Estudo de caso da ciclovia de uma cidade de médio porte, utilizando a ISO 37120:2014 / Case study of a medium-sized city bicycle, using ISO 37120: 2014

Ricardo Henryque Reginato Quevedo Melo, Evanisa Fátima Reginato Quevedo Melo, Rodrigo Henryque Reginato Quevedo Melo, José Humberto Quevedo Melo

Abstract


A mobilidade urbana influencia diretamente a vida das pessoas que utilizam os diferentes modais. Assim, ao planejar o ambiente urbano, os responsáveis pelas cidades devem, mais do que projetá-las, pensar nelas como um verdadeiro sistema, em que cada órgão, função e parte, precisa estar interligada, a fim de que exista o seu adequado funcionamento. Visto que o uso de meios individuais de transporte também tem sido responsável pelos inúmeros problemas de mobilidade urbana. Tal fato tem levado os governos locais a priorizarem, no planejamento e na destinação dos recursos públicos, o incentivo ao uso do transporte coletivo e de meios não motorizados de transporte, dentre os quais a bicicleta tem cada vez mais espaço nas discussões dessa problemática, pois além de permitir a mobilidade nos deslocamentos, as ciclovias contribuem para a diminuição dos poluentes ambientais. Algumas dessas cidades europeias, como Estocolmo-Suécia, Copenhague-Dinamarca e Amsterdam-Holanda podem ser citadas como exemplos de onde o poder público instalou ciclovias e a população já está habituada a utilizá-las, de tal maneira que grande porcentagem dos deslocamentos na cidade é realizada de bicicleta. Desta forma, o objetivo da pesquisa consiste na comparação e avaliação do indicador cicloviario em uma cidade de médio porte com outras seis cidades. Onde a obtenção dos dados, consiste na revisão bibliográfica dos dados das cidades analisadas, por meio de artigos, informes e planos de mobilidade, além da mensuração in-loco dos dados atuais para uma cidade de médio porte, neste caso Passo Fundo. Portanto, de acordo com a norma ISO 37120:2014, existem diversos indicadores de mobilidade urbana. Mas, somente um indicador sobre o modal cicloviário. Assim, a ISO 37120:2014 permite analisar a representatividade da ciclovia na cidade de Passo Fundo nos dias atuais, bem como, no momento de conclusão do plano de mobilidade, além de ainda comparar com outras três cidades no Brasil e outras três no mundo. Como não há benchmarking oficial para muitas cidades brasileiras, optou-se por usar comparativos de valores de cidades referências. Desta forma, demonstrando que a cidade de Passo Fundo gera um valor do índice baixo, próximo a capital colombiana,  Bogotá e a maior cidade brasileira, São Paulo. Como a ISO 37120:2014, permite esta comparar demais cidades e cenários, é analisado o sistema cicloviário previsto para Passo Fundo, o qual apresenta valores intermediários a cidades consideradas modelo, como Copenhague e Estocolmo. Considerando as proporções das cidades, Passo Fundo tem muito a melhorar para alcançar um indicador próximo aos de Copenhague. Por mais que o indicador cicloviário de Passo Fundo obtenha um valor interessante futuramente, pode-se afirmar que, por se tratar de uma cidade de médio porte, seu valor reflete a possibilidade do acesso mínimo ao sistema cicloviário, mas evidencia a necessidade da maior compatibilização com os demais modais para obter sucesso.


Keywords


Ciclovia, Mobilidade Urbana, Planejamento Urbano.

References


AMORIM FILHO, O. Cidades médias do Brasil. Revista Geografia e Ensino, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, 1984.

AMORIM FILHO, O.; SERRA, R. V. Evolução e perspectivas do papel das cidades médias no planejamento urbano e regional. In: ANDRADE, T. A.; SERRA, R. V. Cidades médias brasileiras. p. 1-34. Rio de Janeiro: IPEA, 2001.

ATLAS, DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. http://www. atlasbrasil. org. br, 2013.

CERSOSIMO, Danilo. O que a transição carro-bicicleta de Amsterdã ensina a São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2016.

COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS. Ciclovia Rio Pinheiros. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2016.

COSTA, Mariana. Cidades de médio porte crescem e ganham importância frente aos grandes centros, aponta IBGE. 2011. Disponível em: . Acesso em: 1º dez. 2015.

DISTRITO FEDERAL. Indicadores de desempenho. Justiça Eleitoral. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2016.

DONISETE, Ricardo. Amsterdã: uma cidade em duas rodas. 2011. Disponível em: . Acesso em: 1º ago. 2016

DUCLOS, Daniel. Como os holandeses lutaram por um país de bicicletas. 2014. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2016.

EUROPEAN COMMISSION. Directorate-General Regional and Urban Policy. Information & Communication Plan, 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2015.

EUVOUDEBIKE. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Trabalho Infantil. 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2015.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil Cidade: Passo Fundo. Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2016.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 37120: Sustainable development of communities — Indicators for city services and quality of life. Geneva: Iso, 2014.

KLEIN, Louis; BIESENTHAL, Christopher; DEHLIN, Erlend. Improvisation in project management: A praxeology. International journal of project management, v. 33, n. 2, p. 267-277, 2015.

MOTTA, Renata Almeida. Método para a determinação da sustentabilidade de ciclovias. 2016. 276 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Transportes, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Org.). Relatório do Desenvolvimento Humano. Nova York: Communications Development Incorporated, 2013.

PASSAFARO, P.; RIMANO, A.; PICCINI, M. P.; METASTASIO, R.; GAMBARDELLA, V.; GULLACE, G.; LETTIERI, C. The bicycle and the city: desires and emotions versus attitudes, habits and norms. Journal of Environmental Psychology, 38, 76-83, 2014.

PASSO FUNDO. Plano de Mobilidade. Elaboração do Plano Diretor de Mobilidade de Passo Fundo. Prefeitura Municipal de Passo Fundo, 2014.

PEREIRA, A. M. A propósito das cidades médias: algumas considerações sobre Montes Claros. In: Simpósio internacional cidades médias: dinâmica econômica e produção do espaço urbano (CIMDEPE), 1, 2005. Anais... Presidente Prudente: Unesp, 2005.

PMSB. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE PASSO FUNDO. 2015. Disponível em: . Acesso em: 1º dez. 2015.

REDE NOSSA SÃO PAULO/FECOMÉRCIO. Pesquisa sobre Mobilidade Urbana - Rede Nossa São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 1 ago. 2016.

RYBARCZYK, Greg; WU, Changshan. Bicycle facility planning using GIS and multi-criteria decision analysis. Applied Geography, Hyattsville, v. 30, n. 2, p.282-293, abr. 2010.

SÃO PAULO. COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS. . Ciclovia rio Pinheiros. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2016.

SILVA, Ana Maria Radaelli da; SPINELLI, Juçara; FIOREZE, Zélia Guareschi (Org.). Atlas Geográfico de Passo Fundo, 2009. Passo Fundo: Méritos; Imed, 2009.

STAMM, Cristiano et al. Urban population and dissemination of medium size cities in Brazil. Interações (Campo Grande), v. 14, n. 2, p. 251-265, 2013.

VIATROLEBUS. Gestão Haddad completa meta de 400 km de ciclovias. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i4.509

Refbacks

  • There are currently no refbacks.