A Importância Da Atividade Física E Mental No Auxílio Ao Tratamento De Depressão Em Idosos / The Importance of Physical and Mental Activity in Assisting the Treatment of Depression in the Elderly

Maria Socorro Cardoso dos Santos, Jaques Waisberg, Gizelda Monteiro da Silva

Abstract


No Brasil e no mundo o envelhecimento é uma realidade. Este fato ocorre devido às mudanças relacionadas à queda fecundidade e à longevidade da população. Levando a alterações demográficas e epidemiológicas, alterando o perfil de saúde da população. O aparecimento de doenças crônico-degenerativas provoca alterações no perfil de morbidade dos idosos. A depressão é uma destas condições crônicas, está associada à limitação funcional. É morbidade de difícil mensuração, com causas e fatores psicossociais, genéticos e biológicos. A presente pesquisa trata-se de um estudo qualitativo, por procurar além de identificar a incidência e a prevalência da depressão entre idosos, buscou-se ainda responder questões particulares que não podem ser quantificadas. Trata-se de um trabalho interpretativo ancorado em pesquisa de campo. A proposta foi promover uma reflexão sobre a depressão no idoso, com o objetivo de identificar o impacto funcional da depressão nos mesmos, evidenciando a atividade física e mental como auxílio em seu tratamento, caracterizar o perfil dos idosos frequentadores de uma Unidade Básica de Saúde localizada na região sul do Estado de São Paulo e correlacionamos os que apresentavam depressão. Analisamos ainda o impacto das relações sociais e das atividades físicas em idosos como fatores promotores de melhorias para a depressão. Para desenvolver a pesquisa convidamos de forma aleatória 50 idosos com idade igual ou superior a 60 anos, e que tivessem ou não apresentado algum quadro depressivo. Através dos dados levantados, constatamos evidências concretas relacionadas aos idosos que praticam algum tipo de atividade física com uma menor prevalência no indicador de depressão. Acreditamos que a atividade física e mental é muito importante tanto na prevenção, bem como no auxílio ao tratamento de um quadro depressivo, influenciando positivamente no seu enfrentamento.  No decorrer da pesquisa constatou-se através da resposta advinda da questão aberta que ajudava compor o questionário aplicado aos participantes desta que, a maioria dos idosos que desencadearam um quadro depressivo, apresentaram uma melhora significativa a partir do início da realização da atividade física e mental. O que comprova que a atividade corporal leva de forma direta ao exercício mental, contribuindo então como auxílio no tratamento da depressão no idoso.


Keywords


Depressão, Atividade Física, Idoso.

References


Angelotti, g. (2001). Tratamento cognitivo-comportamental da depressão. Em v. A. A. Camon (org.). Depressão e psicossomática. (p. 147-177). São paulo: pioneira thomson learning.

Antunes, h.k.m., santos r.f., heredia r.a.g., et al. Alterações cognitivas em idosas decorrentes do exercício físico sistematizado. Revista da sobama.2001b; 6 (1): 27-33.

Antunes, h.k.m., mello, m.t., santos, r.f., bueno, o f.a. o efeito de um programa de condicionamento físico aeróbio de idosos normais sobre o desempenho em testes neuropsicológicos. In: xvi reuniao anual da fesbe

a, caxambu - mg, fesbe, p. 272

Alves, b. J. G. Et al. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista brasileira de medicina do esporte, v. 10, n. 1, p. 31-37, 2004.

Bardin, l. Análise de conteúdo. Edições 70: lisboa, portugal, 2006. Almeida, o.p.; lofer, b. E filho, e.c.m. depressão no idoso: uma revisão. Rev. Paul. Méd. P. 108, 1990.

Beck et al., 1961; gotlib, 1984; oliver e simmons, 1984; tanaka-matsumi e kameoka, 1986; louks et al., 1989). Segundo beck et al. (1988),

Benjamin james sadock, 2003.

Berquó, e., algumas considerações demográficas sobre o envelhecimento da população no brasil – trabalho apresentado no congresso internacional sobre envelhecimento populacional – uma agenda para o fim do século, mimeo, brasília, 2006.

Brasil. Ministério da saúde. Estatuto do idoso / ministério da saúde. – 2. Ed. Rev. – brasília: editora do ministério da saúde, 2007. 70 p. – (série e. Legislação de saúde)

Camon, v. A. A. (2001). Depressão como um processo vital. Em v. A. A. Camon (org.).

Depressão e psicossomática. (p. 1-44). São paulo: pioneira thomson learning.

Cardoso, j.r. atividades físicas para a terceira idade. A terceira idade. 1992; 5 (4) : 9-21

Carvalho, v.f.c. e fernandez, m.e.d. depressão no idoso. In: papalé-onetto, m. (ed.) Gerontologia. São paulo; rio de janeiro: ed. Atheneu, 1996.

Corrêa, a.c.o. depressão e suicídio no idoso: uma crucial questão em psicogeriatria. J bras psiquiatr. Rio de janeiro. 1996.

Comer, ronald j. (2003). Psicologia do comportamento especial. Ltc – livros técnicos e científicos editora s.a.

Flick u. Introdução à pesquisa qualitativa.3ª.ed. Porto alegre: artmed, 2009.

Geis, p. P. Atividade física e saúde na terceira idade: teoria e prática. 5a. Ed. Porto alegre: artmed, 2003.

Gorestein, c. Et al. Escalas de avaliação clínica em psiquiatria e psicofarmacologia. São paulo. 2000.

Kaplan, hi; sodock, bj; grebb, ja. Compêndio de psiquiatria – ciência do

Comportamento e psiquiatria clínica. 7ª ed. Porto alegre: artmed, 2003.

Lafer, b. & amaral, j. A. De m. S. (2000). Depressão no ciclo da vida. Porto alegre: artes médicas.

Manual de assistência de enfermagem a saúde da pessoa idosa – sms/sp - 4ª ed. São paulo, secretaria do estado de saúde - sms. 2012

Manual de atenção à pessoa idosa/ secretaria da saúde, coordenação da atenção básica/ estratégia saúde da família. – 2 ed – são paulo: sms, 2012 66 p. – (série enfermagem)

Marin-neto, j.a. et al. Atividades físicas: “remédio” cientificamente comprovado? A terceira idade. 1995; 10 (6): 34-43.

Marquez filho, e. A atividade física no processo de envelhecimento. A terceira idade. 1995,10(6): 62-69.

Matsudo, s. M. Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida no envelhecimento. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 20, n. 1, p. 135-137, 2006.

Minayo mcs. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Asão paulo (sp): hucitec; 2006.

Neri, a l. Teorias psicológicas do envelhecimento. In: freitas, e v. Et al. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de janeiro: guanabara koogan, 2002

Oliveira daap, gomes l, oliveira rf. Prevalência de depressão em idosos que freqüentam centros de convivência. Rev saúde pública. 2006;40(4):734-6.

Porcu, mauro e col. Estudo comparativo sobre prevalência de sintomas depressivos em idosos. Acta sci. 2002

Pesquisa nacional por amostra de domicílios – síntese de indicadores 2012

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2013 acesso em 05/03/2015

Ribeiro, marcos a.m. e col. Prevalência de depressão em idosos institucionalizados em tempo integral. Ver. Psiquiatr. Clin. São paulo, 1994

Siqueira, m e c. Teorias sociológicas do envelhecimento. In: freitas, e v. Et al. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de janeiro: guanabara koogan, 2002.

Silva, eulália maria martins da. [et al.]. Enfermidades do paciente idoso. Pesq bras odontoped clin integr, joão pessoa, v. 7, n. 1, p. 83-88, issn - 1519-0501, jan./abr. 2007.

Stoppe jr e louzã neto (1999

Tavares, lat. A depressão como "mal-estar" contemporâneo: medicalização e existência do sujeito depressivo [online]. São paulo: editora unesp; são paulo: cultura acadêmica, 2010. 371 p. Isbn 978-85-7983-113-3. Available from scielo books .




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-010

Refbacks

  • There are currently no refbacks.