Relação estudante-paciente como objeto educacional: sentimentos dos estudantes nesse contato / Student-patient relationship as an educational object: student feelings in this contact

Rafaella Dias Coelho, Arthur Fidelis de Sousa, Bruna Morais Cordeiro, Isadora Afiune Thomé de Oliveira, Ygor Costa Barros, Denis Masashi Sugita

Abstract


Introdução: Uma relação harmoniosa médico-acadêmico-paciente é de extrema importância ao processo de saúde-doença dos pacientes, além de contribuir para uma formação qualificada do acadêmico. Sendo assim, a prática é necessária para aprimorar habilidades de comunicação e empatia, visando uma relação sem desconfortos, medos e inseguranças. Hoje, o sistema de saúde e seus usuários demandam por uma Medicina mais humanizada. Essa nova perspectiva exige um contato precoce com o paciente, para a formação de um profissional humanístico, pautado nos princípios éticos, preservando seu senso de responsabilidade social. Pois, as qualidades de um excelente profissional médico são cultivadas desde o princípio do processo de aprendizagem. Objetivo: O trabalho objetivou descrever a percepção dos acadêmicos a respeito da prática de aprendizagem baseada no contato com paciente, incluindo os sentimentos envolvidos nesse processo. Métodos: Tratou-se de um estudo transversal, observacional e descritivo, de natureza quantitativa, realizado em uma instituição privada de Anápolis – Goiás. Como instrumento de coleta de dados, foi utilizado um questionário elaborado pelos pesquisadores. Resultados: Em relação aos sentimentos dos acadêmicos na realização da anamnese, constatou-se alta prevalência de sentimentos positivos, como conforto (58,8%) e motivação (42,7%), com tendência crescente na evolução dos períodos, pois o acadêmico torna-se mais habituado e treinado. Já em relação ao exame físico, observou-se sentimentos como vergonha (17,5%) e constrangimento (22,3%), principalmente nos períodos iniciais da Clínica Médica, momento em que se aumenta sua realização em pacientes reais. Houve, também, dificuldades referentes a anamnese e exame físico íntimos ou relativos a dar más notícias. Para mais, muitos acadêmicos (45,5%) se mostram incomodados em perguntar sobre condições socioeconômicas e acreditam que essa seja a parte que mais gera incomodo nos pacientes, provavelmente por uma questão cultural. Ademais, todos os acadêmicos acreditam na mudança positiva dos sentimentos à medida que se aproximam da graduação. Conclusão: O presente estudo reitera a importância de um contato estudante-paciente precoce, para preparar o futuro médico. Também reforça, a necessidade de correlacionar esses resultados com dados que expõem a perspectiva do paciente nesse contato. Por fim, são necessários mais estudos sobre o tema, visto que, a literatura carece de textos que abordem a perspectiva apresentada.


Keywords


relações médico-paciente, educação médica, estudantes de medicina.

References


Cesca J, Bonamigo EL, Fiorini E, Desconsi NT. Como os pacientes enxergam os estudantes de Medicina. AM [Internet]. 2º de outubro de 2018 [citado 1º de março de 2021];0(1):35-6. Disponível em: https://unoesc.emnuvens.com.br/anaisdemedicina/article/view/19039.

Cunha SLR, Lagemann B, Silva RCS, Mello DRB, Vitarelli AM, Vargas AFM, et al. RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE: PROCESSO DE APRENDIZAGEM E QUESTÕES BIOÉTICAS. Rev inter pens cient. 2018;4(1).

Vidal CEL, Andrade AFM, Mariano IGGF, Silveira Junior J, Silva JCF, Azevedo MDO, et al. Atitude de estudantes de medicina a respeito da relação médico paciente. Rev med Minas Gerais. 2019;29(Supl 8):S19–24.

Chinato IB, D’Agostini CL, Marques RR. A relação médico-paciente e a formação de novos médicos: análises de vivências de hospitalização. Rev Bras Med Fam comunidade [Internet]. 20º de março de 2012 [citado 1º de março de 2021];7(22):27-34. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/289.

Dorigatti AE, Faber EW, Garcia Junior C, Turato ER. Como se sentem pacientes quando examinados por estudantes de Medicina? Um misto entre ambiguidades e satisfações encontradas em estudo qualitativo. Rev Bras Educ Med. 2015; 39(1):95-101 [acesso em 15 jan 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/C8PhJ6N9XtZcqZbh9FRC69R/abstract/?lang=pt.

Cortopassi AC, Lima MCP, Gonçalves IJ. Percepção de pacientes sobre a internação em um hospital universitário: implicações para o ensino médico. Rev bras educ med. 2006;30(2):42–8.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 116 de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências Diário Oficial da União, Brasília, 23 jun. 2014; Seção 1, p. 8. [online] [acesso em 24 fev 2021] Disponível em: http://www.toledo.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2017/07/DCN-2014.pdf.

Pereira TTSO, Barros MNS, Augusto MCNA. O cuidado em saúde: o paradigma biopsicossocial e a subjetividade em foco. Mental. 2011;9(17):523–36.

Assunção LF, Melo GCMP, Maciel D. Relação médico-paciente permeando o currículo na ótica do estudante. Rev bras educ med. 2008;32(3):383–9 [acesso em 15 jan 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/BCxhvjrxNTgVRWkctGTb8hC/?format=pdf〈=pt.

Benedetto MACD, Gallian DMC. Narrativas de estudantes de Medicina e Enfermagem: currículo oculto e desumanização em saúde. Interface. 2018;

Kaluf IO, Sousa SGO, Luz S, Cesario RR. Sentimentos do Estudante de Medicina quando em Contato com a Prática. Rev bras educ med. 2019;43(1):13–22.

Aviz GB, Guimarães GF, Nunes LMA, Martins GMT, Eguchi BS, Cardoso AAM. Impacto do curso de habilidades clínicas no conhecimento de semiologia médica dos estudantes de medicina. Rev Bras Educ e Saúde. 2020;10(3):73–8 [acesso em 27 fev 2021]. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/7889/7750.

Moura JA, Moura EP, Faria AD, Soares TF, Faria RMD. Impacto do Treinamento de Habilidades de Comunicação e do Registro Médico na Prática do Método Clínico de Atendimento Integral à Pessoa. Rev Bras Educ Med. 2019;43(1):47 – 54.

Coimbra AP, Silva BM, Corregliano MR, Nakakogue RAW, Sousa SGO, Santos TA, et al. Evolução dos sentimentos dos acadêmicos de medicina durante a prática do PIESF. Investigação, v. 14, n. 5, 2015.

Sousa-Muñoz RL, Silva IBA, Maroja JLS. Experiência do estudante de semiologia médica em aulas práticas com o paciente à beira do leito. Rev bras educ med. 2011;35:376 – 381.

Smolka MLRM, Gomes AP, Siqueira-Batista R. Autonomia no contexto pedagógico: percepção de estudantes de medicina acerca da aprendizagem baseada em problemas. Rev bras educ med. 2014;38:5 – 14.

Azevedo MH, Paiva AFA, Santiago LD. Iniciação ao exame clínico: primeiras vivências do estudante de medicina na interação com o paciente hospitalizado. XI Encontro de Iniciação à Docência João Pessoa, Brasil. 2008;

Costa GPO, Herculano TB, Gama ALH, Cabral RP, Campos DB, Oliveira DNS. Enfrentamentos do estudante na iniciação da Semiologia Médica. Rev bras educ med. 2018;42(2):79–88.

Moraes MAA, Costa MCG, Braccialli LAD, Mazzoni CJ. AVALIAÇÃO DOS RECURSOS AFETIVOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES E DE ESTUDANTES. Rev Univ Vale do Rio Verde. 2019;17(1).

Rodrigues LAC, Vasconcellos MB, Bertoco T, Green MMT. A percepção das pacientes atendidas por estudantes de medicina no ambulatório escola na consulta ginecológica. Investigação, 18(4): 45-49 2019.

Ribeiro LAP, Dias CPF, Jesuíno FA, Alcântara TQ, Figueiredo IC, Sá ACS, et al. Exame clínico pediátrico: aquisição de habilidades na disciplina Pediatria Preventiva Social, FAMEB-UFBa. Rev Ciênc Med Biol. 2007;6(1):63–8.

Cortez MB, Santos LTO, Silva JMO. Comunicação e humanização na consulta ginecológica durante atividade prática supervisionada: relato de experiência. Gep News. 2019;2(2):138–44.

Berwanger J, Geroni GD, Bonamigo EL. Estudantes de medicina na percepção dos pacientes. Rev Bioét. 2015;23(3):552–62.

Silva Junior GB, Duarte RP, Menezes AR, Morais AP, Alves AM, Daher EDF. Percepção dos pacientes sobre aulas práticas de medicina: uma outra ausculta. Rev bras educ med. 2014;38:381 – 387.

Macias LL, Parafita RM, Caldas CAM. A visão do paciente atendido pelo acadêmico de medicina em um Hospital Escola. Para Res Med J. 2018;1(2):0–0.

Aragão JCS, Rossi HR, Casiraghi B. A Jornada do Acadêmico de Medicina-Um Modelo Simbólico da Formação Médica. Rev bras educ med. 2018 42(1):40–6.

Pícoli RP, Domingo ALA, Santos SC, Andrade AHG, Araujo CAF, Kosloski RMM, et al. Competências Propostas no Currículo de Medicina: Percepção do Egresso. Rev Bras Educ Med. 2017;41(4):525 – 532.

Caporal MR, Vaz RS, Semeniuk AP. Percepção dos estudantes de medicina sobre o uso da problematização como metodologia ativa no internato em saúde pública. Rev Thêma et Scient. 2020;10(1):242–65.

Votre SJ, Rosa MC, Salis LHA, Carvalho DM, Silva NAS. Pergunte de mais de uma maneira: alternativas para aumentar a eficácia da anamnese. Rev bras educ med. 2009;33:648 – 657.

Rodrigues JR, Castelo-Branco M, Pereira H, Afonso RM. Ansiedade em Meio Clínico: Construção de uma Escala para Estudantes de Medicina. Acta Med Port. 2014;27(6).

Martinez JE, Pereira DA, Barril ES, Matos SF, Santos RM. Resiliência em estudantes de medicina ao longo do curso de graduação. Rev Fac Cienc Med Sorocaba. 2016;18(1):15–8.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-030

Refbacks

  • There are currently no refbacks.