Impacto da tontura na qualidade de vida de idosas ativas / Impact of dizziness on the quality of life of active elderly women

Ângelo Brignol de Oliveira Thomazi, Roberta Gabriéli Kohls Waholtz, Camila Baldissera, Kelly Cristine Vargas da Silva, Valdete Alves Valentins dos Santos Filha

Abstract


O processo de envelhecimento é natural, progressivo e irreversível, ocorrendo reduções funcionais, como no equilíbrio corporal, tendo relação direta com o declínio do processamento das vias centrais, podendo causar tontura, a qual compromete a qualidade de vida (QV). A tontura é uma queixa comum, principalmente em idosos e no sexo feminino e pode estar associada a sintomas neurovegetativos. Investigar a presença de tontura em idosas e avaliar seu impacto na QV. Foram avaliadas 31 idosas ativas, das quais 11 (35,48%) relataram tontura, sendo oito do tipo rotatória (72,75%), com grau de incômodo médio de oito e cinco (45,45%) relataram duração por segundos, cinco (45,45%) por minutos e uma (9,1%) por semanas. No DHI apresentaram as seguintes médias por aspecto: emocional = 12; físico = 13; funcional = 14. A tontura acomete uma parcela expressiva de idosas, gerando inúmeros impactos na QV.

Keywords


tontura, qualidade de vida, idosos

References


AMARAL, P. C. et al. Efeitos funcionais da prática de dança em idosos. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, v. 13, [S.l.], n. 1, p. 43-49, jan./fev. 2014.

BRASIL. Lei n. 10.741, de 01 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 out. 2003. Disponível em: . Acesso em: 05 março 2021.

BRASIL. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e

normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2021.

BITTAR, R. S. M. et al. Estudo epidemiológico populacional da prevalência de tontura na cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, São Paulo, v. 79, n. 6, p. 688-698, 2013.

BUSHATSKY, A. et al. Fatores associados às alterações de equilíbrio em idosos residentes no município de São Paulo em 2006: evidências do Estudo Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento (SABE). Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 4, n. 2, p. 1-14, 2019.

CASTRO, A. S. O. et al. Versão brasileira do Dizziness Handicap Inventory. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, v. 19, n. 1, p. 97-104, 2007.

FERRARESI, J. R.; PRATA, M. G.; SCHEICHER, M. E. Avaliação do equilíbrio e do nível de independência funcional de idosos da comunidade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 18, n. 3, p. 499-506, 2015.

GADKAREE, S. K. et al. Does sensory function decline independently or concomitantly with age? Data from the Baltimore longitudinal study of aging. Journal of Aging Research, 2016.

GANANÇA, F. F. et al. Circunstâncias e consequências de quedas em idosos com vestibulopatia crônica. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, v. 72, n. 3, p. 388-393, 2006.

JACOBSON, G. P.; NEWMAN, C. W. The development of the Dizziness Handicap Inventory. Archives of Otolaryngology - Head & Neck Surgery, v. 16, n. 4, p. 424-427, 1990.

KATZ, S. et al. Studies of Illness in the aged: the Index of ADL: A Standardized Measure of Biological and Psychosocial Function. JAMA, v. 185, n. 12, p. 914-919, 1963.

LAWTON, M. P.; MOSS, M.; FULCOMER, M. A.; KLEBAN, M. H. A research and service oriented multilevel assessment instrument. Journal of Gerontology, v. 1, n. 1, p. 91-99, 1982.

LIMA, C. L. et al. Queixas psicológicas relacionadas com as disfunções vestibulares em pacientes atendidos em um ambulatório de reabilitação vestibular. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, v. 7, n. 2, p. 37-40, 2015.

LIMA, G. A. Estudo longitudinal do equilíbrio postural e da capacidade aeróbica de idosos independentes. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 15, n. 4, 2011.

MORAES, S. A. et al. Tontura em idosos da comunidade: estudo de base populacional.Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 77, n. 6, p. 691-9, 2011.

Suzana Albuquerque de Moraes

NEVES, L. O.; ONISHI, E. T.; PELUSO, E. T. P. Atuação do enfermeiro na estratégia de saúde da família em relação aos idosos com vestibulopatias. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde, v. 4, n. 1, p. 9-18, 2012.

OLIVEIRA, B. C. et al. Avaliação da qualidade de vida em idosos da comunidade. Revista Brasileira de Promoção da Saúde, v. 30, n. 3, p.1-10, 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial de Envelhecimento em Saúde. OMS: Genebra, Suíça, 2015. 30 p.

PATATAS, O. L. G. et al. Qualidade de vida de indivíduos submetidos à reabilitação vestibular. Brazilian Journal Of Otorhinolarygology, v. 75, n.3, p. 387-94, 2009.

ROCHA R. E. R. et al. Aptidão funcional e qualidade de vida de idosos frequentadores de uma universidade aberta da maior idade. Journal of Physical Education, v. 27, p. 1-14, 2016.

ROSA, T. S. M.; MORAES, A. B.; SANTOS FILHA, V. A. V. O idoso institucionalizado: perfis sociodemográfico e clínico-funcional relacionados à tontura. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 82, n. 2, p. 159-169, 2016.

TAKANO, N. A. el al. Qualidade de vida de idosos com tontura. Brazilian Journal Of Otorhinolarygology, v. 76, n. 6, p. 769-775, 2010.

TEIXEIRA, L. J.; PRADO, G. F. Impacto da fisioterapia no tratamento da vertigem. Revista Neurociências, v. 7, n. 2, p.112-118, 2009.

SILVA, J. S. et al. Ações na atenção básica para a prevenção de quedas em idosos. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 5, p. 22798-22808, 2020.

SANTOS, E. M. S. et al. Impacto da tontura na qualidade de vida de idosos com vestibulopatia crônica. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, v. 22, n. 4, p. 427-432, 2010.

SCHERER, S; LISBOA, H.R.K; PASQUALOTTI, A. Tontura em idosos: diagnóstico otoneurológico e interferência na qualidade de vida. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v. 17, n. 2, p. 142-150, 2012.

REFERÊNCIA DO TÍTULO: Pesquisa institucional desenvolvida pelo Projeto de Pesquisa “Investigação otoneurológica integrada: da avaliação à reabilitação vestibular” no Laboratório de Otoneurologia - Setor Equilíbrio da Universidade Federal de Santa Maria.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-020

Refbacks

  • There are currently no refbacks.