Análise da cobertura vacinal de sarampo na região metropolitana de Belém-PA entre 2013 e 2019 / Analysis of measles vaccine coverage in the metropolitan region of Belém-PA between 2013 and 2019

Adriana Costa Lima, Beatriz Cardoso Diniz, Ana Lídia Soares dos Santos, Ádria Cristhellen de Jesus Costa, Breno Ribeiro da Silva, Alcinês da Silva Sousa Júnior

Abstract


Introdução: A cobertura vacinal (CV) configura-se como um fundamental indicador de saúde das populações e da qualidade da atenção dispensada pelos sistemas e serviços de saúde, sendo mensurada como o percentual de vacinados na população alvo para cada vacina, com uma taxa mínima preconizada de 95% de cobertura. No que se refere à imunização ao sarampo, depois de muitos avanços para imunizar em massa as populações, em 2016 o Brasil recebeu o certificado da erradicação desse agravo de saúde, porém em 2018 essa conquista foi perdida, devido ao avanço de surtos. A região Norte apresenta cinco (71,4%) estados com surtos, com o estado do Pará apresentando uma taxa de 50% dos óbitos ocorridos. Objetivo: Investigar o índice de CV das vacinas tríplice viral (D1 e D2) e tetra viral nos municípios que compõem a Região Metropolitana de Belém. Método: Estudo epidemiológico descritivo e quantitativo, com coleta de dados secundários realizada na base de dados do DATASUS, verificando a cobertura vacinal dos 7 municípios que constituem a região metropolitana de Belém no Pará no período de 2013 a 2019. Resultados: A CV dos municípios pesquisados mostra que, quanto à primeira dose (D1) da vacina tríplice viral (SCR), esta permaneceu em sua maioria abaixo do preconizado, exceto no ano de 2013, em que todos os municípios, exceto Benevides (92.38%) e Castanhal (88.34%), conseguiram atingir a meta estabelecida. Somado a isso, os dados demonstram significativa diminuição da cobertura vacinal total em comparação com a cobertura vacinal da primeira dose (D1), constituindo descontinuidade e incompletude da tomada das doses posteriores no contexto da imunização contra o sarampo. Além disso, evidenciou-se que, em 6 anos, a cobertura vacinal da tetra viral foi inferior quando comparada à cobertura da segunda dose da tríplice viral, 2016 foi a exceção. Observa-se que o município de Santa Bárbara do Pará apresentou, em 2016, a menor taxa de cobertura durante os anos analisados, com alarmantes 14.66%.  Conclusão: Os municípios alvo dessa pesquisa apresentaram dificuldades em alcançar o nível ideal de CV contra o Sarampo e tal realidade parece estar associada a diversos fatores, como deficiências estruturais e ascensão de pensamentos contrários a essa medida profilática. Ademais, a disparidade entre os números referentes às doses, é notória, sendo deletéria à efetividade da imunização contra a infecção discutida. O monitoramento da cobertura vacinal é fulcral, pois medidas podem ser tomadas para o alcance do ideal na região que sofre com o avanço dos casos de sarampo.


Keywords


cobertura vacinal, sarampo.

References


ARROYO, L. H. et al. Áreas com queda da cobertura vacinal para BCG, poliomielite e tríplice viral no Brasil (2006-2016): mapas da heterogeneidade regional. Cad. Saúde Pública, v. 36, n. 4, 2020. ISSN 1678-4464. Disponível em: . Acessado em: 28 outubro 2020

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico 26, v. 51, Jun. 2020. Informe Semanal Sarampo – Brasil, Semanas Epidemiológicas 1 a 24, 2020. Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2020/June/27/Boletim-epidemiologico-SVS-26.pdf Acessado em: 28 de Outubro de 2020.

______. Ministério da Saúde. Coberturas vacinais no Brasil. Disponível em: .Acessado em: 29 de Outubro de 2020.

______. Ministério Da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Informações em Saúde. Informações Demográficas e Socioeconômicas. Disponível em: http://www.datasus.gov.br Acessado em: 25 de Outubro de 2020.

______. Ministério da Saúde. Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2020 enviadas ao Tribunal de Contas da União. Rio de Janeiro: IBGE, 2020a. Disponível em: . Acessado em: 31 de outubro de 2020.

______. Ministério da Saúde. Instrução normativa referente ao calendário nacional de vacinação 2020. Disponível em: . Acessado em: 28 de outubro de 2020.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume 1 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia e Serviços. – 1. ed. atual. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Plan for travel. Atlanta, 2019. Disponível em:. Acessado em: 28 outubro 2020.

CLELAND, J. G.; VAN, G. J. K. Maternal education and child survival in developing countries: the search for pathways of influence. Soc Sci Med., v. 27, n.12, p. 1357-1368, 1988 apud SILVA, A. A. M. et al. Cobertura vacinal e fatores de risco associados à não-vacinação em localidade urbana do Nordeste brasileiro, 1994. Rev. Saúde Pública., v. 33, n. 2, p. 147-156, Abr. 1999

DOMINGUES, C. M. A. S.; TEIXEIRA, A. M. S. Coberturas vacinais e doenças imunopreveníveis no Brasil no período 1982-2012: avanços e desafios do Programa Nacional de Imunizações. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 22, n. 1, p. 9-27, 2013.

DOMINGUES, C. M. S. et al. 46 anos do Programa Nacional de Imunizações: uma história repleta de conquistas e desafios a serem superados. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, Out, 2010.

FEIJO, R. B.; CUNHA, J.; KREBS, L. S. Calendário vacinal na infância e adolescência: avaliando diferentes propostas. Porto Alegre, 2006. Disponível em: Acessado em: 30 outubro 2020.

FERREIRA, V. L. R. et al. Avaliação de coberturas vacinais de crianças em uma cidade de médio porte (Brasil) utilizando registro informatizado de imunização. Cadernos de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 9. 2018.

FRANCISCA, S. L. S. L.; RAMALHO,M. I. L.; SOUSA, M. N. A. EVOLUÇÃO DO SARAMPO NO ESTADO DE RORAIMA E A ATUAL SITUAÇÃO VACINAL NO BRASIL. Revista Eletrônica da FAINOR, Vitória da Conquista, v.12, n.1, p.129-140,jan./abr. 2019.

JÚNIOR, J. B. S. 40 anos do Programa Nacional de Imunizações: uma conquista da Saúde Pública brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v.22, n.1, 2013.

MACDONALD, N. Vaccine hesitancy: definition, scope and determinants. Vaccine, v. 33, n. 34, p. 4161-4164, ago. 2015.

MAI, S. et al. Utilização e perda de doses de vacinas na Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul: um estudo descritivo de 2015-2017. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 28, n. 3, p. e2018389, 2020. ISSN 1679-4974. Disponível em: . Acessado em: 29 outubro 2020

MORAES, M. M. et al. Estudo soroepidemiológico do sarampo em populações residentes na Região Metropolitana de Belém, estado do Pará, Brasil, 2016 a 2018. Ananindeua, 2020. Disponível em . Acessado em: 27 outubro 2020.

MOURA, A. D. A, et al. Estratégias e resultados da vacinação no enfrentamento da epidemia de sarampo no estado do Ceará, 2013-2015. Epidemiol Serv Saúde, Brasília, v. 27, n.1, fev, 2018 Disponível em: https://doi.org/10.5123/s1679-49742018000100010 Acessado em: 28 de Outubro de 2020.

NORA, T. T. D. et al. Situação da cobertura vacinal de imunobiológicos no período de 2009-2014. Rev. Enferm UFSM, v. 6, n. 4, p. 482-493, Out/Dez, 2016.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Folha informativa: sarampo. OPAS, 2019. Disponível em: . Acessado em: 28 outubro 2020.

QUEIROZ, L. L. C. et al. Cobertura vacinal do esquema básico para o primeiro ano de vida nas capitais do Nordeste brasileiro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, p. 294-302, Fev, 2013.

ROCHA, H. et al. Factors associated with non-vaccination against measles in northeastern Brazil: clues about causes of the 2015 outbreak. Vaccine, v. 33, n. 38, p. 4969–4974, jul. 2015 apud RODRIGUES, B. L. P et al. Atualizações sobre a imunização contra o sarampo no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Eletrônica Acervo Saúde, n. 55, p. 1-9, ago. 2020.

SESPA-SECRETARIA DE SAÚDE PÚBLICA DO PARÁ. Boletim Epidemiológico do Sarampo 02 – jun./2020. Governo do Pará. Divisão de Vigilância Epidemiológica/DEPI/DVS/SESPA – Atualizado em 26/06/2020. Disponível em:Acessado em: 28 de Outubro de 2020.

SILVA, E. T. D. Análise da cobertura vacinal da tríplice viral (d1) em crianças de 1 ano, Matinhos, Brasil, 2018. 2019. Monografia (Graduação em Saúde Coletiva). Matinhos: Universidade Federal do Paraná

SUCCI, R. C. M. Recuso Vacinal – que é preciso saber. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v. 94, n. 6, p. 574-581, Dez. 2018. Disponível em: Acessado em: 29 outubro 2020.

TEIXEIRA, A. M. S.; ROCHA, C. M. V. Vigilância das coberturas de vacinação: uma metodologia para detecção e intervenção em situações de risco. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasilia, v. 19, n. 3, p. 217-226, jul-set, 2010.

ZORZETTO R. As razões da queda na vacinação. Pesquisa Fapesp, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-068

Refbacks

  • There are currently no refbacks.