“Arco do choque de carreira”: ferramenta de orientação profissional / "Arc of career shock": professional guidance tool

Paulo Augusto Mendes, Jefferson Davi Ferreira dos Santos

Resumo


A existência da metodologia da problematização e choque de carreira, objetos deste artigo, motivaram o estudo sobre o tema como ferramentas complementares de orientação profissional. A pesquisa desenvolvida mostrou-nos que a orientação profissional deve ser cuidadosamente planejada e o emprego de um método para tal planejamento contribui para a obtenção do sucesso no desenvolvimento profissional, levando-se em consideração que o choque de carreira é parte integradora deste desenvolvimento. A hipótese baseia-se nos princípios de que metodologia da problematização e choque de carreira são ferramentas complementares de orientação profissional. Levantamentos teóricos foram considerados para averiguar a problemática e o objetivo deste estudo para o reconhecimento dos objetos de pesquisa. Concluímos neste artigo que a metodologia da problematização e choque de carreira realmente são ferramentas complementares de orientação profissional.


Palavras-chave


Choque de Carreira, Metodologia da Problematização, Orientação Profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


AKKERMANS, J., SEIBERT, S.E., & MOL, S.T. (2018). Tales of the unexpected: Integrating career shocks in the contemporary careers literature. SA Journal of Industrial Psychology/SA Tydskrif vir Bedryfsielkunde, 44(0), a1503. https://doi.org/10.4102/sajip.v44i0.1503 . Acessado em 06/02/2021.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: UEL, 1999.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas et al. (Org.). Avaliação da aprendizagem no ensino superior: um retrato em cinco dimensões. Londrina: UEL, 2001.

BORDENAVE, J. ; PEREIRA, A. Estratégias de ensino aprendizagem. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

BORDENAVE, Juan Diaz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino e aprendizagem. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

BRIGHT, J.E.H., & Pryor, R.G.L. (2005). The chaos theory of careers: A user’s guide. The Career Development Quarterly, 53(4), 291–305. https://doi.org/10.1002/j.2161-0045.2005.tb00660.x

CARNEIRO, R. L. (1973). Structure, function, and equilibrium in the evolutionism of Herbert Spencer. Journal of Anthropological Research, 29(2), 77-95.

CAMPOS, K. C. de L. (2006). Construção de uma escala de empregabilidade: competências e habilidades pessoais, escolares e organizacionais. 2006, 153p. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. São Paulo.

CESÁRIO, Francisco Santos, & Feijão, Ana Margarida Palma. (2014). Impacto das perceções de empregabilidade num contexto de insegurança de emprego. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(1), 89-103. Recuperado em 05 de abril de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198466572014000100008&lng=pt&tlng=pt.

COSTA, Simone da Silva. (2020). Pandemia e desemprego no Brasil. Revista de Administração Pública, 54(4), 969-978. Epub August 28, 2020.https://dx.doi.org/10.1590/0034-761220200170

DARWIN, Charles. (1859). A Origem das Espécies. São Paulo: Martin Claret.

DRUCKER, P. F. O melhor de Peter Drucker: o homem. São Paulo: Nobel, 2011.

FARIA, Liliana, & Loureiro, Nazaré. (2012). Teoria do caos e aconselhamento de carreira: implicações para a prática. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 13(2), 235-244. Recuperado em 05 de abril de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902012000200010&lng=pt&tlng=pt.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FLEURY, M. T. L. As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2002.

FREITAS, W. B. de. As teorias do caos e da complexidade na gestão estratégica. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, SP, 2005.

GIOVANNINI, F.; KRUGLIANSKAS, I. Organização eficaz: como prosperar em um mundo complexo e caótico, usando um modelo de racional de gestão. São Paulo: Nobel, 2004.

IOCHIDA, LUCIA CHRISTINA, BATISTA, NILDO ALVES; BATISTA, SYLVIA HELENA SOUZA DA SILVA. Docência em saúde: temas e experiências. São Paulo: Senac, 2004.

KOONTZ, H. et.al. Administração: fundamentos da teoria e da ciência. 15ª ed. São Paulo: Pioneira, 1995.

Krumboltz, J.D. (2009). The happenstance learning theory. Journal of Career Assessment, 17(2), 135–154. https://doi.org/10.1177/1069072708328861

LADEIRA, Mariana Rita Machado, Oliveira, Marina Cardoso de, Melo-Silva, Lucy Leal, & Taveira, Maria do Céu. (2019). Adaptabilidade de Carreira e Empregabilidade na Transição Universidade-Trabalho: Mediação das Respostas Adaptativas. Psico-USF, 24(3), 583-595. Epub October 10, 2019.https://doi.org/10.1590/1413-82712019240314

LAPIERRE, L. Interioridade, gestão e organização da realidade psíquica como fundamento da gestão. In: CHANLAT, J. F. (Org.) O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. Vol. II. São Paulo: Atlas, 1993. p. 253-278.

LUZ, Manuel Ramon Souza, & FRACALANZA, Paulo Sérgio. (2012). Alfred Marshall e as "evoluções" vitorianas: situando Darwin e Spencer nos fundamentos teóricos do pensamento marshalliano. Nova Economia, 22(3), 417-450. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-63512012000300001

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. São Paulo: Civilização Brasileira, 2016.

MATOS, J. G. R.; MATOS, R. M. B.; ALMEIDA, J. R. Análise do ambiente corporativo: do caos organizado ao planejamento estratégico das organizações. Rio de Janeiro: E-papers, 2007.

McBRIDE, N. Chaos theory as a model for interpreting information systems in organizations. Information Systems Journal, 15( 3), July, 233-254, 2005. Disponível em: web.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?vid=2&hid=104&sid=f4bd2419-25e9-4d83-8985-e8e3dd586669%40sessionmgr111. Acesso em: 06/04/2021.

MENDES, Paulo Augusto. “CONTRATE UM TECNÓLOGO”: ferramenta de comunicação organizacional e orientação profissional. 2012. Dissertação. (Mestrado em Comunicação) – Universidade de Marília – Unimar, Marília / SP.

MINARELLI, J. A. Empregabilidade: o caminho das pedras. 17.ed. São Paulo: Gente, 1995.

MINISTÉRIO DA DEFESA. Departamento de Controle do Espaço Aéreo – DECEA. Disponível em: https://www.decea.mil.br/ . Acessado em 06/04/2021.

MOCHÓN, F.; TROSTER, R. L. Introdução à economia. 2ª ed. São Paulo: Makron Books, 1994.

MORGESON, F.P., Mitchell, T.R., & Liu, D. (2015). Event system theory: An event-oriented approach to the organizational sciences. Academy of Management Review, 40(4), 515–537. https://doi.org/10.5465/amr.2012.0099

PIOVEZAN, Gustavo. (2019). O argumento analógico de Darwin: a função da retórica entre o artificial e o natural. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, 14(2), 88-111. Epub 15 de abril de 2019.https://dx.doi.org/10.1590/2176-457339232

PRIGOGINE, I. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1996.

PUIG, J. M. Ética e valores: métodos para um ensino transversal. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

SOUZA, Paulo Renato. O que são empregos e salários. São Paulo: Brasiliense, 1986.

VASCONCELLOS, Maura Maria Morita. Aspectos pedagógicos e filosóficos da metodologia da problematização. In: BERBEL, N.A.N (Org). Metodologia da Problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: EDUEL, 1999. p.29-60.

WEISS, H.M., & Cropanzano, R. (1996). Affective events theory: A theoretical discussion of the structure, causes and consequences of affective experiences at work. In R.I. Sutton & B.M. Staw (Eds.), Research in organizational behavior (Vol. 18, pp. 1–74). Greenwich, CT: JAI Press.




DOI: https://doi.org/10.34140/bjbv4n2-030

Apontamentos

  • Não há apontamentos.