A gestão da dor aguda na pessoa vítima de trauma: Uma revisão integrativa da literatura / The management of acute pain in the trauma victim: An integrative review of the literature

Jéssica Andreia Fernandes Mascarenhas, Carla Alexandra Fernandes do Nascimento

Abstract


Introdução: A dor aguda é altamente incidente no trauma e assume um notório impacto no outcome da pessoa em situação crítica vítima de trauma. A gestão eficaz da dor aguda requer valorização, avaliação e tratamento mediante uma abordagem multimodal suportada em intervenções de enfermagem farmacológicas e não-farmacológicas. Objetivos: Identificar as intervenções de enfermagem farmacológicas e não-farmacológicas desenvolvidas no âmbito da gestão multimodal da dor aguda na pessoa vítima de trauma.Metodologia: Revisão Integrativa da Literatura (RIL) desenvolvida através da pesquisa científica nas bases de dados CINHAL® e MEDLINE®. Os procedimentos metodológicos adotados atendem à questão de investigação em formato PICO: “Quais as intervenções de enfermagem (I) promotoras da gestão da dor aguda (O) no cuidado à pessoa vítima de trauma (P)?” Não foram estabelecidas comparações.

Resultados: Do processo de identificação, seleção, elegibilidade resultaram 34 artigos, publicados entre 2015 e 2020, dos quais foram incluídos cinco artigos para análise e extração de dados. Conclusão: A avaliação da dor sustentada em escalas de auto e heteroavaliação e o conhecimento sustentado sobre as classes e farmacodinâmica dos analgésicos são identificados como as principais intervenções farmacológicas. A crioterapia, aplicação de calor, técnicas de distração, musicoterapia, massagem, mobilização e a presença de familiares/amigos são identificadas como as intervenções de enfermagem não-farmacológicas.


Keywords


: Dor aguda; Gestão da dor; Pessoa vítima de trauma; Intervenções de enfermagem .

References


Allen, E., Williams, A., Jennings, D., Stomski, N., Goucke, R., Toye, C. & McCullough, K. (2018). Revisiting the Pain Resource Nurse Role in Sustaining Evidence-Based Practice Changes for Pain Assessment and Management. Worldviews on Evidence-based Nursing,15(5), 368-376. Doi: https://doi.org/10.1111/wvn.12318

Aromataris, E. & Munn Z. (2017). Joanna Briggs Institute Reviewer's Manual. Austrália: The Joanna Briggs Institute

Benov, A., Salas, M., Nakar, H., Antebi, B., Tarif, B. & Yitzhak, A. (2017). Battlefield pain management: A view of 17 years in Israel Defense Forces. Journal of Trauma and Acute Care Surgery ,83(1), 150-155. Doi: https://doi.org/10.1097/ta.0000000000001481

Costa, M.., Queiroz, R., Silva, É., Pinho, J., Aragão, M., Matos, J. & Formiga, N. (2020). Cinemática e avaliação de vítima de trauma no atendimento pré-hospitalar: um relato de experiência. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 11328-11336.Doi: 10.34119/bjhrv3n4-378

Direção-Geral de Saúde - Circular Normativa nº 9 (2003). A Dor como 5º sinal vital. Registo sistemático da intensidade da Dor. Direção-Geral de Saúde de 14-06-2003, 1–6. Acedido em: 20/09/2020. Disponível em: https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circulares-normativas/circular-normativa-n-9dgcg-de-14062003-pdf.aspx.

Elkbuli, A., Stotsenburg, M., Epstein, C., Calvert, K., Boneva, D., McKenney, M. & Deaton, K. (2020).A Multidisciplinary Approach to Improve Pain Management and Satisfaction in a Trauma Population. Journal of Trauma Nursing, 27(2), 96-103.Doi: https://doi.org/10.1097/jtn.0000000000000493

Hsu, K., Chen, L. & Hsiep, P. (2016). Effect of music intervention on burn patients' pain and anxiety during dressing changes.Burns, 42(8), 1789-1796. Doi: https://doi.org/10.1016/j.burns.2016.05.006

International Association for the Study of Pain (2020). IASP-Taxonomy. Acedido em 21/09/2020 Disponível em: https://www.iasp-pain.org/Education/Content.aspx?ItemNumber=1698#Pain

McGillion, M. & Watt-Watson, J. (2010). Enfermagem médico-cirúrgica: perspetivas de saúde e doença. Loures: Lusodidacta.

Mota, M., Cunha, M., Santos, M., Silva, D. & Santos, E. (2019). Non-pharmacological interventions for pain management in adult victims of trauma: a scoping review protocol. JBI Database of Systematic Reviews and Implementation Reports,17(2),2483-2490.Doi: https://doi.org/10.11124/jbisrir-2017-004036

Ordem dos Enfermeiros (2008). Dor: Guia orientador de boa prática. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Papathanassoglou, E., Hadjibalassi, M., Miltiadous, P., Lambrinou, E., Papastavrou, E., Paikousis, L. & Kyprianou, T. (2018). Effects of an Integrative Nursing Intervention on Pain in Critically Ill Patients: A Pilot Clinical Trial. American journal of critical care, 27(3), 172–185. Doi: https://doi.org/10.4037/ajcc2018271

Polomano, R., Fillman, M., Giordano, N., Vallerand, A., Nicely, K. & Jungquist C. (2017). Multimodal Analgesia for Acute Postoperative and Trauma-Related Pain. The American Journal of Nursing, 117(3), S12-S16. Doi: https://doi.org/10.1097/01.naj.0000513527.71934.73

Saranteas, T., Kostroglou, A., Anagnostopoulos, D., Giannoulis, D., Vasiliou, P. & Mavrogenis, A. (2019). Pain is vital in resuscitation in trauma. SICOT-J, 5(28), 1-5. Doi: https://doi.org/10.1051/sicotj/2019028

Sullivan, D., Lyons, M., Montgomery, R. & Quinlan-Colwell, A. (2016). Exploring Opioid-Sparing Multimodal Analgesia Options in Trauma: A Nursing Perspective. Journal of trauma nursing: the official journal of the Society of Trauma Nurses, 23(6), 361–375.Doi: https://doi.org/10.1097/jtn.0000000000000250

Varndell, W., Fry, M. & Elliott, D. (2017). Exploring how nurses assess, monitor and manage acute pain for adult critically ill patients in the emergency department: protocol for a mixed methods study. Scandinavian journal of trauma, resuscitation and emergency medicine, 25(1), 75-83. Doi: https://doi.org/10.1186/s13049-017-0421-x

Weinberg, B., Roos, R. & Van Aswegen, H. (2018). Effectiveness of non-pharmacological interventions for pain and physical function in adults with rib fractures: a systematic review protocol. JBI database of systematic reviews and implementation reports, 16(8), 1599–1605. Doi: https://doi.org/10.11124/jbisrir-2017-003600




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.