Estudo de caso dos laboratórios de análises clínicas: um enfoque na inovação em processo / Case study of clinical analysis laboratories: a focus on innovation in process

Mateus Sangoi Frozza, Raul Prates Dantas, Fabio Nascimento

Abstract


Com toda a disputa de mercado, as empresas necessitam reavaliar seu modelo de gestão para garantirem a sobrevivência. Na área de Análises Clínicas, em que a competitividade é intensa, diariamente é constatada a necessidade de algum tipo de melhoria ou controle sobre um determinado processo. Diante do crescimento de grandes laboratórios e incorporação de redes multinacionais na concorrência pelo mercado, a sobrevivência de pequenos laboratórios traz um número considerável de ameaças. O presente artigo tem como intuito apresentar a relevância da inovação em processo, como fator competitivo, mediante associativismo, para laboratórios de análises clínicas no estado do Rio Grande do Sul. A inovação através do associativismo, foram essenciais para o estudo, uma vez que esses fatores explicam, em parte, o sucesso dos pequenos laboratórios. O expressivo volume de negócios, e a representatividade, como rede, justificam a pesquisa, além da importância da utilização de ferramentas inovadoras, do ponto de vista estratégico, como diferencial competitivo dessas organizações. A metodologia utilizada consistiu em uma revisão bibliográfica acerca da inovação em processo e de redes de cooperação, juntamente com um estudo de caso de laboratórios da fronteira oeste do estado do Rio Grande do Sul. Foram utilizados o octógono da inovação e o radar da inovação como ferramentas. O estudo aponta que ocorreram inovações incrementais em processo para sobrevivência dos laboratórios, especialmente em relação ao aumento da competitividade via associativismo, nas áreas de portfólio de produtos, processos, organizacional e de recursos humanos.


Keywords


cooperação, octógono da inovação, radar da inovação.

References


AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas/Fundação Vanzolini, 2000.

BASSO, M.Joint ventures manual prático das associações empresariais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L.H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local. São Paulo: Atlas, 1999.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007.

GIL, A. C. Método e técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HAMEL, G.; DOZ, Y. L. Formatos multilaterais.HSM management, v. 3, n. 15, p.50-57,1999.

LORANGE, Peter; ROOS, Johan. Alianças estratégicas: formação, implementação e evolução. São Paulo: Atlas, 1996.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO (OCDE). Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Paris: OCDE, 1997. 136p.

PARAGINSKI, A. L. A natureza das inovações em agroindústrias de arroz do Rio Grande do Sul. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 55-72, 2014.

PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A.; FELL, A. F. A. Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. NAVUS: Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 76-88, 2014.

SCHERER, F. O.; CARLOMAGNO, M. S. Gestão de inovação na prática: como aplicar conceitos e ferramentas para alavancar a inovação. São Paulo: Atlas, 2009.

SAWHNEY, M.; WOLCOTT, R. C.; ARRONIZ, I. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review,v. 47, n. 3, p. 74-81, 2006.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia de tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i4.523

Refbacks

  • There are currently no refbacks.