Avaliação da acurácia diagnóstica entre glicemia capilar e glicemia venosa no diagnóstico de hiperglicemia hospitalar / Evaluation of the diagnostic accuracy between capillary and venous glycemia in the diagnosis of in-hospital hyperglycemia

Júlio César Setubal Modesto de Abreu, Rogério Corrêa Medeiros, Rudival Faial de Moraes Júnior, José Alves de Lemos Neto, Márcio Yago Correa Gaia Gester

Abstract


A hiperglicemia hospitalar é uma condição clínica muito comum, inclusive em pacientes que necessitam de internação hospitalar, tendo como um dos fatores a hiperglicemia por estresse. Este quadro tem repercussões negativas para o paciente, como aumento da taxa de mortalidade e riscos de eventos cardiovasculares. O estudo foi desenvolvido na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará – FSCMPA, nas enfermarias de clínica médica do hospital, São Roque e São Paulo, sendo as coletas dos valores glicêmicos realizadas de duas maneiras, uma por punção venosa e outra de origem capilar. A punção venosa utilizou método colorimétrico, com controles internos de qualidade Nível 1 e 2; já a determinação da glicose capilar utilizou tiras reativas eletroquímicas (glicose desidrogenase) por glicosímetro, utilizando-se soluções controle nível 1 e 2. Foram utilizadas para a análise de variáveis numéricas, o teste de Normalidade de Shapiro Wilk, assim, em caso de normalidade será calculado o teste One-way ANOVA e em caso de não normalidade o teste T de Wilcoxon. Foi utilizado software BioEstat® 5.3 para análises descritivas e analíticas, utilizando o nível de significância α = 0,05 ou 5%. Observou-se que 93,3% dos pacientes tinham concentração glicêmica maior que 140 mg/dL quando realizado via glicemia capilar, enquanto 90% tinham concentração maior que 140 mg/dL quando realizada a medida de glicemia de sangue venoso. Em relação as mensurações glicêmicas, a via capilar apresentou valores em geral maiores (140 até 450 mg/dL) quando comparados aos da via venosa (118 até 394mg/dL). Entretanto, a variação mediana entre os métodos (9,8%), está dentro do intervalo de confiança para a mediana da variação, demonstrando que os valores estão dentro dos preconizados pela FDA, pela ADA e pela ISO. Dessa forma, a glicemia capilar pode ser utilizada com segurança, por ser tão acurada quanto a glicemia venosa para o diagnóstico de hiperglicemia hospitalar.


Keywords


hiperglicemia, diabestes, hospital, diagnóstico.

References


ADA. Diabetes Care in the Hospital: Standards of Medical Care in Diabetes - 2018. Diabetes Care, 2018; v. 41, n.1, p. 144-151.

BONAMICHI, B. D. S. F. et al. Aplicabilidade clínica da hemoglobina glicada na evolução do paciente com hiperglicemia hospitalar. Rev. Soc. Bras. Clín. Méd, 2015.

BOYD, J. C.; BRUNS, D. E. Quality specifications for glucosemeters: assessment by simulation modeling of errors in insulin dose. Clin Chem, 2001; v. 47, p. 209–214.

CORDOVA, C. M. M. et al. Determinação das glicemias capilar e venosa com glicosimetro versus dosagem laboratorial da glicose plasmática. J Bras Patol Med Lab, 2009 Out 2; v. 45, n. 5, p. 379-384.

FOOD AND DRUG ADMINISTRATION. Blood Glucose Monitoring Test Systems for Prescription Point-of-Care Use: Guidance for Industry and Food and Drug Administration Staff, Internet, 2016.

GOMES, P. M.; FOSS, M. C.; FOSS-FREITAS, M. C. Controle de hiperglicemia intra-hospitalar em pacientes críticos e não-críticos. Medicina (Ribeirão Preto), v. 47, n. 2, p. 194-200, 2014.

JONES, D. et al. Glycated hemoglobin testing to identify undiagnosed diabetes mellitus in the inpatients setting. J Am Osteopath Assoc., v. 116, n. 6,p. 350-7, Jun. 2016

LEVETAN C. S. et al. Unrecognized diabetes among hospitalized patients. Diabetes Care 1998 Feb; 21(2): 246-249.

MAKUC, J.; RAVBER, K.; KEBER, T. Glycemia management in a Slovenian general hospital. Wien Klin Wochenschr, 2016 Nov 15.

MIKHAIL, E. M; ACKERMAN, F. Observations and least squares. University Press of America, 1976 apud MÔNICO, J. F. G. et al. Bol. Ciênc. Geod., sec. Comunicações, Curitiba, v. 15, n. 3, p. 469-483, jul-set 2009.

OLIVEIRA Y. S. G et al. Comparação entre os métodos laboratorial e portátil na análise da glicemia em felinos com amostras de sangue venoso central e capilar. Ciênc. anim. bras, 2015. v.16, n.2.

RIBEIRO S. R.; CARVALHO, J. A. M. Impacto do rastreamento e monitoramento de glicemia capilar na detecção de hiperglicemia e hipoglicemia. Einstein. 2011; v. 9, n. 1, p. 14-17.

SCOTT M. G. et al. Tight glucose control in the intensive care unit: are glucose meters up to the task? Clin Chem, 2009; v. 55, n. 1, p. 18-20.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Controle da glicemia no paciente hospitalizado - Posicionamento Oficial SBD nº 03/2015. São Paulo, 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019-2020. São Paulo: Editora Clannad, 2019.

UMPIERREZ G. E. et al. Management of hyperglycemia in hospitalized patients in non-critical care setting: an endocrine society clinical practice guideline. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Volume 97, Issue 1, 1 January 2012, p.16–38

UMPIERREZ G. E. et al. Randomized study of basal-bolus insulin therapy in the inpatient management of patients with type 2 diabetes undergoing general surgery (RABBIT 2 surgery). Diabetes Care 2011 Feb; 34(2): 256-261.

UMPIERREZ G. E. et al. Randomized study of basal-bolus insulin therapy in the inpatient management of patients with type 2 diabetes (RABBIT 2 trial). Diabetes Care 2007 Sep; 30(9): 2181-2186.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-131

Refbacks

  • There are currently no refbacks.