Tratamento de lesões esofágicas cervicais com uso do tubo de Montgomery / Treatment of cervical esophageal lesions using the montgomery tube

Fernando Luiz Westphal, Luiz Carlos de Lima, Breno Melo Catunda de Souza, Renata Motoki Amorim Pereira, José Corrêa Lima Netto, Pedro Elias de Souza, João Gabriel Linhares Pulner, Fernando Luiz Westphal Filho, Maurissathler Abreu Nery

Abstract


Objetivos: Analisar a utilização do tubo T de Montgomery para o tratamento de lesões esofágicas cervicais tardias em um hospital terciário. Metodologia: Estudo observacional descritivo e retrospectivo de pacientes atendidos no serviço de Cirurgia Torácica do Hospital Português Beneficente do Amazonas no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2020 por meio de análise de prontuários. Submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa pelo CAEE: 34100920.0.0000.5020 e parecer de nº 4.131.284. Foram incluídos todos os pacientes tratados através da utilização de tubo T de Montgomery visando a correção de lesões cervicais tardias. Aqueles sem dados suficientes nos prontuários foram excluídos do estudo. Resultado: Foram estudados cinco pacientes com lesões esofágicas cervicais tardias tratados com a utilização do tubo T de Montgomery. Havia três (60%) pacientes do sexo feminino e dois (40%) do sexo masculino, com uma idade média de 44 anos. Os principais sintomas apresentados foram cervicalgia e disfagia. Em todos os casos, devido à contaminação e ao comprometimento do tecido, foi realizada cervicotomia com rafia de esôfago e colocação do Tubo de Montgomery culminando com o fechamento completo das fístulas. Conclusão: o prognóstico das lesões cervicais de esôfago depende do tempo de diagnóstico e da intervenção precoce. Quando o tratamento é feito tardiamente e na vigência de infecção, o tubo T de Montgomery se apresenta como uma alternativa obtentora de bons resultados.


Keywords


Fístula Esofágica, Infecção, Órteses.

References


Gomes CH, Almeida MF, Vieira D, Serpa GM. Fístulas digestivas–Revisão de literatura. Unimontes científica. 2008 Jun 25;6(2):113-22.

de Souza HP, Gabiatti G, Dotta F. Fístulas digestivas no trauma. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2018 Jan 1;28(2):138-45.

Linden PA, Bueno R, Mentzer SJ, Zellos L, Lebenthal A, Colson YL, Sugarbaker DJ, Jaklitsch MT. Modified T-tube repair of delayed esophageal perforation results in a low mortality rate similar to that seen with acute perforations. The Annals of thoracic surgery. 2007 Mar 1;83(3):1129-33.

Aghajanzadeh M, Porkar NF, Ebrahimi H. Cervical esophageal perforation: a 10-year clinical experience in north of iran. Indian Journal of Otolaryngology and Head & Neck Surgery. 2015 Mar 1;67(1):34-9.

Marsico GA, Azevedo DED, Guimarães CA, Mathias I, Azevedo LG, Machado T. Injuries of the esophagus. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 2003; 30(3), 216-223.

Kaman L, Iqbal J, Kundil B, Kochhar R. Management of esophageal perforation in adults. Gastroenterology Research. 2010 Dec;3(6):235.

Gill RC, Pal KI, Mannan F, Bawa A, Fatimi SH. T-tube placement as a method for treating penetrating oesophageal injuries. International journal of surgery case reports. 2016; 28, 255-257.

Spaander M, Baron T, Siersema P, Fuccio L, Schumacher B, Escorsell À, et al. Esophageal stenting for benign and malignant disease: European Society of Gastrointestinal Endoscopy (ESGE) Clinical Guideline. Endoscopy. 2016; 48(10):939–48.

Hindy P, Hong J, Lam-Tsai Y, Gress F. A comprehensive review of esophageal stents. Gastroenterology & hepatology. 2012 Aug;8(8):526.

Kamarajah SK, Bundred J, Spence G, Kennedy A, Dasari BV, Griffiths EA. (2019). Critical Appraisal of the Impact of Oesophageal Stents in the Management of Oesophageal Anastomotic Leaks and Benign Oesophageal Perforations: An Updated Systematic Review. World journal of surgery, 2019; 1-17.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-062

Refbacks

  • There are currently no refbacks.