Estruturas e representações sobre a desigualdade de gênero na gestão da água em Ouro Preto/ MG: uma análise da percepção de conselheiros e gestores dos órgãos municipais / Structures and representations on gender inequality in water management in Ouro Preto / MG: an analysis of the perception of councilors and managers of municipal bodies

Alexsandra Matilde Resende Rosa, Vera Lúcia de Miranda Guarda, Kerley dos Santos Alves

Abstract


O artigo analisa a participação das mulheres na gestão das águas no município de Ouro Preto/MG, identificando se na percepção dos funcionários e conselheiros existem desigualdades de gênero nas estruturas organizacionais dos órgãos e conselhos em que atuam e se os entrevistados reconhecem diferenças relativas a papéis de gênero na esfera pública e privada. Em relação à classificação metodológica se trata de uma pesquisa aplicada, quantitativa, descritiva e de levantamento. A coleta de dados foi através da aplicação de questionários, que foram respondidos por 48 conselheiros e 72 funcionários dos órgãos responsáveis pela gestão da água no município. Os órgãos e conselhos que participaram do estudo foram: SEMAE, COMUSA, CODEMA, Secretária Municipal de Meio Ambiente e Subcomitê de Bacia Hidrográfica - Nascentes. Conclui-se que em relação à percepção dos gestores existem desigualdades de gênero nas estruturas organizacionais e nos papéis sociais de homens e mulheres na sociedade.


Keywords


desigualdades de gênero, gestão, acesso, água, Ouro Preto/MG.

References


ABOIM, S. A vida familiar no masculino: negociando velhas e novas masculinidades. Lisboa: Cite, 2010, 189p.

ACKER, J. From glass ceiling to inequality regimes. Sociologie du travail, v. 51, n. 2, p. 199-217, 2009.

ANA. ANA é reconhecida pelo GWP por criar Comitê Pró-Equidade de Gênero. 2018. Disponível em: https://www.ana.gov.br/noticias/ana-e-reconhecida-pelo-gwp-por-criar-comite-pro-equidade-de-genero. Acesso em 18 de fevereiro de 2019.

BORSA, J. C.; FEIL, C. F. O papel da mulher no contexto familiar: uma breve reflexão. Portal dos psicólogos, 2008, 105p.

BREWSTER, M. M.; HERRMANN, T. M.; BLEISCH, B.; PEARL, R.. A Gender Perspective on Water Resources and Sanitation. Wagadu, Vol. 3, Spring, 2006.

CAMPOS, A. A água, Gênero e Desenvolvimento. 7º Congresso de estudos africanos. Lisboa, 2010, 89p.

CHIFAMBA, E. Mainstreaming gender in pursuit of Minenium Development Goals in water resource governance in Buhera, Zimbabwe. International Journal of Social Sciences and Management. 2014, 159p.

CORDEIRO, R. D. L. M.; SILVEIRA, S. M. B.; MORALES, P.; ALMEIDA, V. Mulheres e água: a experiência da rede de mulheres rurais da América Latina e do Caribe. Revista ANTHROPOLÓGICAS, v. 23, n. 1, 57p. 2012.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008

FERREIRA, V.R.T. Casais de ontem, casais de hoje. Mudanças no casamento e em duas gerações de casais. In: Cenci, C.M.B, 2002, 120p.

FISCHER I. A relação de gênero na política de recursos hídricos. 2008. Disponível em: https://www.fundaj.gov.br/index.php/pesquisas-concluidas/2000-2009/217-a-relacao-de-genero-na-politica-de-recursos-hidricosizaura-fischer. Acesso em 15 de agosto de 2019.

FISCHER, I.R. (s.d.). A participação das mulheres na gestão da água no espaço público: rebatimentos nas relações familiares. Gênero, desigualdades e cidadania. Disponível em . Acesso em: 16 Jan. 2020.

FRANZIN, A., SINIMBÚ, F., & FERREIRA, P. 2018. Mulheres lutam por espaço na gestão da água no país. Disponível em: . Acesso em: 16 Jan. 2019.

GARCIA, Á. S; (org); GAEA – Água, Gênero e Participação. Da Igualdade de Gêneros à Mobilização de Todos pela Água. Campo Grande: Mupan, 2017. 22 p. Disponível em:http://www.adasa.df.gov.br/images/sala_de_leitura/MaterialPedagogico/Versao_Mobilizador/EF_/MODULO_EF1.pdf. Acesso em 15 de agosto de 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. 2.reimpr. São Paulo: Atlas, 2009, 200p.

HEREDIA, B. M. A.; CINTRÃO, R. P. Gênero e acesso a políticas públicas no meio rural brasileiro. Revista NERA. Ano 9, nº8. 28p. Presidente Prudente, Janeiro/Junho de 2006.

JACOBI, P. R.; EMPINOTTI, V.; TOLEDO, R. F. Gênero e Meio Ambiente. Ambiente & Sociedade, v. 18, n. 1, 2015, 80p.

KEVANY, K.; HUISINGHB, D. A review of progress in empowerment of women in rural water management decision-making processes. Journal of Cleaner Production, vol. 60, p. 53- 64. 2013.

LISBOA, T. K.; LUSA, M. G. Desenvolvimento sustentável com perspectiva de gênero – Brasil, México e Cuba: Mulheres protagonistas no meio rural. Estudos Feministas, nº16/3, setembro-dezembro, 2010.

LISBOA, T. K.; MANFRINI, D. B. Cidadania e equidade de gênero: políticas públicas para mulheres excluídas dos direitos mínimos. Revista Katálysis, v. 8, n. 1, 2005, 57p.

LOPES, L. S. Análise da gestão de resíduos sólidos sob a ótica da gestão ambiental empresarial: um estudo de caso da empresa Conserva de Estradas Ltda. Ubá: Faculdade Governador Ozanam Coelho, Curso de Administração de Empresas, 2010, 30p.

MELO, L. A. A mulher agricultora: relação íntima com a água. Fazenda Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. 2010. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1278442727_ARQUIVO_TEXTOULTIMO2010.pdf. Acesso em: 16 Jan. 2019.

MONTEIRO, R. Feminismo. In: SANTOS, Boaventura (Org.). Dicionário das crises e das alternativas. Coimbra: Almedina, 2012. p. 101-102.

MONTEIRO, R., AGOSTINHO, L., DANIEL, F. Um diagnóstico da desigualdade de gênero num município em Portugal: estruturas e representações. Rev. Adm. Pública. Rio de Janeiro, 49(2):423-446, mar./abr. 2015.

PALLANT, J. Spss survival manual: a step by step guide to data analysis using SPSS. Survival. Austrália: Unwin & Allen. 2005, 123p.

PARO, B. A escala Likert – Coisas que todo pesquisador deveria saber. Disponível em: http://www.netquest.com/br/blog/a-escala-likert-coisas-que-todo-pesquisador-deveria-saber/. Acesso em: 04 out. 2018.

PONTES, E. (2013). A Estreita Relação entre Mulher e Água no Semiárido: o Caso do Programa um Milhão de Cisternas Rurais. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, 4(1), 14-21.

REDDY, B.; SNEHALATHA, M. Sanitation and Personal Hygiene: What Does It Mean to Poor and Vulnerable Women? Indian Journal of Gender Studies.Vol. 18, Nº3, p. 381-404. 2011.

SANTOS, A.T. (s.d.). A construção do papel social da mulher na Primeira República. Disponível em: Acesso em: 16 Jan. 2019.

SARACENO, C. A dependência construída e a interdependência negada. Estruturas de gênero e cidadania. In: BONACCHI, G.; GROPPI, A. (Orgs.). O dilema da cidadania – direitos e deveres das mulheres. São Paulo: UNESP, 1995, 80p.

SHONSEY, C., GIERKE, J., Quantifying available water supply in rural Mali based on data collected by and from women, Journal of Cleaner Production. 2012, 69p.

SILVA, B. B. As relações de gênero e o saneamento: Um estudo de caso envolvendo três comunidades rurais brasileiras. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2017, 223p.

SOARES, D. N. Gênero e água — desenhos do norte, alternativas do sul: análise da experiência do semiárido brasileiro na construção do desenvolvimento democrático. (Tese de doutorado) Instituto de Ciências Sociais. Universidade de Brasília. 2009. Disponível em: Acesso em 28 de março de 2019.

STIEGLER, B. Género, poder y política. Bonn: División de Cooperación Internacional de la Friedrich-Ebert-Stiftung. América Latina y Caribe, 2003, 96p.

UPADHYAY, B. Gender roles and multiple uses of water in North Gujarat. Working Paper 70. Colombo, Sri Lanka: International Water Management Institute (IWMI), 2004, 210p.

WALBY, S. Gender Mainstreaming. Productive Tensions in Theory and Practice. Contributionto ESCR Gender Maintreaming Seminars. 2003. Disponível em: http://www.leeds.ac.uk/sociology/people/swdocs/Gender%20Mainstreaming%20Overview.pdf Acesso em 28 de março de 2019.

YAGHSISIAN, A. M.; FREITAS, G. P. A mediação transformativa como instrumento de empoderamento das mulheres na agenda ambiental de desenvolvimento sustentável: ensaio sobre a pacificação de conflitos intergeracionais. Conpedi Law Review, v. 1, n. 15, p. 62-85, 2016




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv6n3-025

Refbacks

  • There are currently no refbacks.