Governança e crescimento econômico: chaves para entender a economia do século XXI. O caso da Alemanha, Argentina, Chile E Espanha. Período 2008 -2020 / Gobernanza y crecimiento económico: claves para comprender la economía del siglo XXI. El caso de Alemania, Argentina, Chile y España. Período 2008 -2020

Germán Oliver Sanhueza Muñoz

Resumo


O presente trabalho estabeleceu como objetivo principal analisar a articulação entre o conceito de governança e crescimento econômico, no contexto das dinâmicas e elementos que compõem a economia política no século XXI. Especificamente, é realizada uma análise comparativa entre a gestão da governança e as políticas macroeconômicas da Alemanha, Argentina, Chile e Espanha para o período 2008-2020, utilizando a metodologia de análise quantitativa comparativa dos dados dos agregados macroeconômicos de cada país, juntamente com a indicadores de governança fornecidos pelo Banco Mundial.

Em primeiro lugar, a pesquisa estabelece uma abordagem teórica e o alcance da governança em um contexto político e econômico e como ela está vinculada à variável crescimento econômico, considerando a importância deste último conceito na gestão macroeconômica dos países. Em segundo lugar, o documento estabelece elementos essenciais para aprofundar a discussão sobre a relevância da governança como fator determinante na conduta econômica no nível macro em uma perspectiva de longo prazo, indicando com dados comparativos as realidades econômicas dos países mencionados, que funciona como evidência para a análise apresentada.

Por fim, a pesquisa desenvolve uma consideração final que visa destacar a importância da variável governança nas estruturas políticas e sociais, conseguindo assim abordar melhor as complexidades da gestão macroeconômica no século XXI e da promoção do desenvolvimento nos países apresentados.

 


Palavras-chave


Governança, Crescimento Econômico, Economia Política, Estabilidade Política, Século XXI.

Texto completo:

PDF

Referências


Acemoglu, D., Egorov, G., Sonin, K. (2014). Political Economy in a Changing World. Journal of political economy, Vol., N°5, 1038–1086.

Aligica, P. (2006). Institutional and Stakeholder Mapping: Frameworks for policy analysis and institutional change. Public Organization Review, Vol. 6, Pp. 79-90.

Asensio, A. (2006). New-consensus macroeconomic governnace in a Keynesian world, and the Keynesian alternative. Brasilian Journal of Political Economy. Vol. 26, N°4 (104). Pp. 537-551.

Banco Mundial. (2021). Repositorio de datos macroeconómicos. Disponible en: www.bancomundial.org

Boffa, F., Piolatto, A., Ponzetto, G. (2015). Political Centralization and Government Accountability. The Quarterly Journal of Economics, Volume 131, N° 1, 381–422.

CEPAL. (2021). Base de datos agregados macroeconómicos países América Latina y El Caribe. Disponible en: www.cepal.org

Dahl, R. (2012). La democracia. Madrid, España. Editorial Ariel.

Datos Macro. (2021). Datos macroeconómicos de países. Disponible en: www.datosmacro.com

Dixit, A. (2009): «Governance Institutions and Economic Activity», American Economic Review, 99 (1), 5-24.

Galindo, M.A. (2009).Gobernanza y crecimiento económico. Revista de Economía Mundial. N°23, Pp. 179-196.

Keefer, P. (2014). Dancing with Giants: China, India and the Global Economy. Chapter N° 7: Governance and economic growth in China and India. World Bank and the Institute of Policy Studies (Singapore).

Kessler, A. (2014). Communication in Federal Politics: Universalism, Policy Uniformity, and the Optimal Allocation of Fiscal Authority. Journal of political economy, Vol. 122, N° 4, 766 – 805.

Linder, S. & Peters, G. (1993). Instrumentos de gobierno: percepciones y contextos. Revista Gestión y Política Pública, Vol. 2, Nº 1, pág. 5-44.

Landarretche, O. (2008). Gobernanza y gobernabilidad macroeconómica y desarrollo institucional. CIEPLAN, Chile. Serie de estudios N°46.

North, D. (1990). Institutions, Institutional change and economic performance. Cambridge University Press.

Rivera- Batiz, F. (2002). Democracy, governance, and economic growth: Theory and evidence. Review of Development Economics. 6(2), Pp. 225-247.

Roubini, N., Sachs, J., Honkapohja S., Cohen, D. (1989). Government Spending and Budget Deficits in the Industrial Countries. Economic Policy, Vol. 4, No. 8, 100-132.

Sartori, G. (2003). Teoría de la democracia. Fondo de Cultura Económica, España.

Schmidt-Hebbel, K; Calderón, C; Duncan, R. (2014). Do Good Institutions Promote Countercyclical Macroeconomic Policies? Oxford Bulletin of Economics and Statistics, Vol. 78, N°5, 650–670.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv4n2-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.