Qualidade de vida de mulheres pós-menopausa diagnosticadas com osteoporose / Quality of life of postmenopausal women diagnosed with osteoporosis

Cecília Maira Souza Almeida, Gabrielle Nunes Coelho, Aline Cardoso de Paiva

Abstract


Averiguar aspectos associados à osteoporose e analisar a qualidade de vida (QV) de mulheres pós-menopausa diagnosticadas com osteoporose. Pesquisa documental, seguida de pesquisa de campo, descritiva, exploratória, transversal com abordagem quantitativa. Foram entrevistadas 16 mulheres com idade superior a 50 anos sobre fatores de risco para osteoporose e hábitos de vida. Para avaliação da qualidade de vida foi utilizado o questionário SF-36, sendo realizada a ponderação dos dados e o cálculo dos domínios (RAW SCALE). A maioria das entrevistadas era branca, estava acima do peso, não praticava atividade física, não era tabagista e nem consumia bebida alcoólica. A qualidade de vida mostrou-se reduzida em todos os domínios. Verificou-se que domínios referentes ao componente físico afetaram mais a QV dos pacientes com osteoporose do que os relacionados à saúde mental. A razão para escores mais baixos entre mulheres com osteoporose é provavelmente multifatorial. Em comparação às que não possuem a doença, estas tendem a ser mais velhas; mais propensas ao sedentarismo; mais susceptíveis às comorbidades e a sofrer complicações crônicas. Todos estes fatores têm sido associados a uma pior QV. A osteoporose é uma doença que contribui para a diminuição da qualidade de vida das mulheres, visto que prejudica domínios importantes como os físicos (dor, aspectos físicos). Faz-se necessário, portanto, a implantação de políticas de promoção de saúde para melhorar a QV dessas mulheres.


Keywords


menopausa, osteoporose, qualidade de vida.

References


AUAD, MA et al. Eficácia de um programa de exercícios físicos na qualidade de vida de mulheres com osteoporose. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v. 33, n. 1, 2008.

BACCARO, L.F. et al. Factors associated with osteoporosis in Brazilian women: a

population-based household survey. Archives of osteoporosis, v. 8, n. 1-2, p. 138, 2013.

BOTOGOSKI, S.R et al. Os Benefícios do exercício físico para mulheres após a menopausa. Arquivos Médicos dos Hospitais da Santa Casa de São Paulo, v. 54, n. 1, p. 18-23, 2018.

CAPUTO, E. L.; COSTA, M. Z. Influência do exercício físico na qualidade de vida de mulheres pós‐menopáusicas com osteoporose. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 54, n. 6, p. 467-473, 2014.

CICONELLI, RM et al. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev bras reumatol, v. 39, n. 3, p. 143-50, 1999.

EJERI, S. et al. Estrogen deficiency and its effect on the jaw bones.J. Bone Min.Metab., [s.l], v. 26, n.5, p. 409-415, 2008.

LAGUARDIA, J et al . Dados normativos brasileiros do questionário Short Form-36. Rev. bras. epidemiol., São Paulo , v. 16, n. 4, p. 889-897, 2013.

LEMOS, MC Davel et al. Qualidade de vida em pacientes com osteoporose: correlação entre OPAQ e SF-36. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 46, n. 5, p. 323-328, 2006.

LESNYAK, O. et al Working group for the audit on burden of osteoporosis in eurasian region. report on the audit on burden of osteoporosis in eight countries Arch. Osteoporos., [s.l], v.15, n. 1,p.175, 2020.

MOON SS et al. Association of nonalcoholic fatty liver disease with low bone mass in postmenopausal women. Endocrine, 2012.

MORI, N L R. Resolubilidade e demanda para as especialidades: estudo transversal dos encaminhamentos a partir da atenção básica. 2018.

OLEKSIK, AM. et al. Impact of incident vertebral fractures on health related quality of life (HRQOL) in postmenopausal women with prevalent vertebral fractures. Osteoporosis international, v. 16, n. 8, p. 861-870, 2005.

PEREIRA, E. et al. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 26, n. 2, p. 241-250, 2012.

PINHEIRO, M.M; EIS, S.R. Epidemiology of osteoporotic fractures in Brazil: what we have and what we need. Arq Brasil Endocrinol Metabol. 2010.

RADOMINSKI, S. C et al. Diretrizes brasileiras para o diagnóstico e tratamento da osteoporose em mulheres na pós‐menopausa. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 57, p. 452-466, 2017.

RODRIGUES, I. G; BARROS, M. B. A. Osteoporose autorreferida em população idosa: pesquisa de base populacional no município de Campinas, São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, p. 294-306, 2016.

SANTOS, RLB et al. Fatores associados à qualidade de vida de brasileiros e de diabéticos: evidências de um inquérito de base populacional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 1007-1020, 2019.

WENDER, C. O. M et al. Consenso Brasileiro de Terapêutica Hormonal da Menopausa. Associação Brasileira de Climatério (SOBRAC). São Paulo: Leitura Médica, 2014.

WHO et al. Assessment of fracture risk and its application to screening for postmenopausal osteoporosis. Report of a WHO Study Group. World Health Organ. Tech. Rep. Ser., v. 843, p. 1-129, 1994.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-047

Refbacks

  • There are currently no refbacks.