Educação interprofissional e prática colaborativa em terapia intensiva: perspectiva dos profissionais de saúde / Interprofessional education and collaborative practice in intensive care: the health professional perspective

Rosana Quintella Brandão Vilela, Elaine Amado

Abstract


Objetivo Geral: Conhecer a disponibilidade e prontidão dos profissionais de saúde para a educação Interprofissional e prática colaborativa em terapia intensiva. Metodologia: Pesquisa transversal de caráter exploratório, com metodologias quali-quantitativa, realizada na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital público. Amostraaleatória simples composta por 43 profissionais, sendo eles: médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e nutricionistas integrantes das equipes multiprofissionais da unidade de terapia intensiva. Para a coleta de dados utilizou-se um questionário, tipo Likert, que avalia a disponibilidade interprofissional (RIPLS), validado por Peduzzi e Norman (2012) e duas perguntas escritas que enfocaram facilidades e barreiras para a educação interprofissional e prática colaborativa.   Na análise dos dados, utilizou-se estatística descritiva com correlações estatísticas e análise temática. Resultados: A análise dos dados revelou prontidão da equipe ao trabalho interprofissional e prática colaborativa nas 1ª e 3ª dimensões, Trabalho em Equipe e Colaboração e Atenção Centrada no Paciente, respectivamente, com dissonâncias na análise da qualitativa para a 1ª dimensão. A 2ª dimensão que avaliou a identidade profissional mostrou-se em situação preocupante encontrada nas duas abordagens. Conclusão: A análise temática, em diálogo com os resultados do questionário, apreendeu a relevância da educação interprofissional na prática da unidade de terapia intensiva, visando a um melhor preparo dos profissionais da saúde, uma vez que potencializa o desenvolvimento de competências referentes a práticas colaborativas, à comunicação interprofissional e ao cuidado com o sujeito na perspectiva da integralidade. Porém, a mesma equipe desconhece a importância dessa educação na formação do grupo para o trabalho em equipe, apresentando aprisionamento à identidade profissional.


Keywords


Relações Interprofissionais; Assistência ao Paciente; Unidade de Terapia Intensiva.

References


AGUDELO, M.C.C. El trabajoenenfermería. In: MACHADO, M.H. Profissões de saúde: uma abordagem sociológica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1995, p. 67-71.

CAMPOS, C.E.A. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Ciências & Saúde Coletiva, v.8, n.2, p. 569-584, 2003.

ALMEIDA, Paulo Jorge dos Santos. O conflito no processo de trabalho da equipe de emergência. Florianópolis, 2007. 130p. Dissertação. Universidade Federal de Santa Catarina.

BARR, H. Competenttocollaboratetowards a competencybasedmodel for interprofesionaleducation. Journal of Interprofessional Care, v.12, n. 2, p. 81-188, 1989.

BARR, H.; NORRIE, C. Requirements Regarding Interprofessional Education and Practice. A Comparative Review for Health and Social Care, 2010. DisponívelemWww.Caipe.Org.Uk. Acesso em 5 nov. 2015.

BATISTA, Nildo Alves et al. Educação em saúde e Educação em Ciências. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC. Águas de Lindóia, SP – 10 a 14 de Novembro de 2013, p.1-5.

BENNETT, P. N. et al. Faculty perceptions of interprofessional education. Nurse Education Today. v. 31, n.2, p. 208–213, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação.Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró-Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRUNO, L. F. C. Gestão da Qualidade. Apostilas do curso de Engenharia de Produção da Faculdade de Tecnologia da Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM, 2001.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬______. Levantamento da qualidade de vida no trabalho. Manaus: UFAM, 1999.

CECCIM, R.B.; FEUERWEKER, L. C. M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n.1, jan./jun., p. 41-65, 2004.

D’AMOUR, D. Structuration de lacollaborationinterprofessionelledanslesservices de santé de première ligneau Québec. Montreal, 1997. Tese (Doutorado).Université de Montreal, Montreal, Canadá.

DESCHAMPS, J. C.; MOLINER, P. A identidade em psicologia social: dos processos identitários às representações sociais. Petrópolis: Vozes, 2009.

FEUERWERKER, L.C. Macruz; CECÍLIO, L.C. de Oliveira. O hospital e a formação em saúde: desafios atuais. Ciência& Saúde Coletiva, v.12, n.4, p. 965-971, 2007.

FOSSI, L. B.; GUARESCHI, N. M. De F. A psicologia hospitalar e as equipes multidisciplinares. Rev. SBPH, v. 7, n. 1, Rio de Janeiro, jun., 2004.

FREETH, D.et al. Effective interprofessional education: Development, delivery & evaluation. Oxford: Blackwell, 2005.

FREIRE P. Conscientização. Teoria e Prática da Libertação. Uma Introdução ao Pensamento de Paulo Freire. 3. ed. [trad. Kátia de Mello e Silva; ver. Benedito Eliseu Leite Cintra], São Paulo: Moraes, 1980.

FRENK, Julio et al. Health professionals for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, v. 376, n. 9756, p. 1923-1958, 2010.

FURTADO JP. Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões. Interface Comunic Saúde Educ., v.11,n. 22, p. 239-305, 2007.

FURTADO, J.P. Arranjos institucionais e gestão da clínica: princípios da interdisciplinaridade e interprofissionalidade. Cad. Bras. Saúde Mental., v. 1, n. 1, p. 140-154, jan./abr. 2009.

GONDIM, F. A. et al. Pretreatment with H2O2 in maize seeds: Effects on germination and seedling acclimation to salt stress. BrazilianJournalofPlantPhysiology, v.22, p.103-112, 2010.

GUIRADO, M. A psicologia institucional de Bleger. In: GUIRADO, M. Psicologia institucional. São Paulo: E. P. U., 1987, p. 323-333.

HORA, H.R.M.; MONTEIRO, G.T.R.; ARICA, J. Confiabilidade em questionários para qualidade: um estudo com o coeficiente alfa de Cronbach. Produto & Produção, v. 11, n.2, p.85-103, jun. 2010.

MACHADO H. V. A identidade e o contexto organizacional: perspectivas de análise. Revista de AdministraçãoContemporânea, EdiçãoEspecial, p. 51-73, 2003.

MCNAIR, R. The case for education health care students in professionalism as the core content of interprofessional education. Medical Education, v.39, n. 5,p. 456-464, maio, 2005.

MORETTI-PIRES, R. O. Complexidade em Saúde da Família e formação do futuro profissional de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 13, n. 30, jul./set. p. 153-66, 2009.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa (WHO/HRH/HPN/10.3), 2010. Disponível em: http://www.who.int/hrh/nursing_midwifery/en/. Acesso em: 10 maio 2014.

ORLANDO, J.M.C. UTI Muito Além da Técnica: a humanização e arte do intensivismo. Rio de Janeiro: Atheneu, 2001. 588 p.

PARSELL, G.; BLIGH, J. The development of a questionnaire to assess the readiness of health care students for interprofessional learning (RIPLS). Medical Education, v.33, n. 2, p. 95-100, 1999.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: a interface entre trabalho e interação. Campinas (SP), 1998. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva), Universidade Estadual de Campinas.

PEDUZZI M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública.n. 35, p.103-9, 2001.

PEDUZZI, M. Trabalho em equipe de saúde no horizonte normativo da integralidade, do cuidado e da democratização das relações de trabalho. In: PINHEIRO, R; BARROS, M E B; MATTOS, R A. Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: CEPESC, 2007, p. 1-11.

PEDUZZI, M. et al. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Rev. Esc. Enfer. USP, p. 997- 83, 2012.

PEIXOTO, L.S.A. A dinâmica da identidade profissional em equipes multiprofissionais. Dissertação de mestrado não publicada, Instituto de Psicologia- Universidade Federal da Bahia, Brasil, 2010.

PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Ruben A. (orgs.) Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde.6. ed. Rio de Janeiro: IMS/UERJ - CEPESC - ABRASCO, 2006. 180p. ISBN 85-89737-34-9.

SAUPE, R. et al. Competência dos Profissionais de Saúde para o Trabalho Interdisciplinar. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.18, p.521-36, set/dez 2005.

SCHRAIBER, Lilia Blima et al.Planejamento, gestão e avaliação em saúde: identificando problemas.Ciênc. saúde coletiva [online]. vol.4, n.2, p.221-242, 1999. ISSN 1678-4561.

SOUZA, A. Formação Profissional em Saúde na Perspectiva do Trabalho em Equipe e da Integralidade no Cuidado: Percepção do Estudante, São Paulo, 2014 (97p)- Dissertação. UniversidadeFederal de São Paulo, Campus São Paulo.

SILVA, G.T.R et al. Um estudo de caso: a vivência multiprofissional e a inteligência como ações educativas na formação do profissional em saúde. In: OHARA, E. C; SAITO, R.X.S. Saúde da família: considerações teóricas e aplicabilidade. São Paulo: Martinari, 2008, p.101-113.

VAN KNIPPENBERG, D; DE DREU, C; HOMAN, A.C. Work group diversity and performance: An integrative model and research agenda. JournalofAppliedPsychology, n. 89, p. 1008-1022, 2004.

VASCONCELOS, Ana Claudia Freitas de; STEDEFELDT, Elke; FRUTUOSO, Maria Fernanda Petroli. Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra os profissionais desaúde. Interface, Botucatu, v. 20, n. 56, p. 147-158, mar. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i4.510

Refbacks

  • There are currently no refbacks.