Avaliação Da Composição Nutricional De Alimentos Para Controle De Peso (Tipo Shake) Frente As Legislações Atuais / Evaluation of the Nutritional Composition of Foods for Weight Control (Shake Type) in the face of current legislation

Renata Rodrigues de Carvalho, Mikaella Cavalcante Ferreira, André Luiz da Silva do Nascimento, Tayonara dos Santos Melo, Ananda Carolina Barros da Silva, Williene Gabriela Torres da Silva, Luiz Eduardo Nunes de Souza, Marina Maria Barbosa de Oliveira

Abstract


Os alimentos para controle de peso são produtos industrializados a fim de suprir as necessidades nutricionais do indivíduo e destinadas a propiciar redução, manutenção ou ganho de peso corporal. Podem ser classificados em alimentos para redução ou manutenção de peso por substituição parcial das refeições ou para ganho de peso por acréscimo às refeições e ainda em alimentos para redução de peso por substituição total das refeições. No entanto, os alimentos para controle de peso são isentos de registro e estão disponíveis em mercados, drogarias e academias sem restrições ao seu acesso e o marketing relacionado a esses produtos tem sido bem favorável para os indivíduos que buscam mudança por conta própria.  Foram avaliados 14 produtos comercializados em 26 farmácias comerciais na região metropolitana do Recife (PE) no ano de 2018. Foi avaliada a composição nutricional desses produtos segundo legislações pertinentes a rotulagem desse grupo de alimentos através de um instrumento de coleta de dados. Evidenciaram-se inconsistências sobre a composição nutricional obrigatória para estes produtos. Como exemplo, os produtos 1, 6, 9, 11, 12,13 e 14 apresentaram o maior número de não conformidades quanto a qualidade nutricional expressa. Logo, ressalta-se a importância da avaliação para inclusão de registro desses produtos uma vez que ao substituir uma refeição não necessariamente estará adquirindo os nutrientes adequados, o que configura direito lesado do consumidor.


Keywords


controle, comida, peso.

References


ARNAIZ, M. G. Paradojas de la alimentación contemporánea, Barcelona: Icaria Editorial, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 259, de 20 de Setembro de 2002. Estabelece regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados, conforme anexo dessa Resolução. Diário Oficial da União. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Cadernos de Atenção Básica: Carências de Micronutrientes. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC N° 19, de 05 de Maio de 2010. Dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas informarem à ANVISA a quantidade de fenilalanina, proteína e umidade de alimentos, para elaboração de tabela do conteúdo de fenilalanina em alimentos, assim como disponibilizar as informações nos sítios eletrônicos das empresas ou serviço de atendimento ao consumidor (SAC). Diário Oficial da União. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Suplementação de Ferro: manual de condutas gerais. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria N 30 de janeiro de 1998. Aprova o “Regulamento técnico referente a Alimentos para Controle de Peso. Diário Oficial da União. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 1998.

COZZOLINO, S. M. F. Mineral deficiencies. estudos avançados, v. 21, n. 60, p. 119-126, 2007.

COZZOLINO, S. M. F. Biodisponibilidade de nutrientes. 5. ed. Barueri, SP: Manole, 2016.

DE ALMEIDA, L. C. et al. Triagem De Transtornos Alimentares Em Estudantes Universitários Na Área Da Saúde. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, v. 20, n. 3, 2016.

ESCOTT-STRUMP, S. Nutrição relacionada ao diagnóstico e tratamento. 6. ed. Barueri, SP: Manole, 2011.

GONÇALVES, Gleidiana Rodrigues et al. Benefícios da ingestão de colágeno para o organismo humano. Revista Eletrônica de Biologia (REB). ISSN 1983-7682, v. 8, n. 2, p. 190-206, 2015.

LEÃO, A. L. M.; SANTOS, L. C. Consumo de micronutrientes e excesso de peso: existe relação?. Revista Brasileira de epidemiologia, v. 15, p. 85-95, 2012.

MAFRA, D.; COZZOLINO, S. M. F. Magnésio. In: Cozzolino SMF, organizador. Biodisponibilidade de nutrientes. 4a ed. atual. e ampl. Barueri (SP): Manole; 2012.

PEREIRA, R. F.; LAJOLO, F. M.; HIRSCHBRUCH, M. D. Consumo de suplementos por alunos de academias de ginástica em São Paulo. Revista de Nutrição, 2003.

RUSSO, R. Imagem corporal: construção através da cultura do belo. Movimento & Percepção, v. 5, n. 6, p. 80-90, 2005.

SILVEIRA, L. R. et al. Regulação do metabolismo de glicose e ácido graxo no músculo esquelético durante exercício físico. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 55, n. 5, p. 303-313, 2011.

SOUZA, A. P. L.; PESSA, R. P. Eating disorders treatment: factors associated with dropout. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 65, n. 1, p. 60-67, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: preventing and managing the global epidemic. WHO Technical Report Series, 894. Geneva: World Health Organization; 2000.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-044

Refbacks

  • There are currently no refbacks.