Base nacional comum curricular: educação infantil e anos iniciais - etapas (IN) complementares da educação básica / Common national curricular base: early childhood education and early years - (IN) complementary stages of basic education

Cláucia Honnef, Daliana Löffler, Gabriela da Ros de Araújo, Jucemara Antunes

Abstract


O presente artigo trata de temática da complementariedade entre a Educação Infantil e os Anos Iniciais. Vivências nessas etapas da Educação Básicas, bem como inquietações e discussões realizadas no Grupo de Estudos da Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo, a partir de pesquisa documental, incorporam as reflexões desse artigo. Os documentos mobilizadores de reflexão e analise sobre essa temática foram as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil (2009), Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei 9.394/96-, Base Nacional Comum Curricular (2015) e Plano Nacional de Educação (PNE 2014 - 2024). Entendemos que a complementariedade entre as etapas da Educação infantil e dos Anos iniciais precisa ser problematizada para que se possam voltar olhos, ouvidos e mentes às compreensões e ações que envolvem o currículo, a criança, a infância, o brincar, os quais são elementos que necessitam maior atenção e discussão quando se pensa complementariedade dessas etapas na Educação Básica. Este trabalho objetiva analisar as diferentes compreensões sobre esses elementos na Educação Infantil e Anos Iniciais, considerando estas etapas como complementares e, ainda, considerando o atual momento de diálogo sobre a Base Nacional Comum Curricular. Tendo como base os documentos citados, as analises apontam para o fato de que as diferentes compreensões sobre currículo, criança, infância e brincar na educação Infantil e nos anos Iniciais imprimem conotações diferentes conforme o contexto em que estão inseridas, principalmente em função do dualismo histórico entre corpo e mente, separando a criança que na Educação Infantil aprende através das vivências corporais; do aluno que no Ensino Fundamental tem enfocada na mente, na razão a sua promoção de aprendizagem. Entendemos que para se ter a criança e suas culturas infantis como foco da ação pedagógica nas instituições de ensino, é preciso um processo de reflexão e discussão que abranja concepções e ações tanto de professores quanto de equipes de gestão escolar e equipes de gestão educacional. Por fim, defendemos que, independente da etapa de escolarização, a criança precisa ser reconhecida nas suas diferentes formas de aprender, garantindo o caráter de complementariedade entre Educação Infantil e Anos Iniciais.


Keywords


Currículo Infância. Criança. Brincar. Base Nacional Comum Curricular.

References


BARBOSA, Maria Carmen Silveira; HORN, Maria da Graça Souza. Projetos Pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.

______. Práticas Cotidianas na Educação Infantil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Secretaria da Educação Básica. Ministério da Educação. Brasília: UFRGS/SEB/MEC 2009.

BRANDÃO, C. R. O que é educação

o? (Col. Primeiros Passos) Rio de Janeiro. Brasiliense. 1981.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

_______. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Ministério da Educação: Brasília, 2009.

_______. Lei nº 13.005 de 25 de Junho de 2014. Aprova o Plano Nacional da Educação e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 jun. 2014.

_____. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documento/BNCC-APRESENTACAO.pdf. Acesso em: 12 de março. 2016

______. Brincadeiras e interações nas Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil: manual de orientações pedagógicas- módulo 1. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

CABRAL, Arlinda. A construção da escola democrática. Uma reflexão com base em Jacques Delors et al., Licínio Lima e Jaume Carbonell Sebarroja. Revista Lusófona de Educação, 2007.

CARVALHO, Rosita. E. Educação inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. 3ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2010.

CORSINO, Patrícia. A abordagem das diferentes áreas do conhecimento nos primeiros anos do Ensino Fundamental. Salto para o futuro: Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Secretaria de Educação a Distância, Ministério da Educação, Brasília, nº12, set 2009.

FERREIRA, Liliana. S. Trabalho dos professores na escola: por que gestão do pedagógico?In: Revista Educación y Educadores, Vol. 12, Núm. 2, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 32.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GOODSON, Ivor, F. Currículo: teoria e história. Tradução de Attílio Brunetta, revisão de tradução de Hamilton Frenacischetti, apresentação de Tomaz Tadeu da Silva. 9 ed. Petrópilis, RJ: Vozes, 2010.

KRAMER, Sônia. As Crianças de 0 a 6 Anos nas Políticas Educacionais no Brasil: Educação Infantil e/é Fundamental. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 27, n. 96 - Especial, p. 797-818, out. 2006 809

OSTETTO, Luciana Esmeralda. Planejamentos na Educação Infantil: mais que a atividade, a criança em foco. In. OSTETTO, Luciana Esmeralda (Org).Encontros e encantamentos na Educação Infantil: partilhando experiências de estágios. Campinas/SP: Papirus, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv6n1-001

Refbacks

  • There are currently no refbacks.