Instrumento de visita técnica no serviço de limpeza em instituição de saúde em processo de implantação do programa de controle de infecção hospitalar / Instrument of technical visit in the cleaning service in a health institution in the process of implementation of the hospital infection control program

Eric Gustavo Ramos Almeida, Nadia Suely de Oliveira Lorena, Bernardo de Franca Paula, Fernanda Laxe Marcondes, Sirlene da Silva, Cinthya Ramires Ferraz, Cintia Valeria Galdino, Ana Lilia Vieira Almeida

Abstract


Objetivo: Relatar a experiência da elaboração e aplicação do instrumento de Visita Técnica para o Serviço Limpeza e Desinfecção de Superfícies, elaborado com base nas recomendações de normas específicas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da literatura científica, durante o processo de implantação do Programa de Controle de Infecção Hospitalar. Método: Pesquisa descritiva, narrativa, do tipo relato de experiência com a aplicação do checklist de limpeza e desinfecção realizado em um hospital privado de médio porte, no Rio de Janeiro, no ano de 2021. Conclusão: A utilização do instrumento favoreceu a identificação dos pontos de melhorias no processo da limpeza e desinfecção hospitalar, sendo útil na análise da gestão de todo o processo executado, permitindo o diagnóstico do serviço de higienização quanto às boas práticas a ser desenvolvidas por meio de um plano de ação.


Keywords


checklist, segurança do paciente, serviço de controle de infecção hospitalar.

References


BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n° 63 – Dispõe sobre os requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil], Brasília, 25 nov. 2011.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n° 222 – Documento de Referência para as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil], Brasília, 28 mar. 2018.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada n° 509 – Documento de Referência para o gerenciamento de tecnologias em saúde em estabelecimentos de saúde. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil], Brasília, 27 mai. 2021.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2616/MS/GM, de 12 de maio de 1998. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil], Brasília, 13 mai. 1998.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria n° 485, de 11 de novembro de 2005. Diário Oficial da União [da União da República Federativa do Brasil], Brasília, 16 nov. 2005.

BRAZ, R. M. Aspecto básico sobre limpeza ambiental. In: ALVIM, André Luiz et al. (Coord.). Prevenção e controle de infecção: Teoria e prática para gestão do serviço. Curitiba: CRV, 2018. p. 71-75.

CHAVES, L.D.P. et al. Governança, Higiene e Limpeza Hospitalar: Espaço de Gestão do Enfermeiro. Texto Contexto Enfermagem, v. 24, n. 4, p. 1166, 2015.

FELIX, A. M. S.; DESTRA, A.S. Importância do ambiente na transmissão agentes infecciosos. In: CORRÊA, L.; SILVA, A. A.; FERNANDES, M.V.L. (Coord.). Precauções e Isolamento. 2 ed. São Paulo: APECIH, 2012. p. 229-244.

HINRICHSEN, S.L. et al. Limpeza Hospitalar: Importância no Controle de Infecções. In: HINRICHSEN, S.L. Biossegurança e Controle de Infecções. Risco Sanitário Hospitalar. Medsi: Rio de Janeiro. 2004. pp. 175-203.

KRAMER, A. et al. How long do nosocomial pathogens persist on inanimate surfaces? A systematic review. BMC Infect Dis, v.6, p. 130, 2006.

OLIVEIRA, A.C.; DAMASCENO, Q.S. O ambiente dos serviços de saúde como possível reservatório de microrganismos resistentes. In: ARMOND, G. A. (Coord.). Epidemiologia, Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde. Belo Horizonte: Coopmed, 2013. p. 171-179.

ONA (Organização Nacional de Acreditação). Manual dos serviços para saúde: Selo de qualificação ONA. São Paulo: ONA, v. 3, 2020. 122 p.

OTTER J. et al. The role played by contaminated surfaces in the transmission of nosocomial pathogens. Infect Control Hosp Epidemiol, v.32. n.7, p. 687-99, 2011.

SALOMÉ, L. S. Auditorias de Qualidade. In: ALVIM, André Luiz et al. (Coord.). Prevenção e controle de infecção: Teoria e prática para gestão do serviço. Curitiba: CRV, 2018. p. 25-38.

SÃO PAULO. Divisão de Infecção Hospitalar. Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre. Vranjac”. Coordenadoria de Controle de Doenças. Secretaria de Estado da Saúde. Melhores práticas para Higiene e Limpeza em Ambiente Hospitalar. São Paulo: Divisão de Infecção Hospitalar do Estado de São Paulo, 2019. 102 p. Disponível em: https://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/infeccao-hospitalar/2019/ih19_manual_higiene.pdf. Acesso em: 30 dez. 2021.

SILVA, Wilma Rocha. Serviço de Higienização. In: COUTO, Renato Camargo. (Org.). Infecção Hospitalar e outras complicações não-infecciosas da Doença: Epidemiologia Controle e Tratamento. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. p. 242-249.

TORRES, S. et al. Gestão dos Serviços de Limpeza, Higiene e Lavanderia em Estabelecimentos de Saúde. 3 ed . São Paulo: Sarvier, 2008.

YAMAUSHI, N.I.; LACERDA, R.A.; GABRIELLONI, M.C. Limpeza Hospitalar. In: FERNANDES, A.T.; FERNANDES, M.O.V.; FILHO, N.R. Infecção hospitalar e suas interfaces na área da saúde. São Paulo: Atheneu, 2000. p.1141-1155.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-033

Refbacks

  • There are currently no refbacks.