Percepção de pais e professores sobre crianças e adolescentes com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade / Perception of parents and teachers about children and adolescents with attention deficit disorder with hyperactivity

Luciana Maria Mazon, Adriana Moro, Mariléia Hodzinski Negrelli, Karina Tombini, Talita Cristina de Almeida Schmidt, Renata Henrique Petreça, Marinez Jerônimo Concatto

Abstract


O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um dos temas mais estudados em crianças em idade escolar. Sendo basicamente neurológico, o TDAH é caracterizado pela desatenção, agitação (hiperatividade) e impulsividade.O objetivo deste estudo foi analisar a percepção dos pais e professores frente ao TDAH. Trata-se de um estudo transversal, de campo, com abordagem quantitativa e qualitativa.A pesquisa foi desenvolvido com dez pais ou responsável legal de crianças e adolescentes com diagnóstico de TDAH e dez professores da rede de ensino que lesionam para o grupo de crianças e adolescentes com o referido transtorno. Os resultados do estudo indicam a existencia de barreiras para a compreensão do TDAH tanto no ambiente familiar quanto escolar. Abordar os limites no entendimeno do TDAH e fortalecer o elo, nucleo familiar, educacional e de saúde pode permitir não apenas a redução dos sintomas mas o aumento de competências individuais na infância e na adolescência.Reconhecer a percepção dos pais e professores, permite delinear estratégias multidisciplinares e multisetoriais, de modo a ampliar a sua atuação no processo de reabilitação. O estudo permite ainda ampliar co-participação da enfermagem e dos demais profissionais de saúde, na atenção integral e humanizado a saúde do indivíduo, família e comunidade. 


Keywords


Família; Escola; Transtorno do Deficit de Atenção com Hiperatividade; Infância; Adolescência.

References


American Psychiatric Association (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 5 ed.

Anastopoulos AD, Rhoads LH, Farley (2008). Aconselhamento e Treinamento de para os Pais. In. Barkley RA et al. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade Manual para diagnóstico e Tratamento. Artemed: 3º Edição.

Barkley RA et al. (2008). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: manual para diagnostico e tratamento (3º ed.). Porto Alegre: Artmed.

Belle AH, Andreazza AC, Ruschel J, Bosa CA (2009). Estresse e adaptação psicossocial em mães de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Psicol.Reflex.Crit, Porto Alegre, 22(3):317-325

Caliman LV, Rodrigues HP (2014). A experiência do uso de metilfenidato em adultos diagnosticados com TDAH. Psicol.estud, Maringá, 19(1): 125-134.

Cruz MGA, Okamoto MY, Ferraza DA (2016). O caso Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e a medicalização da educação: uma análise a partir do relato de pais e professores.Interface, Botucatu, 20(58):703-714.

Desidério R, Miyazaki MCDOS. Transtorno de déficit de atenção /hiperatividade(TDAH):orientações para familiares. Psicol.estud, Campinas, 11(1):165-176, 2007.

Fonseca MFBC, Muszkat M, Rizutti S (2012). Attention deficit/hyperactivity disorder at school: mediation psychopedagogical. Rev. psicopedag. 29(90).

Graeff RL, Vaz CE (2008). Avaliação e diagnostico do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Psicol. USP,São Paulo. 19 (3).

Hinshaw SP. Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD): Controversy, Developmental Mechanisms, and Multiple Levels of Analysis. Annu Rev Clin Psychol. 2017.

Hooven JT, Fogel B, Waxmonsky JG, Sekhar DL. Exploratory study of barriers to successful office contacts for attention deficit hyperactivity disorder.Atten Defic Hyperact Disord. 2017.

Louzã Neto MR et al. TDAH ao longo da vida, Editora Artmed; 2009. 388p.

Nascimento NM, Kummer AM, Lemos SMA (2016). Alterações Fonoaudiológicas no transtorno de deficit de atenção e hiperatividade: revisão sistemática de literatura.Codas, São Paulo, 28(6):883-842.

Ortega F, Barros D, Caliman L, Itaborahy C, Junqueira L, Ferreira CP. (2010). A ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 14(34): 499-512.

Santos LF, Vasconcelos LA. (2010). Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade em crianças: uma revisão interdisciplinar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4): 717-724.

Silva ACP, Luzio CA, Santos KP, Yasui S, Dionísio GH (2012). A explosão do cosumo de ritalina. Revista de Psicologia da UNESP, 11 (2) São Paulo: UNESP: 44-57.

Silva CGC, Serralha CA, Laranjo ACS (2013). Analise da demanda e implicação dos pais no tratamento infantil. Psicol estud. Maringá, 18(2):281-291

Stroh JB. TDAH - diagnóstico psicopedagógico e suas intervenções através da Psicopedagogia e da Arteterapia.Constr. psicopedag. São Paulo.2010, 18 (17): 83-105.

Tatlow-Golden M, Prihodova L, Gavin B, Cullen W, Mcnicholas F. What do general practitioners know about ADHD? Attitudes and knowledge among first-contact gatekeepers: systematic narrative review. BMC Fam Pract. 2016, 7;17(1):129.




DOI: https://doi.org/10.34115/basr.v2i4.533

Refbacks

  • There are currently no refbacks.