Condutas assistenciais que caracterizam violência obstétrica no interior do Estado do Pará, Norte do Brasil/ Assistance conducts that characterize obstetric violence in the State’s countryside of Pará, North of Brazil

Antônia Lyandra Jesus dos Santos, Gracileide Maia Corrêa, Layane Jesus dos Santos, Wangler Adenilto Vasconcelos de Assis, Selma Gomes da Mota, Adriana Paiva Camargo Saraiva

Abstract


Objetivo: descrever as principais condutas não recomendadas para a assistência durante o trabalho de parto e parto que identificam violência obstétrica no interior do Estado do Pará. Método: estudo transversal descritivo com abordagem quantitativa. Dados sociodemográficos e de assistência ao parto foram obtidos através de entrevistas com 96 mulheres em período puerperal, realizadas em unidades de atenção primária à saúde em novembro de 2016. A identificação da violência obstétrica foi baseada nas recomendações de assistência ao trabalho de parto e parto da Organização Mundial da Saúde. Para análise dessas condutas utilizou-se frequências absolutas e relativas no programa SPSS Statistics 20. Resultados: todas as participantes relataram condutas que caracterizam a violência obstétrica. Menos de 50% estiveram felizes e realizadas no pós-parto imediato. As condutas mais frequentes foram falas desrespeitosas (69.8%), repreensão (67.7%), proibição do acompanhante (54.9%), ausência de contato pele a pele e amamentação (65,6%) e intervenções obstétricas sem consentimento esclarecido (100%), sendo posição de decúbito (77.1%), jejum (62.5%), toques vaginais (57.3%), amniotomia (56,3%), medicações (52,2%) e manobra de Kristeller (43.8%) as mais apontadas. Conclusões: a alta frequência de condutas prejudiciais citadas pelas mulheres demonstra a ocorrência da violência obstétrica nos hospitais do município e revelam um modelo de atendimento tecnicista distante da assistência humanizada recomendada pela Organização Mundial da Saúde.


Keywords


obstetrícia, violência, parto, assistência à saúde.

References


Rede Parto do Princípio. Mulheres em Rede pela Maternidade Ativa. Dossiê da Violência Obstétrica “Parirás com dor” [online]. Senado Federal, Brasília, Brasil, 2012. [acesso 28 nov 2017] Disponível em: https://www.partodoprincipio.com.br/viol-ncia-obst-trica.

Aguiar JM, D’Oliveira AFPL. Institutional violence in public maternity hospitals: the women´s view. Interface - Comunic. Saude Educ. 2010; 15(36): 79-91.

Pérez BAG, Oliveira EV, Lago MS. Percepções de puérperas vítimas de violência institucional durante o trabalho de parto e parto. Rev. Enferm. Contemp. 2015; 4(1): 66-77.

Biscegli TS, Grio JM, Melles LC, Ribeiro SRMI, Gonsaga RAT. Violência Obstétrica: Perfil Assistencial de uma Maternidade Escola do Interior do Estado de São Paulo. Rev. CuidArte Enferm. 2015; 9(1):18-25.

Santos RCS, Souza NF. Violência institucional obstétrica no Brasil: revisão sistemática. Estação Científica (UNIFAP). 2015; 5(1): 57-68.

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública. 2014; (sup.): S17-S47.

Guimarães LBE, Jonas E, Amaral LROG. Violência obstétrica em maternidades públicas do Tocantins. Rev. Estud. Feminist. 2017; 26(1): e43278.

Soares BP, Vasconcelos TC, Quaresma JS, Rodrigues RLS, Alcântara JPB, Costa MQ. Violência obstétrica e suas implicações, Montes Claros-MG. Rev Norte Mineira de enferm. 2015; 4 [Edição Especial]:93-94.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Declaração da OMS. Genebra, Suíça. 2014. [acesso em 3 mar 2017]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134588/WHO_RHR_14.23_por.pdf?sequence=3.http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134588/WHO_RHR_14.23_por.pdf?sequence=3.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS. Humanização do parto e do nascimento. Universidade Estadual do Ceará. Brasília, 2014, v.4, p.467. [acesso em 4 mar 2017]. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil/Pará/Conceição do Araguaia [online]. Brasil; 2017. [acesso 15 mar 2017]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/conceicao-do-araguaia/panorama.

Venturi G, Bokany V, Dias R, Alba D, Rosas W, Figueiredo N, editores. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços públicos e privado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo e SESC; 2010.

Organização Mundial da Saúde. Declaração da OMS sobre Taxas de cesáreas. Genebra, Suíça. 2015. [acesso em 3 mar 2017]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/161442/WHO_RHR_15.02_por.pdf?sequence=3.

Domingues RMS, Santos EM, Leal MC. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para o debate. Cad. Saúde Pública. 2004; 20 (sup. 1): S52-S62.

Carvalho MHJ, Vaz MBS, Silva MAM, Rodrigues MT, Martins NQB, Alamy AHB, Pacheco LM. A violência obstétrica em gestantes, parturientes e puérperas: um estudo de prevalência. Brazilian Journal of Health Review. 2021; v.4, n.6, p. 26299-26320.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei Nº 11.108, 7 de abril de 2005. Altera a Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. [acesso em 10 mar 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm.

Rodrigues FAC, Lira SVG, Magalhães PH, Freitas ALV, Mitros VMS, Almeida PC. Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à Rede Cegonha. Reprod Clim. 2017; 32(2): 78-84.

Pan American Health Organization. Beyond survival: integrated delivery care practices for long-term maternal and infant nutrition, health and development. 2. ed. Washington, DC: PAHO, 2013, 77p. [acesso em 10 mar 2017]. Disponível em: https://www.who.int/nutrition/publications/infantfeeding/BeyondSurvival_2nd_edition_en.pdf?ua=1.

Lawrence A, Lewis L, Hofmeyr GJ, Dowswell T, Styles C. Maternal Positions and Mobility during first stage labour. Cochrane Database Syst Rev. 2009; (2): CD003934.

Kemp E, Kingswood CJ, KibuKa M, Thornton JG. Position in the second stage of labour for women with epidural anaesthesia. Cochrane Database Syst Rev. 2013; 31(1): CD008070.

Singata M, Tranmer J, Gyte GM. Restricting oral fluid and food intake during labour. Cochrane Database Syst Rev. 2010;(1):CD003930.

Hofmeyr GJ. Evidence-based intrapartum care. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. 2005; 19(1):103-15.

Keppler AB. The uso of intravenous fluids during labor. Birth. 1988; 15(2): 75-9.

Melo CRM, Peraçoli JC. Mensuração da energia despendida no jejum e no aporte calórico (MEL) em parturientes. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007; 15(4): 612-17.

Organização Pan-Americana da Saúde. Gobierno Vasco, Servicio Central de Publicaciones. Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal. Versão restrita. Brasília, DF, 2013, 316p.[acesso em 10 mar 2017]. Disponível em: http://www.abenforj.com.br/site/arquivos/manuais/226.pdf.

Wolff LR, Waldow VR. Violência consentida: mulheres em trabalho de parto e parto. Saúde soc. [Internet]. 2008; 17(3): 138-51. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000300014.

Andrade PON, Silva JQP, Diniz CMM, Caminha MFC. Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife. Recife; 2016.

Silva FMB, Paixão TCR, Oliveira SMJV, Leite JS, Riesco MLG, Osava RH. Assitência em um centro de parto segundo as recomendações da Organização Mundial da Saúde. Rev. Esc. Enferm. USP [Internet]. 2013; 47(5): 1031-8. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n5/pt_0080-6234-reeusp-47-05-1031.pdf.

Organização Mundial da Saúde. Departamento de Saúde Materno-infantil, da criança e do adolescente da OMS. Departamento de Saúde Reprodutiva e Pesquisa da OMS. Recomendações para o aumento do trabalho de parto. Destaques e principais mensagens das recomendações globais de 2014 da Organização Mundial da Saúde. 2015, 4p. [acesso em 18 abr 2017]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/174001/WHO_RHR_15.05_por.pdf?ua=1.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Area técnica de Saúde da Mulher. Parto, Aborto e Puerpério. Assistência Humanizada à mulher. Brasília, DF, 2001, 199 p. [acesso em 10 mar. 2017]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf.

Santos LM, Silva JCR, Carvalho ESS, Carneiro AJS, Santana RCB, Fonseca MCC. Vivenciando o contato pele a pele com o recém-nascido no pós-parto como um ato mecânico. Rev Bras Enferm. 2014; 67(2): 202-7.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-116

Refbacks

  • There are currently no refbacks.