O perfil epidemiológico do transporte aéreo neonatal / The epidemiologycal profile of the air transportation of the newborns

Vania Paula de Carvalho, Flavio Lopes Ferreira, Norberto Machado, Bruno Goncalves da Silva, Maria Eduarda Becho Arger Marchetti, Andre Alves Elias, Elza Machado de Melo

Abstract


O transporte inter-hospitalar é realizado em aeronaves com infraestrutura de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e presta atendimento a todas faixas etárias. No presente artigo, nosso objetivo foi avaliar o perfil epidemiológico das aerorremoções inter-hospitalares neonatais, dos gemelares e fazer algumas considerações sobre as especificidades do transporte aéreo neonatal. Trata-se de um estudo retrospectivo, quantitativo, descritivo, realizado na Unimed Aeromédica em Belo Horizonte- MG, Brasil. A coleta de dados foi de janeiro de 2013 a maio de 2016, a amostra foi constituída de 414 recém-nascidos e os dados foram obtidos através de banco de dados e da análise das fichas de voo. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa sob parecer no03/2016. A incidência de voos gemelares teve a média de 2,15% anual, faixa etária com mediana de 2 dias, maioria sexo masculino 57,8% e mesma incidência entre as categorias diagnósticas de prematuridade e aparelho cardiovascular (34%). O trabalho realizado com equipe experiente, especializada e equipamentos de primeira geração otimiza as chances de sobrevida dos neonatos.


Keywords


transporte de pacientes, enfermeiro, neonato, gêmeos.

References


Mendes C, Bettencourt A, Onofre J, Garcia P, Bardeja A. Transporte do RN para a UCIN terciária. SPN [base de dados na internet]. Lisboa; 1995 [Acesso em 2016 Out 05]. Disponível em: < http://www.lusoneonatologia.net/page/publications/consensus/pt >

Viana DL, Contim D, Abe ESH, Azevedo SDR, Nascimento AB, Matsushima AK, et al. Manual de Procedimentos em Pediatria. São Paulo: Yendis Editora; 2008.

Dryen MC, Morton JS, Pollack WHM. History of patient transport. Stabilization and transport of the critically ill. New York: Churchill Livingtone; 1997,p.1-11.

Pegado HA. Monitoramento de Vibrações: uma ferramenta eficiente na prevenção de acidentes com helicópteros. Rev. Conexão SIPAER. 2010;1(1)

Conselho Federal de Enfermagem. Leis Cofen n. 7498 de 1986 e Resoluções Cofen 260/2001 e 300/2005. Disponível em http://site.portalcofen.gov.br.

Procedimentos Operacionais Padrão. Unimed Aeromédica. Transporte Médico de Urgência. No prelo 2016.

Ratton JLA. Medicina Intensiva. 2a ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 2005. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária [base de dados na internet].Brasília (DF): SVS; [acesso em 2016 Out 05]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/466_98.htm

Oliveira GR. Black book Pediatria. 2a ed. Belo Horizonte: Black book; 2002.p.412-13

Inosoft RB. Essential of neonatal Transport. [base de dados na internet].

Boston; 2002 [Acesso em 2016 Out 05]. Disponível em:

Warren J,et al. Guidelines for the inter and intrahospital transport of critically ill patients. Crit Care Med. 2004;32:256-62 Mc Guire NM. Monitoring in the field. Br J Anesthesia. 2006;97:46-56. Dias CP. O cotidiano de trabalho dos profissionais de saúde no transporte aéreo de pacientes (dissertação). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2010. Costa SF. Introdução Ilustrada à estatística. 3a ed. São Paulo: Harbra; 1998. Belline C, Risso FM, Serveli S, Natalizia AR, Ramenghi LA. Simultaneous transport of twin newborns. Air Med J. 2013;32:334-337




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-087

Refbacks

  • There are currently no refbacks.