Uma abordagem centrada no usuário: avaliação de uma barra de apoio portátil universal / A user-centered approach: evaluation of a universal portable support bar

Michel Pagatini, Diogo Pontes Costa, Ana de Castro Schenkel, Eugenio Andrés Díaz Merino, Giselle Schmidt Alves Díaz Merino

Abstract


Uma parcela considerável da população mundial é formada por pessoas com deficiência, o que leva a dificuldades na execução de atividades da vida diária. Além destas dificuldades, há também o risco de acidentes por quedas, no caso de pessoas com deficiências físicas. Um exemplo é a transferência do cadeirante e do idoso, principalmente no contexto do banheiro, na bacia sanitária. Com a pandemia do COVID-19 houve um aumento de 20% em vendas de produtos como barras de apoio. Em razão disso, este trabalho teve como objetivo avaliar uma barra de apoio portátil universal por meio de uma abordagem centrada no usuário, tendo como amostra dois usuários voluntários: o primeiro do sexo feminino com idade de 61 anos com problemas de deficiência de locomoção devido a quedas, e o segundo do sexo masculino com 60 anos de idade, e que possui deficiência motora, sendo usuário de cadeira de roda motorizada. Foi realizada uma observação em contexto real de uso do produto junto aos participantes, incluindo gravações de vídeos, cronometragem e informações coletadas por meio de questionário. Em relação à avaliação, foi observado que a barra de apoio portátil apresentou problemas de funcionalidade, identificados na falha da fixação, somente sendo possível sua funcionalidade por meio da inserção de duas travas de plástico adaptadas. Dentre os problemas de usabilidade destacam-se o manual de instruções em língua inglesa, a falta de identificação dos materiais nas quais a barra possa ser utilizada, a falta de informações referentes ao tempo médio de fixação do produto. A grande contribuição do estudo foi avaliar um produto de Tecnologia Assistiva, perante pessoas com deficiência.


Keywords


pessoas com deficiência, usabilidade, tecnologia assistiva.

References


ARAUJO, Luiz Antonio Souza; FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. O cuidado com pessoas com deficiência em tempos do COVID-19: considerações acerca do tema. Brazilian Journal Of Health Review, [S.L.], v. 3, n. 3, p. 5469-5480, 2020. Brazilian Journal of Health Review.

BATISTA, Juliana Secchi; WIBELINGER, Lia Mara. Artrite gotosa no processo de envelhecimento humano. Kairós: Gerontologia, São Paulo, v. 4, n. 14, p. 123-134, nov. 2011.

BERSCH, Rita de Cássia Reckziegel. Design de um Serviço em Tecnologia Assistiva em Escola Pública. 2009. 231 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Design, Design, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BRASIL. DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004. Decreto n°5.296. 183o da Independência e 116º da República, Brasília, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução CNS nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF: Diário Oficial da União. 2013. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 01 fev. 2021.

BRASIL, Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Lei nº 13.146. Brasília, 2015.

CASTRO, C. et al. Relato de Quedas na População Neurológica Adulta e Sua Importância no Setor de Fisioterapia Aquática. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento. São Paulo. 2016, 16(2): 47-54.

CAT (Comitê de Ajudas Técnicas). Tecnologia Assistiva. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Brasília: CORDE, 2009.

CHEN et al. Wheelchair -related accidents: relationship with wheelchair-using behavior in active community wheelchair users Arch Phis Med Rehabil, 2011.

CLARKSON, P. John; COLEMAN, Roger. History of Inclusive Design in the UK. Applied Ergonomics, [S.L.], v. 46, p. 235-247, jan. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.apergo.2013.03.002.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Conheça o Brasil – População: Pessoas com Deficiência. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em :https://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=idosos&searchphrase=all.Acesso em: 04 jan 2020.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2 ed. rev. ampla. São Paulo: Edgard Blucher, 2005. 630 p

IMRIE, Rob; HALL, Peter. Inclusive Design: designing and developing accessible environments. New York: Spon Press, 2001. 187 p.

ISO (1998). ISO 9241-11: Ergonomic requirements for office work with visual display terminals (VDTs). Part 11 Guidelines for specifying and measuring usability. Gènève: International Organisation for Standardisation.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 9999: assistive products for persons with disability - classification and terminology. 5th ed. Geneva: ISO, 2011. V,86 p.

JORDAN, P. W. An Introduction to Usability. Londres: Taylor Andamp; Francis Ltda., 1998.

Kinovea. Software. Disponível em: https://www.kinovea.org/. Acesso em 18 de jan. 2021.

MERINO Giselle Schmidt Alves Díaz. GODP - Guia de Orientação para Desenvolvimento de Projetos: Uma metodologia de Design Centrado no Usuário. Florianópolis: Ngd/Ufsc, 2016. Disponível em: Acesso em: 10 ago 2020.

MERINO, Eugenio Andrés Díaz. Usabilidade: 10 princípios Jordan. Florianópolis: Visual, 2020. 15 slides, color.

MORAES, A. D., & MONT’ALVÃO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações (1st ed.). 2AB, 2010.

NIERLING, L.; et al. Assistive Technologies for People with Disabilities. Part III: Perspectives on Assistive Technologies Study. European Parliament: Brussels, Belgium. 101p. 2018.

NBR 9050. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan 2021.

NETO, J. et al. Percepção sobre queda e exposição de idosos a fatores de risco domiciliares. Ciência & Saúde Coletiva. 2018.

O VALE, 2020. Salta o número de acidentes domésticos durante a pandemia. Disponível em: . Acesso em: 18 de jan 2021.

PASSINATO, C. Sobre pessoas com deficiência e Covid-19. Instituto de Química. UFRJ. 2021. Disponível em:

. Acesso em: 17 fev 2021.

PRESTES, Rafael Cavalli. Tecnologias Assistivas: Atributos do Design de Produto para adequação postural personalizada para posição sentada. 2011. 97 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Design e Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

SALES, Márcia Barros de. Desenvolvimento de um checklist para a avaliação de acessibilidade da web para usuários idosos. Florianópolis, 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), UFSC.

SAVERINO, A.; MORIARTY, A.; PLYFORD, D. The risk of falling in young adults with neurological conditions: a systematic review. Disability and Rehabilitation. Londres. 2014, 36(12): 963–977.

SBGG - Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Atividades da Vida Diária - o que são?. Disponível em: . Acesso em: 14 fev 2021.

SHIELDS, M. Use of wheelchairs and other mobility support devices. Health Rep 2004;

SILVA Edna L.; MENEZES, Estera M. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4. ed. Florianópolis: 2005. 139 p. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2019.

SOMMER, R. Social Design: Creating Buildings with People in Mind. New Jersey: Prentice Hall Inc., 1983.

TSAI S. et al. The brief window of time comprising a wheelchair transfer confers a significant fracture risk on elderly Americans, 2020.

UNESCO. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Política e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Espanha - Salamanca: Organização das Nações Unidas, nov. 1994. Disponível em: Acesso em: 24 de maio 2021.

WHO. International Classification of Functioning, Disability and Health. 2001. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2021.

XIANG H, Cheni AM, smith GA. Wheelchair related injuries treated in us emergency departments, 2006.

YSL MOMENTS. Helping Handle. Disponível em: . Acesso em: jan 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-125

Refbacks

  • There are currently no refbacks.