Aspectos sociodemográficos e clínicos de pacientes com doenças falciformes dos centros de referência em Salvador, Bahia / Sociodemographic and clinical aspects of patients with sickle cell disease at referral centers in Salvador, Bahia

Wellington dos Santos Silva, Tiago da Silva Lopes, Daniela Santana Reis, Danielle Palma Silva Barreto, Gabriel Santos da Silva, Tchana Weyll Souza de Oliveira, Rita de Cássia Saldanha de Lucena, Abrahão Fontes Baptista

Abstract


Introdução. Este estudo caracterizou o perfil sociodemográfico e clínico dos pacientes com doenças falciformes atendidos nos centros de referência no município de Salvador (BA). Métodos. Trata-se de um estudo transversal com abordagem quantitativa e caráter descritivo. As análises estatísticas foram realizadas no SPSS versão 25.0. Resultados. As mulheres representaram a maior parcela dos pacientes. Mais de 90,0% são solteiros, demonstrando a dificuldade das pessoas com doenças falciformes se socializarem devido o estigma da doença. As manifestações clínicas mais comuns foram as crises álgicas e a icterícia e as intercorrências mais comuns foram internações devido às crises álgicas e hemotransfusão. Foi observado associação entre o sexo masculino e acidente vascular cerebral, genótipo SS e úlceras de membros inferiores e hemotransfusão. O baixo número de pacientes com osteonecrose e que fazem uso de morfina e hidroxiureia indicam, respectivamente, possível subnotificação e a necessidade de ampliar a oferta de medicamentos para diminuir as crises álgicas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Conclusão. A centralização do atendimento de pessoas com doenças falciformes através da criação de centros de referência no Brasil possibilitou um melhor acompanhamento desses indivíduos, mas ainda existem desafios a serem superados.


Keywords


saúde da população negra, doenças falciformes, manifestações clínicas.

References


ABD ELMONEIM, A. A. et al. Causes of hospitalization in sickle cell diseased children in western region of Saudi Arabia. A single center study. Saudi Medical Journal, v. 40, n. 4, p. 401–404, abr. 2019.

ADESINA, O. O.; NEUMAYR, L. D. Osteonecrosis in sickle cell disease: an update on risk factors, diagnosis, and management. Hematology: the American Society of Hematology Education Program, v. 2019, n. 1, p. 351–358, 6 dez. 2019.

ALLALI, S. et al. Chronic organ injuries in children with sickle cell disease. Haematologica, v. 106, n. 6, p. 1535–1544, 25 fev. 2021.

ANTWI-BOASIAKO, C. et al. A study of the geographic distribution and associated risk factors of leg ulcers within an international cohort of sickle cell disease patients: the CASiRe group analysis. Annals of hematology, v. 99, n. 9, p. 2073–2079, set. 2020.

CANÇADO, R. D.; JESUS, J. A. A doença falciforme no Brasil. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, v. 29, n. 3, set. 2007.

COLEMAN, B. et al. How sickle cell disease patients experience, understand and explain their pain: An Interpretative Phenomenological Analysis study. British Journal of Health Psychology, v. 21, n. 1, p. 190–203, fev. 2016.

CORDEIRO, R. C.; FERREIRA, S. L.; SANTOS, A. C. DA C. Experiências do adoecimento de pessoas com anemia falciforme e estratégias de autocuidado. Acta Paulista de Enfermagem, v. 27, n. 6, p. 499–504, dez. 2014.

DARBARI, D. S.; SHEEHAN, V. A.; BALLAS, S. K. The vaso-occlusive pain crisis in sickle cell disease: Definition, pathophysiology, and management. European Journal of Haematology, v. 105, n. 3, p. 237–246, set. 2020.

DATTANI, A.; JACKSON, A. The cause of the stroke: a diagnostic uncertainty. BMJ Case Reports, v. 2017, p. bcr2016218358, 23 jun. 2017.

DE JESUS, JA. Doença Falciforme no Brasil. Gaz Médica Bahia. 2010;80(3):8 e 9.

DESAI, G. et al. Sickle cell disease and pregnancy outcomes: a study of the community-based hospital in a tribal block of Gujarat, India. Journal of Health, Population and Nutrition, v. 36, n. 1, p. 1–7, dez. 2017.

DIAS, E. G. et al. Comportamentos de Pacientes com Diabetes Tipo 2 sob a Perspectiva do Autocuidado. Journal of Health Sciences, v. 19, n. 2, p. 109–113, 21 jul. 2017.

DODO, R. et al. [Emergency treatment of sickle cell diseases in the Blood Diseases Department at the Koutoukou Maga National Teaching Hospital, Cotonou, Benin]. The Pan African Medical Journal, v. 30, p. 192, 2018.

Doença falciforme: diretrizes básicas da linha de cuidado / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática.; 2015. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falciforme_diretrizes_basicas_linha_cuidado.pdf. Data de acesso: 19/04/2022.

LABUDA, S. F. et al. A vulnerabilidade da população negra frente à pandemia do Covid-19 / The vulnerability of the black population in the face of the Covid-19 pandemic. Brazilian Journal of Health Review, v. 5, n. 2, p. 4713–4722, 21 mar. 2022.

NOWOGRODZKI, A. No adult left behind: bridge the health-care gap for sickle-cell disease. Nature, v. 596, n. 7873, p. S13–S15, 25 ago. 2021.

OSUNKWO, I. et al. Impact of sickle cell disease on patientsʼ daily lives, symptoms reported, and disease management strategies: Results from the international Sickle Cell World Assessment Survey (SWAY). American Journal of Hematology, v. 96, n. 4, p. 404–417, 1 abr. 2021.

PAULA B. DALTRO et al. CD4+ T Cell Profile and Activation Response in Sickle Cell Disease Patients with Osteonecrosis. Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2021.

SILVA, G. S. DA et al. Busca pelo tratamento da crise álgica na doença falciforme: concepções das genitoras. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 34, n. 0, 14 abr. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-215

Refbacks

  • There are currently no refbacks.