A influência do estresse na incidência de infarto em indivíduos jovens durante a pandemia / The influence of stress on the incidence of heart attack in young individuals during the pandemic

Rubem Alves de Brito Ramos, Mariana Frades dos Reis, Kívya Barbosa Rodrigues, Kaiuby Freire dos Santos, Abílio José de Oliveira Neto, Karen Ludmila da Silva Meneses, Leonardo Sutana de Mendonça, Gabriela Fernandes Nascimento, Samuel David Oliveira Vieira, Fabio Bueno Neves, Ian Rocha de Araújo Nogueira, Lara Cândida de Sousa Machado, Antônio Ribeiro da Costa Neto

Abstract


Introdução: O infarto agudo do miocárdio é um processo necrótico miocárdico, devido a isquemia tecidual provocada por diversos fatores, muitos destes já conhecidos, estando relacionado com alterações provocadas pelo estresse excessivo. Os eventos estressores podem ser descritos como acontecimentos contrários a um resultado esperado conectados a um estresse mental e físico, intimamente relacionados ao aparecimento de várias doenças que podem levar à morte, entre estas, destaca-se o infarto agudo do miocárdio. Assim, é necessário atenção às alterações fisiológicas e fatores desencadeados pelo estresse, que se amplificaram no contexto da COVID-19. Objetivo: Relacionar os efeitos provocados por eventos estressores na fisiologia humana com o aumento da incidência de infarto agudo do miocárdio em indivíduos jovens na pandemia de 2020. Metodologia: Este trabalho possui uma natureza quantitativa, baseado em uma revisão da literatura médica. Foram utilizadas fontes (MedLine), (SciELO), dados disponibilizados pelo DataSUS e livros disponíveis em plataformas digitais. Resultados: Através deste trabalho evidenciou-se a relação de eventos estressores diários no aumento de doenças cardiovasculares que acometem jovens, e, principalmente, sua influência na incidência de infarto agudo do miocárdio com significativo aumento quando comparado os períodos pré-pandemia e pós pandemia nas regiões Centro-Oeste e Sul do Brasil. Conclusão: Estresse físico e mental são fatores que afetam diretamente o corpo humano, deixando-o mais suscetível ao Infarto Agudo do Miocárdio, com considerável aumento da incidência na pandemia indicando que condições estressantes também aumentaram neste período.


Keywords


“Infarto Agudo do Miocárdio”, “Estresse”, “Pandemia”.

References


PESARO, A. E. P; SERRANO JR., C. V; NICOLAU, J. C. Infarto agudo do miocárdio: síndrome coronariana aguda com supradesnível do segmento ST. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 50, n. 2, p. 214-220, Apr. 2004 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 de set. 2019.

MATHIONI MERTINS, S; et al. Prevalência de fatores de risco em pacientes com infarto agudo do miocárdio. Avances en Enfermería, v. 34, n. 1, p. 30-38, 2016. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121- 45002016000100004&lng=en&nrm=iso&gt> Acesso em: 13 de jun. 2020.

LOURDES, Débora Lopes et al . Estresse Mental e Sistema Cardiovascular. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo , v. 78, n. 5, p. 525-530, Maio, 2002 . Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2002000500012&lng=en&nrm=iso&gt> Acesso em: 16 de set. 2019.

FILGUEIRAS, J. C; HIPPERT, M. I. S. A polêmica em torno do conceito de estresse. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 19, n. 3, p. 40-51, 1999. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300005&lng=en&nrm=iso&gt> Acesso em: 16 de set. 2019.

CHROUSOS, G., LORIAUX, D.; GOLD, P. Mechanisms of physical and emotional stress. New York: Plenum Press. 1998.

JOELS, M., & BARAM, T. Z. (2009). The neuro-symphony of stress. Nature reviews. Neuroscience, vol. 10(6), 459–466. https://doi.org/10.1038/nrn2632.

CARVALHO, T; SILVA, J, G; GUEDES, D, P. Atividade Física e Saúde. Coordenação de Doenças Crônicos - Degenerativas: Orientações Básicas sobre Atividade Física e Saúde para Usuários. Brasília: Ministério da Saúde, Ministério da Educação e do Desporto, 1995.

CONTI, R. A. S., et al. Comparação entre Homens e Mulheres Jovens com Infarto Agudo do Miocárdio. Arq Bras Cardiol, v. 79, n. 5, 510-7, 2002.

GOMES, C, M; et al. Estresse e risco cardiovascular: intervenção multiprofissional de educação em saúde. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 69, n. 2, p. 351-359, Abr. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- 71672016000200351&lng=en&nrm=iso&gt> Acesso em 09 de jun. 2020.

GUYTON & HALL. Tratado de Fisiologia Médica. 13ª ed. Rio de Janeiro: Elservier, 2017.

KNEBEL, Indiara Lucy; MARIN, Angela Helena. Fatores psicossociais associados à doença cardíaca e manejo clínico psicológico: percepção de psicólogos e paciente. Rev. SBPH, Rio de Janeiro , v. 21, n. 1, p. 112-131, jun. 2018 . Disponível em:< http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-

&lng=pt&nrm=iso&gt> Acesso em 09 jun. 2020.

LIMA, D. M., et al. Fatores preditores para Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) em adultos jovens. Ciências Biológicas e de Saúde Unit: Aracaju. v. 5, n. 1, p. 203-216, 2018.

MAGALHÃES, C, C; et al. Tratado de Cardiologia SOCESP. 3 ed. São Paulo: Manole, 2015.

NASCIMENTO, J, F, C, G et al. Aterosclerose: diagnóstico macroscópico nas autópsias. Diagn Tratamento. 2013;18(2):65-8. Disponível em:< http://files.bvs.br/upload/S/1413-9979/2013/v18n2/a3605.pdf&gt> Acesso em: 05 jun. 2020.

PAREDES, S; RIBEIRO, L. Cortisol: o vilão na Síndrome Metabólica ?. Rev. Assoc. Med. Bras. , São Paulo, v. 60, n. 1, p. 84-92, fev. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 42302014000100084&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13 de jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-035

Refbacks

  • There are currently no refbacks.