Análise dos projetos para a redução dos riscos de desastres ambientais efetivados pelo governo federal entre 2011 e 2015 e daqueles que estão atualmente em atividade / Analysis of projects to reduce the risks of environmental disasters effective by the federal government between 2011 and 2015 and of those currently in activity

Cláudia Gonçalves Thaumaturgo da Silva

Resumo


No ano de 2011 ocorreram grandes desastres ambientais no Brasil, tais como enchentes em Santa Catarina e deslizamentos de terra na Região Serrana do Rio de Janeiro. Este último atingiu sete cidades, causando mais de 900 mortes, 300 desaparecimentos e deixando mais de 50.000 pessoas desabrigadas ou desalojadas. A partir destes eventos, o Governo Federal implementou, entre os anos de 2011 a 2015, projetos voltados para a redução dos riscos de desastres em vários Estados e municípios brasileiros e, sobretudo, nas regiões atingidas. Tais projetos foram desenvolvidos sob a iniciativa, supervisão de diversos Ministérios e institutos de pesquisa. No entanto, atualmente, onze anos após a ocorrência desses desastres, chuvas em volumes acima do esperado continuam a provocar tragédias em vários municípios do país. Este artigo tem por objetivo verificar quais entre os projetos implementados há onze anos atrás ainda estão ativos e analisar se a acentuada redução de verbas destinadas para a área de prevenção de desastres, assim como as de monitoramento e controle ambiental, pode estar contribuindo para a constante ocorrência de desastres em todo o país.


Palavras-chave


redução de riscos de desastres, programas governamentais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, M./BBC NEWS BRASIL. Centro nacional que monitora desastres naturais teve menor orçamento da história em 2021, diz diretor. BBC News Brasil, 18 de Fevereiro de 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-60426946. Acesso em: Abril de 2022.

BARATA, M.; CONFALONIERI, U. Mapa de Vulnerabilidade da População do Estado do Rio de Janeiro aos impactos das Mudanças Climáticas nas áreas social, saúde e ambiente. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2011.

BRANDÃO, Ana Maria. Clima Urbano e Enchentes na Cidade do Rio de Janeiro. In: GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (orgs.) Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, p. 47-109, 2001.

CARMO, Roberto Luiz do. Urbanização e Desastres: desafios para a Segurança Humana no Brasil. In: Segurança Humana no Contexto dos Desastres / organizado por Roberto Luiz do Carmo e Norma Valencio – São Carlos: RiMa Editora, 2014.

CEPEDES/Fiocruz – Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde da Fiocruz. Disponível em: . Acesso em: Maio de 2016.

CONTAS ABERTAS. Orçamento Federal não Prioriza Prevenção a Desastres Naturais. Publicado em 02/01/2017. Disponível em:

. Acesso em: Abril de 2022.

CPRM – SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Manual de Mapeamento de Perigo e Risco a Movimentos Gravitacionais de Massa – Projeto de Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Desastres Naturais – Projeto GIDES. (Livro eletrônico): CPRM - Coordenação: Jorge Pimentel e Thiago Dutra dos Santos – Rio de Janeiro: CPRM/SGB – Serviço Geológico do Brasil, 2018.

DOURADO, F., ARRAES, T.C., SILVA, M.F. O Megadesastre da Região Serrana do Rio de Janeiro - as Causas do Evento, os Mecanismos dos Movimentos de Massa e a Distribuição Espacial dos Investimentos de Reconstrução no Pós-Desastre. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ - Vol. 35 - 2 / p.43-54. Rio de Janeiro, 2012.

ELOS/ UEPG. Orçamento de Ciência, Tecnologia e Inovações tem redução de 58% desde 2015. Disponível em: . Acesso em Março de 2022.

FECAM - Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano, da Secretaria de Estado do Ambiente/ Governo do Estado do Rio de Janeiro. Relatório Anual – 2016. Disponível em:. Acesso em: 30 de Junho de 2017.

______ - Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano, da Secretaria de Estado do Ambiente/ Governo do Estado do Rio de Janeiro. Relatório Anual – 2020. Disponível em:. Acesso em: Março de 2022.

FRANCO NETTO, G. - A Vigilância em Saúde Ambiental. Palestra proferida na Escola Nacional de Saúde Pública/ Fiocruz. Rio de Janeiro, março de 2013.

FUNASA. Plano de Atuação da Funasa em Situações de Desastres Ocasionados por Inundações. Portaria Funasa nº 1.032, de 22 de agosto de 2013.

________. Ações Estratégicas em Saúde Ambiental para Redução dos Riscos à Saúde Humana. Ações e Programas da FUNASA, 2022. Disponível em: . Acesso em: Março de 2022.

G1. Investimento do governo federal em prevenção de desastres naturais tem caído há dez anos. Publicado em: 23/02/2022. Disponível em: . Acesso em: Abril de 2022.

IBGE e CEMADEN. População em Áreas de Risco no Brasil. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão/ Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE/ Diretoria de Geociências/ Coordenação de Geografia e Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais – CEMADEN. Rio de Janeiro, 2018.

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. Redução de Risco de Desastres Associados a Inundações. Boletim Águas & Território - nº10 - Publicação da Diretoria de Gestão das Águas e do Território – DIGAT. Rio de Janeiro, janeiro de 2015.

_________ Qualidade do Ar e Monitoramento das Águas. Disponível em: . Acesso em: Março de 2022.

INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Rede Clima – Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais. Divisão de Impactos, Adaptação e Vulnerabilidades. INPE, 2021. Disponível em: . Acesso em: Março de 2022.

IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change. Climate Change 2022 - Impacts, Adaptation and Vulnerability - Working Group II Contribution to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. IPCC, Switzerland, 2022. Disponível em: . Acesso em: Abril de 2022.

MARICATO, Ermínia; OGURA, Agostinho Tadashi; T., COMARÚ, Francisco. Crise Urbana, Produção do Habitat e Doença. In: SALDIVA, P. (org.) Meio Ambiente e Saúde: o desafio das Metrópoles – São Paulo, Ex-Libris Comunicação Integrada, 2010.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Política Nacional de Proteção e Defesa Civil – PNPDEC. Instituída pela Lei nº 12.608 de 10 de abril de 2012. Disponível em: . Acesso em: Maio de 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Enchentes. Secretaria de Vigilância em Saúde/ Publicações, 2022. Disponível em: < https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/publicacoes-svs/enchentes>. Acesso em: março de 2022.

O ECO. Mesmo com recomposição, orçamento do INPE para 2022 cai 32% em relação a 2020. Publicado em 17/02/2022. Disponível em: . Acesso em: Abril de 2022.

OPAS e MINISTÉRIO DA SAÚDE. Desastres Naturais e Saúde no Brasil. FREITAS, Carlos Machado de; CORVALAN, Carlos; SILVA, Eliane Lima e (orgs.). Série Desenvolvimento Sustentável e Saúde 2. Organização Pan-Americana da Saúde/ Ministério da Saúde. Brasília – DF, Brasil, 2ª edição, 2015.

SILVA, Cláudia G. Thaumaturgo da. Vulnerabilidades e Desastres: reconstrução e resiliência. Tese apresentada ao Programa de Dinâmica dos Oceanos e da Terra, do Departamento de Geologia e Geofísica, da Universidade Federal Fluminense, como requisito para a obtenção do grau de Doutora. Sob a orientação do Prof. DSc. José Antonio Baptista Neto, do IGEO/ UFF e co-orientação do Prof. DSc. Carlos Machado de Freitas, da ENSP/Fiocruz. Instituto de Geociencias/ UFF. Niterói, 2018.

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli. Gestão de Águas Pluviais Urbanas – Ministério das Cidades – Global Water Partnership - Wolrd Bank – Unesco, 2005.

TUCCI, Carlos Eduardo M.; BERTONI, Juan Carlos (orgs.). Inundações urbanas na América do Sul. Ed. dos Autores, Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2003.

UNISDR – Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. Marco de Ação de Hyogo 2005-2015: Aumento da resiliência das nações e das comunidades frente aos desastres. UNISDR, Genebra, 2005.

WORLD BANK. Cities and Flooding – A Guide to Integrated Urban Flood Risk Management for the 21st Century. World Bank, Washington D. C., 2012.




DOI: https://doi.org/10.34188/bjaerv5n2-026

Apontamentos

  • Não há apontamentos.