Efeitos do brinquedo terapêutico em serviços hospitalares pediátricos / Effects of therapeutic toy in pediatric hospital services

Yasmim Xavier Arruda Costa, Arianny Luiza Barros de Santana, Danielle Cavalcante Cruz Almeida, Julio Cesar Pereira da Silva, Joao Bosco Martins de Sousa, Henrique Sousa Rodrigues, Geicy Thaoane da Silva Vieira Santos, Giovana Gomes de Oliveira, Regina Vitória Costa Mendes, Joana Josiane Andriotte Oliveira Lima Nyland, Marcos Gregory Cintra Parreira, Fabio José Antonio da Silva, Dunya Monteiro Ibrahim, Frederico Rosa Fonseca, Paula de Carvalho Bacelar

Abstract


O seguinte estudo tem como objetivo descrever os efeitos do brinquedo terapêutico em serviços hospitalares pediátricos. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, de abordagem qualitativa, de natureza exploratória e descritiva. A elaboração da pergunta norteadora ocorreu fazendo uso do acrônimo PICo (população, interesse e contexto), sendo P (pediatria), I (uso de brinquedo terapêutico) e C (emergências e urgências), o que gerou na seguinte indagação: Como se dá a utilização do brinquedo terapêutico nos serviços de emergências e urgências pediátricas? O levantamento nas bases de dados foi efetuado na Medical Literature Analysis and Retrieval System On-line (MEDLINE), por meio da PubMed; Banco de Dados em Enfermagem (BDENF) e Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), por intermédio da Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), e a Biblioteca Virtual (Scielo). Os Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) utilizados foram: “jogos e brinquedos”, “terapêutica”, "hospitais" e “pediatria”, cruzados entre si pelo operador booleano AND. A utilização do brinquedo terapêutico pode contribuir para explorar os interesses, expectativas e necessidades das crianças. As brincadeiras puderam desenvolver características como controle de situação, autonomia, competição, solidariedade, assim como relação família-paciente. Em virtude do que foi mencionado, percebe-se que crianças podem se beneficiar do brinquedo terapêutico. Nesse sentido, é importante que haja capacitação dos profissionais em relação ao saber usar os brinquedos a fim de promover um atendimento mais leve e humanizado para aquela criança que está em dor e sofrimento.


Keywords


hospitais, jogos e brinquedos, pediatria, terapêutica.

References


ARANHA, Bruna Ferreira et al. Utilizando o brinquedo terapêutico instrucional durante a admissão de crianças no hospital: percepção da família. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 41, 2020.

ARAÚJO SILVA, Jocelle de et al. O lúdico como recurso terapêutico no tratamento de crianças hospitalizadas: percepção dos enfermeiros. Enfermagem em Foco, v. 12, n. 2, 2021.

BERTÉ, Caroline et al. Brinquedo terapêutico no contexto da emergência pediátrica. Revista Baiana de Enfermagem‏, v. 31, n. 3, 2017.

CANÊZ, Juliana Bordoni et al. O brinquedo terapêutico no cuidado à criança hospitalizada. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 88, n. 26, 2019.

DAL CHIAVON, Susane et al. Utilização do brinquedo terapêutico para a criança que vivencia o processo de hospitalização: uma revisão narrativa. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 1, p. 382-398, 2021.

DA SILVA, Charlene et al. O enfermeiro e a criança: a prática do brincar e do brinquedo terapêutico durante a hospitalização. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 41, n. 1, p. 95-106, 2020.

DA SILVA, Jéssica Maria Lins et al. O brinquedo terapêutico instrucional como ferramenta na assistência oncológica infantil. Research, Society and development, v. 9, n. 7, p. e408974253-e408974253, 2020.

DA SILVA MELLO, André et al. O Brincar ee Criança em Tratamento Oncológico: Relações para além da Dimensão Terapêutica. LICERE-Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, v. 24, n. 2, p. 97-119, 2021.

DE SOUSA, Crislaine Siqueira et al. O brinquedo terapêutico e o impacto na hospitalização da criança: revisão de escopo. Rev Soc Bras Enferm Ped.| v, v. 21, n. 2, p. 173-80, 2021.

ERCOLE, F. F.; MELO, L. S.; ALCOFORADO, C. L. G. C. Revisão Integrativa versus revisão sistemática. Revista Mineira de Enfermagem. 2016; 18 (1) 12-14 Disponível em:< https://www. reme. org. br/artigo/detalhes/904>. Acessado em, v. 15, n. 10, 2019.

LIMA, Mayanny da Silva Lima Silva et al. A importância do lúdico à criança hospitalizada: Revisão Integrativa. Revista Ciência & Saberes-UniFacema, v. 1, n. 2, p. 139-142, 2015.

MOTA PACCIULIO SPOSITO, Amanda et al. O melhor da hospitalização: contribuições do brincar para o enfrentamento da quimioterapia. Avances en Enfermería, v. 36, n. 3, p. 328-337, 2018.

PEREIRA, Roger Trindade; ROLIM, Carmem Lucia Artioli. A manifestação da ludicidade na hospitalização infantil: do ambiente às práticas ludo-terapêuticas. Revista Educação Especial, p. e7/1-25, 2022.

OLIVEIRA, Débora dos Santos et al. Brinquedo terapêutico e a assistência de enfermagem: revisão integrativa. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, v. 9, n. 3, p. 563-572, 2020.

RIBEIRO, Wanderson Alves et al. Contributos do brinquedo terapêutico no processo de cuidado a criança hospitalizada: um estudo da literatura. Research, Society and Development, v. 9, n. 7, p. e1000974706-e1000974706, 2020.

DOS SANTOS, Gustavo Mendes et al. A influência do brinquedo terapêutico no cuidado à criança em ambiente hospitalar. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde, 2020.

SILVA, Sabrina Gisele Tobias da et al. Influência do Brinquedo Terapêutico na ansiedade de crianças escolares hospitalizadas: Ensaio clínico. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, p. 1244-1249, 2017.

SOSSELA, Cláudia Roberta; SAGER, Fábio. A criança e o brinquedo no contexto hospitalar. Revista da SBPH, v. 20, n. 1, p. 17-31, 2017.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), v. 8, p. 102-106, 2010.

VENTURA, Jeferson et al. The impact of recreational care activity in the immediate postoperative period/O impacto do cuidado lúdico no pós-operatório imediato. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, v. 10, n. 4, p. 936-940, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-095

Refbacks

  • There are currently no refbacks.