Análise seriada das demonstrações contábeis da cooperativa Unimed Maranhão do Sul na última década – 2012 à 2021: estudo de caso / Serial analysis of the financial statements of cooperativa Unimed Maranhão do Sul in the last decade – 2012 to 2021: case study

Jocefábia Reika Alves Lopes, Ailson Vier, Isabel Marques Rizo

Resumo


A análise das demonstrações contábeis é fundamental para avaliar a saúde financeira de instituições em geral, bem como das cooperativas. O objetivo desse artigo foi analisar os principais indicadores financeiros da Unimed Maranhão do Sul através das demonstrações contábeis divulgadas durante a última década – período de 2012 à 2021, bem como aplicar o fator de insolvência desenvolvido por Kanitz e o modelo de Fleuriet, observando o comportamento evolutivo da mesma. Trata-se de um estudo na área da contabilidade gerencial e classificada como uma pesquisa quali-quantitativa, seu objeto de estudo é definido como descritivo e os dados serão tratados através de análise documental. Ao executar as análises, nota-se que a cooperativa Unimed Maranhão do Sul apresentou uma piora no índice de liquidez geral assim como uma redução na rentabilidade no período de 2017 a 2018. A curva de sinistralidade manteve-se ascendente durante toda série, tendo a necessidade de atenção especial nesse item, que impacta diretamente na rentabilidade, a qual já está com curva descendente ao final da série. O fator de insolvência de Kanitz não mostrou nenhuma preocupação com a solvência, mesmo no período de piora da liquidez citada previamente, o que levou a cooperativa em 2019 a pactuar um TAOEF -– Termo de Assunção de Obrigações Econômico-Financeiras com a ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, o qual foi encerrado em 2021 após a mesma ajustar suas demonstrações contábeis dentro dos parâmetros de solvência deste órgão regulador. Quanto ao modelo de Fleuriet a cooperativa teve classificação VI em toda série.


Palavras-chave


análise vertical, cooperação, demonstrações financeiras, insolvência.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Saúde Suplementar (2000) – Resolução Normativa n° 418. Recuperado em: 09 Julho, 2017, de http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=Mzw

ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e análise de balanço. 8.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

ALTMAN, E. I.; BAYDIA, T. K. N.; DIAS, L. M. R. Previsão de problemas financeiros em empresas. Revista de Administração de Empresas, v. 19, p. 17-28, Jan.-Março, 1979.

ATILGAN, E.; KILIC, D.; ERTUGRUL, H. M. The dynamic relationship between health expenditure and economic growth: Is the health-led growth hypothesis valid for Turkey? Eur. J. Health Econ. v.18, p.567–574, 2017.

BRAGA, H.R. Demonstrações Contábeis. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

COTA, I. S.; SILVA, F. L; GRECCO, M. C. P. Análise das Demonstrações Contábeis das Operadoras de Planos de Saúde Segundo a sua Modalidade. XXIV Congresso Brasileiro de Custos, Florianópolis, SC, Brasil, 2017.

ELISABETSKY, Roberto. Um modelo matemático para decisões de crédito no banco comercial. 1976. 190 fls. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1976.

FARAG, M.; NANDAKUMAR, A.; WALLACK, S. et al. Health expenditures, health outcomes and the role of good governance. Int. J. Health Care Financ. Econ. v.13, p.33–52, 2013.

FLEURIET, M.; KEHDY, R.; BLANC, G. O Modelo Fleuriet: A Dinâmica Financeira das Empresas Brasileiras. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

IUDÍCIBUS, Sergio de. Análise de Balanços. 11 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

KANITZ, Stephen Charles. Indicadores contábeis financeiros – previsão de insolvência: a experiência da pequena e média empresa brasileira. Tese de Livre-Docência entregue ao Departamento de Contabilidade da FEA/USP, 1976.

KASSAI, J. R.; KASSAI, S. Desvendando o termômetro de Kanitz. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 22, 1998, Foz do Iguaçu/PR. Anais... Foz do Iguaçu: ANPAD, 1998.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica. 7. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis: contabilidade empresarial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MARQUES, J.A.V.da C.; BRAGA, R. Análise dinâmica do capital de giro: o modelo Fleuriet. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35 (3), mai./jun. 1995.

MATARAZZO, D. C. Análise Financeira de Balanços – Abordagem Básica. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1988.

MATIAS, Alberto Borges. Contribuição às técnicas de análise financeira: um modelo de concessão de crédito. Dissertação de Mestrado, Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo. 1978.

MELO, A. C.; COUTINHO, E. S. O Modelo Fleuriet como Indicador Conjunto de Solvência e Rentabilidade. XXXI Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, 2007.

Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI Nº 5.764 DE 16 DE DEZEMBRO DE 1971. Disponível em: . Acesso em 15 de maio de 2022.

SILVA, J. O.; WIENHAGE, P.; SOUZA, R.P.S. et al. Capacidade Preditiva de Modelos de Insolvência com Base em Números Contábeis e Dados Descritivos. REPeC – Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 6, n. 3, art. 2, p. 246-261, jul./set. 2012.

SILVA, José Pereira da. Administração de crédito e previsão de insolvência. São Paulo, Atlas, 1983.

VERULAVA, T.; DANGADZE, B. Health capital and economic growth: Evidence from Georgia. Open Public Health J. v.11, p.401–406, 2018.

VIEIRA, M. V. Administração estratégica do capital de giro. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv4n2-028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.