Tratamento de lesão central de células gigantes Recidivante: relato de caso / Giant cell central injury treatment Relapse: case report

Elem Cristiane Gonçalves de Lima, Mohamed Soares Cardoso, Gabriela Monteiro Barbosa, Francisco João de Souza Neto, Breno Bittencourt Pessoa da Silva, Thiago Brito Xavier, Helder Antônio Rebelo Pontes

Abstract


Introdução: A lesão central de células gigantes (LCCG) consiste em um processo proliferativo não-neoplásico, mas que pode apresentar comportamento agressivo, similar a uma neoplasia. Observa-se maior acometimento em adultos jovens e crianças, com predileção pelo gênero feminino, e sua prevalência é maior em mandíbula, é normalmente assintomática e o seu comportamento clínico pode ser ou não agressivo. Tais lesões apresentam etiopatogenia obscura e diferentes apresentações clínicas. Relato de caso: Paciente do sexo feminino com 26 anos de idade, apresentou-se ao serviço de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Universitário João de Barros Barreto, com aumento de volume em corpo mandibular esquerdo. Ao exame extraoral não haviam alterações. À análise intraoral constatou-se aumento de volume do lado esquerdo da mandíbula, fixo e de consistência endurecida com evolução de aproximadamente um ano. Foram solicitados os exames, radiográfico panorâmico dos maxilares, aonde foi possível observar um defeito radiolúcido unilocular bem delimitado, com bordas irregulares e sem rompimento de cortical óssea, e biópsia incisional que confirmou a hipótese de diagnóstico de LCCG. De acordo com o laudo histopatológico notou-se a presença de células gigantes multinucleadas com coloração eosinofílica uniformemente distribuídas e estroma predominantemente celular. Discussão: Realizou-se intervenção cirúrgica para exérese da lesão sob anestesia geral, com margem de segurança de 1mm, osteotomia periférica e osteossíntese de reforço com placa de titânio 2.4. Conclusão: a conduta de tratamento realizada neste caso mostrou-se eficaz, haja vista a boa adaptação da placa, e que a paciente segue em acompanhamento, sem indícios de recidivas.


Keywords


Patologia Bucal, Granuloma de Células Gigantes, Mandíbula.

References


Austin LT, Jr, Dahlin DC, Royer RQ. Granuloma reparador de células gigantes e condições relacionadas que afetam os maxilares. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1959; 12 : 1285–95.

Kramer IR, Pindborg JJ, Shear M. Tipagem Histológica de Tumores Odontogênicos. 2nd ed. Berlim: Springer-Verlag; 1991. p. 31.

Lange J, Akker HP. Características clínicas e radiológicas das lesões centrais de células gigantes da mandíbula. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral RadiolEndod. 2005; 99 : 464–70.

Adornato MC, Paticoff KA. Intralesional corticosteroid injection for treatment of central giant-cell granuloma. J Am Dent Assoc. 2001;132:186-90.

Güngörmüs M, Akgül HM. Central Giant Cell Granuloma of the Jaws: A Clinical and Radiologic Study. J Contemp Dent Pract.2003;4:387-97.

NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2009. 972p.

Souza PE, Gomez RS, Xavier GM, Santos JS, Gollob KJ, Dutra WO. Systemic leukocyte activation in patients with central giant cell lesions. J Oral Pathol Med. 2005:34(5):312-7.

Liu B, Yu SF, Wu YT, Pang SZ. Central giant cell lesions of the jaws: a clinicopathological study of 31 cases. Zhonghua Kou Qiang Yi Xue Za Zhi. 2005;40(1):67-9.

Hegde RJ. Central giant cell granuloma in child: a case report. J Indian Soc Ped Prev Dent. 2004;22(3):106-8.

Lange J, Van den Akker HP, Van den Berg H. Central giant cell granuloma of the jaw: a review of the literature with emphasis on therapy options. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2007;104(5):603-15.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-040

Refbacks

  • There are currently no refbacks.