüzün, C.; Yorulmaz, I.; Cindas, A.; Vatan, S. Low Pain and Posture. Clin Reumatol. v.18, n.4b, p.308-12, 1999.

Widhe T. Spine: posture, mobility and pain. A longitudinal study from childhood to adolescence. Eur Spine J. 2001; 10:118-123.

Coren, S.; Porac, C.; Duncan, P. (1981). Lateral preference behaviors in pre-school children and young adults. Child Develop ment, 52, 443-450.

Oliveira, C. et al. Avaliação e orientação postural em escolares de 7 a 2 anos do Colégio Estadual Jardim Piza Roseira. Revista Olho Mágico, Londrina, ed. especial PEEPIN/98, mar. 2000. Disponível em:< http://www.ccs.uel.br/olhomagico/peepin98/Gim16.html>. Acesso em: 20 ago. 2007.

Benis G.E., Ferreira A.S., Campos C.C.J.R., Chiapeta A. Desvio postural em escolares. Revista Digital EF-Desportes 2011; 12:158.

Back C.M.Z., e Lima I.AX. Fisioterapia na escola: avaliação postural. Fisioter Bras 2009; 10(2):72-77.

Fornazari LP. Prevalência de postura escoliótica em escolares do ensino fundamental de duas escolas do município de Guarapuava – PR, 2005 [Dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; 2005.

Mangueira JO. Prevalência de desvios na coluna vertebral ao exame físico em estudantes de 11 a 16 anos em uma escola do bairro Sinha Saboia em Sobral-CE. [Dissertação]. Sobral, CE: Universidade Estadual Vale do Acarau; 2004.

Minghelli, B. et al. Prevalência de alterações posturais em crianças e adolescentes em escolas do Algarve.Saúde & Tecnologia. 2009; (4): 33-37. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.21/146

Greenspan, Adam. Escoliose e anomalias com acomentimento geral do esqueleto. In: GREENSPAN, Adm (Org.) Radiologia Ortopédica. 3 ed. Philadelphia: Ed GUANABARA KOOGAN, 2000. p. 891-929

Shea K.G., Stevens P.M., Nelson M., Smith J.T., Masters K.S., Yandow S. A comparison of manual versus computer-assisted radiographic measurement: Intra-observer measurement variability for Cobb angles. Spine. 1998; 23:551-555

Facanha-Filho F.A.M., Winter R.B., Lonstein JE, et al. Measurement accuracy in congenital scoliosis. J Bone Joint Surg Am. 2001; 83:42-45.

Elias N, Teixeira JCM. Escoliose idiopática do adolescente; diagnóstico precoce através de exame ortopédico rotineiro. Rev Bras Ortop 1992; 27: 275-7.

Fisher, P. Clinical measurement and significance of leg length & iliac crest height discrepancies. The Journal of Manual & Manipulative Therapy 1997; 5(2): 57-60

Figueiredo JDS, Figueiredo UM. Incidência de escoliose no Maranhão. Rev Bras Ortop 1981; 16(4): 21-127.

Carneiro Neto C, Pawlowski C, Dirami M, Camargo RCM, Boschin LC, Mothes FC. Prevalência de escoliose em uma escola da periferia da cidade de Porto Alegre. Pesquisa Médica 1999; 33: 31-3.).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-135

Refbacks

  • There are currently no refbacks.