Dispensação de medicamentos para pacientes idosos na rede pública de saúde de um município da região metropolitana do Vale do Paraíba - São Paulo / Dispensing medication for elderly patients in the public health network of a municipality in the metropolitan region of Vale do Paraíba - São Paulo

Márcio Ribeiro de Oliveira Júnior, Genivaldo Santos de Melo, Clarissa Abud Dantas de Oliveira, Luis Fernando Saquetti, Luciana Cristina Silveira Chaud, Dailton de Freitas, Helineide Cristina Campos Brum

Abstract


A despeito das lutas e conquistas nos últimos séculos para se obter um serviço de saúde de qualidade,  o aumento da longevidade pode trazer à tona vários problemas de saúde e com eles a polifarmácia que é utilizada em decorrencia das comorbidades que mais afetam essa faixa etária. Este estudo visou descrever e analisar a prevalência da utilização de 5 ou mais medicamentos prescritos por paciente e sua relação com o aumento da idade a partir dos 60 anos. Com este intuito foi realizado  um estudo retrospectivo em receitas dispensadas em uma  farmácia pública do município de Pindamonhangaba no estado de São Paulo. Neste estudo observou-se um predomínio do sexo feminino e um percentual considerável de interações medicamentosas por prescrições sendo a maioria destas de gravidade moderada.


Keywords


polifarmácia, interações medicamentosas, idosos, medicamentos, comorbidades.

References


Ministério da Saúde (Brasil). Relatório final da VIII Conferência Nacional de Saúde. Brasília, DF;1986. Disponívelem:https://books.scielo.org/id/qycmp/pdf/correia-9788575415221-09.pdf

Barros MBA, César CLG, Carandina L, Torre GD. Desigualdades sociais na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD-2003. Cien Saude Colet. 2006; 114: 911-926.

Ministério da Saúde (Brasil): Secretaria de Atenção Primária à Saúde. [Homepage na internet]. Saúde investe mais de R$ 221 milhões para atenção a pacientes com obesidade, diabetes e hipertensão. Acesso em: [21 fev 2022]. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/noticia/10236#:~:text=Segundo%20dados%20da%20Organiza%C3%A7%C3%A3o%20Mundial,anos%20s%C3%A3o%20v%C3%ADtimas%20dessas%20doen%C3%A7as.

Botrel TEA, Costa RD, Costa MD, Costa AMD. Doenças cardiovasculares: causas e prevenção. Revista brasileira de clínica e terapêutica. 2000; 26(3):87-90

Guyton, A.C. e Hall J.E.Tratado de Fisiologia Médica.14ª Edição. São Paulo. Editora Elsevier Ltda; 2021. 3732 p.

Alfonso R. Gennaro. Remington: A ciência e prática da Farmácia. 20ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. 2228 p.

Drugs.com [Internet]. Verificador de Interações Medicamentosas. Informações sobre medicamentos on-line. Acesso em: 01 março 2022. Disponível em:http://www.drugs.com/drug_interactions.php.

Masnoonn N, Shakib S, Kalisch-Ellett L, Caughey G.E. O que é polifarmácia? Uma revisão sistemática de definições. BMC Geriatria. 2017; 17(1):230.

Doan J, Zakrzewski-Jakubiak H, Roy J, Turgeon J, Tannenbaum C. Prevalência e risco de potenciais interações medicamentosas mediadas por citocromo P450 em idosos hospitalizados com polifarmácia. Ana Farmacêutica. 2013; 47(3):324-32.

Secoli, S. R. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem. 2010; 63 (1):136-140.

Katzung, B. G. Aspectos especiais da farmacologia geriátrica. In: KATSUNG, B. G. Farmacologia básica & clínica. 13 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2021. 608 p.

Guyton, A.C. e Hall J.E.Tratado de Fisiologia Médica.14ª Edição. São Paulo. Editora Elsevier Ltda; 2021. 3732 p.

Scursel C, Fiorentin L, Cechet SRS, Cetolin SF, Beltrame V. Multimorbidade e polifarmácia em idosos residentes no perímetro rural do município de Seara-SC. Braz J of Env. 2021; 7(1): 7308-7323.

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE). Expectativa de Vida ao Nascer (e0) 2010-2060. Brasil. 2022. Acesso em: 13/03/22. https: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html?utm_source=portal&utm_medium=popclock

Loyola Filho AI, Uchoa E, Lima-Costa MF. Estudo de base populacional sobre uso de medicamentos por idosos da Grande Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006; 22(12):2657-2667.

Ramos LR, Tavares NUL, Bertoldi AD, Farias MR, Oliveira MA, Luiza VL, et al. Polifarmácia e polimorbidade em idosos no Brasil: um desafio em saúde pública. Rev Saude Publica. 2016;50(2):9.

Galato D, Silva ES, Tiburcio LS. Estudo de utilização de medicamentos em idosos residentes em uma cidade do sul de Santa Catarina (Brasil): um olhar sobre a polimedicação. Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(6):2899-2905.

Silveira EA, Dalastra L, Pagotto V. Polifarmácia, doenças crônicas e marcadores nutricionais em idosos comunitários. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):818-29.

Santos TO, Nascimento MM, Nascimento YA, Oliveira GC, Martins UC, Silva DF, et al. Interações medicamentosas entre idosos acompanhados em serviço de gerenciamento da terapia medicamentosa da Atenção Primária. Einstein (São Paulo). 2019; 17(4):1-9.

Borges CL, Silva MJ, Clares JWB, Nogueira JM, Freitas MC. Características sociodemográficas e clínicas de idosos institucionalizados: contribuições para a assistência de enfermagem. Rev Enferm UERJ. 2015; 23(3):381-7.

Rang, H.P; Dale, M.M. Farmacologia. 9ª edição. Rio de Janeiro. GEN Guanabara Koogan; 2 abril 2020. 784 p.

Oliveira AFC, Nogueira, MS. Obesidade como fator de risco para a hipertensão entre profissionais de enfermagem de uma instituição filantrópica. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2010; 44 (2):388-394.

Brunini, T.M.C., Ferreira M.E. Farmacologia Cardiovascular. 1ª ed. Rio de Janeiro: Rúbio, 2008. 320 p.

Brunton, L.; Hilal-Dandan, R.; Knollman, B. As bases farmacológicas da terapêutica de Goodman e Gilman. 13. ed. Porto Alegre: AMGH, 2019. 1760 p.

Brum HC, Santos AM, Carneiro LS, Chaud LCS, Urias GMPC. Estudo do perfil farmacoterapêutico de pacientes idosos portadores de diabetes tipo II. Revista Ciência e Saúde Online. 2016; 1(3):24-33.

Conferência de expertos, 1985, Nairobi. Uso Racional de Medicamentos. Informe de La Conferencia de Expertos, Nairobi, 25-29 de noviembre de 1985. Ginebra: Organización Mundial de La Salud, 1986. 304p.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-201

Refbacks

  • There are currently no refbacks.