Conforto ambiental nos espaços livres do programa minha casa minha vida / Environmental comfort in the spaces of the program my house my life

Kárita Ressiguier Chagas Viana, Virgínia Maria Nogueira de Vasconcellos

Abstract


O Programa Minha Casa Minha Vida foi criado em 2009 com o objetivo de alavancar os negócios no mercado da construção abalados pela crise internacional de 2008. Aliado à necessidade de amenizar os resultados da crise, o Programa também tinha o objetivo de reduzir o déficit habitacional no país que, no início de sua implantação, girava em torno de 5.000 milhões de domicílios, segundo dados da Fundação João Pinheiro.Os investimentos no setor de habitação de interesse social, com participações tanto públicas quanto privadas, fez emanar um crescente número de empreendimentos. Essa massificação da produção levou os empreendedores a buscarem soluções rápidas e economicamente viáveis e lucrativas para seus negócios, o que de certa forma contribuiu para diminuir a qualidade dos projetos. Diante dessa perspectiva, o objetivo deste trabalho é analisar qualitativamente as medidas tomadas em relação ao conforto ambiental do ponto de vista teórico conceitual nos espaços livres do projeto do conjunto Bairro Carioca, representante da faixa de renda de até 3 salários mínimos do Programa Minha Casa Minha Vida, localizado na cidade do Rio de Janeiro. A metodologia se dará através de revisão bibliográfica e levantamentos documentais e de campo, por observação direta não participativa, para um estudo descritivo. Os resultados sugerem que, em função das restrições orçamentárias para a execução das obras e de determinações legais na concepção dos projetos, o padrão de execução dos espaços livres em relação ao conforto ambiental não contemplou índices mínimos. Apesar de uma preocupação inicial do programa relacionado ao tema, sua real efetivação não foi adequadamente atingida.


Keywords


Conforto ambiental; Espaços livres; Programa Minha Casa Minha Vida.

References


BENVENGA, B. M. de M. Conjuntos Habitacionais, espaços livres e paisagens. Apresentando o processo de implantação, uso e de avaliação de espaços livres urbanos. São Paulo, 2011.

CORBELLA, O. CORNER, V. Manual de Arquitetura Bioclimática tropical para a redução de consumo energético. Rio de Janeiro, 2011.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional no Brasil 2009. Belo Horizonte, 2012.

LAMBERTS, R. Desempenho térmico de edificações. Florianópolis, 2011.

OLGYAY, V. Design withclimate. Bioclimatic approach toarchitecturalregionalism. Princeton, 2015.

SOUZA, L. C. L. ALMEIDA, M. G. BRAGANÇA, L. Bê-á-bá da acústica arquitetônica. Ouvindo a arquitetura. São Carlos, 2013.

SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. Minha Casa Minha Vida no Rio. Recomendações, Orientações e Caderno de Encargos para Habitação Sustentável. Rio de Janeiro: SMH/PCRJ, 2009.

Sítios:

Instituto Nacional de Meteorologia. Gráficos Climatológicos. Setembro de 2017. Disponível em:

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Disponível em: http://www.minhacasaminhavida.gov.br/ultimas-noticias/4296-colecao-cadernos-minha-casa-sustentavel> Acesso em: 10 jun. 2017

PORTAL BRASIL. INFRAESTRUTURA. Seis ações sustentáveis do Minha Casa Minha Vida em condomínios populares. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i4.517

Refbacks

  • There are currently no refbacks.