Escolares: influência de hábitos posturais e o aparecimento de escoliose / School children: influence of postural habits and the appearance of scoliosis

Wildson César da Silva Leite, Nayron Anderson Dias Hipólito, Renato de Souza Melo, Rosana Paula Cruz Ferraz, Luciana Ângelo Bezerra

Abstract


Introdução: A escoliose é um desvio tridimensional que geralmente tem como mecanismo central a torção das vértebras em relação ao seu próprio eixo, levando ao desvio da linha vertical da coluna, podendo ocasionar uma curvatura lateral com rotação vertebral. Esse desvio postural é apresentado, na maioria das vezes, com presença de dores e limitações funcionais, que em longo prazo, trazem repercussões significativas e duradouras, na maioria das vezes, sobre o desenvolvimento típico de crianças e adolescentes. Objetivo: Verificar a influência de hábitos posturais e o peso da mochila em relação a presença da escoliose em escolares da rede municipal de ensino de Serra Talhada – Pernambuco. Metodologia: Estudo transversal, analítico e observacional, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Faculdade de Integração do Sertão (FIS) sob o parecer de número 3.016.870. A avaliação foi realizada nas escolas da rede municipal, após reunião e autorização dos responsáveis pelo escolar, por meio de entrevista para preenchimento de um formulário, pesagem da mochila e do escolar, separadamente, altura dos escolares e avaliação postural com biofotogrametria (software SAPO®). Resultados: A amostra foi composta por 33 escolares (13 – 40% - do sexo feminino), de 8 a 12 anos (9,12 ± 1,16 anos). Verificou-se escoliose 100% da amostra, e que o parâmetros referentes ao peso (até 10% do peso da criança), tipo e forma de transportar a mochila estavam fora dos valores recomendados, e que os hábitos posturais dos escolares eram maus/ruins. Sendo desta forma possível inferir que os fatores avaliados provavelmente influenciaram no aparecimento do padrão escoliótico adquirido. Conclusão: Alterações posturais podem estar associadas aos hábitos posturais tais como: usar a cadeira de forma incorreta, carregar pesos excessivos na mochila e a maneira de estudar em casa. Logo, a presença do fisioterapeuta na escola é de grande importância no sentido de intervir na prevenção (orientações aos escolares e a direção da escola) e até mesmo no tratamento da escoliose, levando a melhorias na qualidade de vida desses escolares na fase adulta.


Keywords


escoliose, postura, fisioterapia, estudantes.

References


Fonseca MPM, Cardoso F, Guimarães A. Fundamentos biomecânicos da postura e suas implicações na performance da flauta. Per Musi. 2015; 1(31):86-107.

Santos CIS, Cunha ABN, Braga VP, Saad IAB, Ribeiro MAGO, Conti PBM, Oberg TD. Ocorrência de desvios posturais em escolares do ensino público fundamental de Jaguariúna, São Paulo. Rev Paul Pediatr 2009;27(1):74-80

Calvete SA. A relação entre alteração postural e lesões esportivas em crianças e adolescentes obesos. Motriz. 2004; 10(2): 67-72.

Lunes DH, Cecílio MBB. Análise quantitativa do tratamento da escoliose idiopática com o método klapp por meio da biofotogrametria computadorizada. Rev bras fisioter. 2010;14(2):133-40.

Oliveira TP, Santos ACM, Andrade MC, Ávila AOV Avaliação do controle postural de crianças praticantes e não praticantes de atividade física regular. J Bras Biomec 2008;9(16):41.

Xavier CA, Bianchi DM, Lima AP, Silva IL, Cardoso F, Beresford H. Uma avaliação acerca da incidência de desvios posturais em escolares. Meta: Avaliação 2011;3(7):81-94.

Furlanetto TS, Chaise FO, Candotti CT, Loss JF. Fidedignidade de um protocolo de avaliação postural. REVDEF. 2011;22(3):411-9.

Braz RG, Goes FPD, Carvalho GA. Confiabilidade e validade de medidas angulares por meio do software. Fisioter Mov. 2008;21(03):117-26.

Ferreira EAG. Postura e controle postural: desenvolvimento e aplicação de método quantitativo de avaliação postural. São Paulo: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher - PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Rech GC. Roldo JG, Debacco NS, Silveira VB, Oltramari JD. Alterações Posturais e Adaptações na Coluna Vertebral em Escolares Decorrentes do Sobrepeso da Mochila Escolar. Caxias do Sul – RS, de 27 a 29 de Maio de 2014.

Mirtz TA, Thompson MA, Greene L, Wyatt LA, Akagi CG. Adolescent idiopathic scoliosis screening for school, community, and clinical health promotion practice utilizing the PRECEDE-PROCEED model. Chiropr Osteopat. 2005;13(25):1-11.

Antunes MFP, Malfatti CRM. Saúde no espaço escolar: avaliando a relação da avaliação postural com a sobrecarga das mochilas escolares. Curitiba (PR): SEED, 2010.

Falsarella GR, Bocalleto EMA, Deloroso FT, Cordeiro MASC. Postura corporal e qualidade de vida na escola. In: Vilarta R, Boccaletto EMA. Atividade Física e Qualidade de Vida na Escola: Conceitos e Aplicações Dirigidos à Graduação em Educação Física. Campinas, IPES, p. 75-83, 2008.

Carneiro JAO, Sousa LM, Munaro LR. Predominância de desvios posturais em estudantes de Educação Física da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Rev Saude Com. 2005; 1(2):118-23.

Knoplich J. Enfermidades da coluna vertebral. 3a ed. São Paulo: Robe Editorial; 2003

Detsch C, Candotti CT. A incidência de desvios posturais em meninas de 6 a 17 anos da cidade de Novo Hamburgo. Movimento. 2001;7(15):43-56.

Perdriolle R. Mechanical process and growth cartilages. Essential factors in the progression of scoliosis. Spine. 1993;18(3):343-9.

Badaró AFV; Turra P; Nichele LDFI; Fernandes, DL; Basso, DBA; Zulian T. Apresentação de um programa de fisioterapia no cuidado corporal de escolares: relato de experiência. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, edição especial, março, 2013.

Moura BM, Fonseca, CO, Paixão TF. Relação quantitativa entre o peso da mochila escolar x o peso da criança e suas possíveis alterações posturais e algias. Universidade da Amazônia, Belém-PA, 2009.

Pires C, Esquivel F, Felipe M, Lemes L., Montero A, Montes de Oca P. O peso das mochilas escolares está causando dor nas costas de crianças de 10 a 11 anos de idade Acta Pediatr 2011; 69 (7-8): 325-31

Giusti PH, De Almeida HL, Tomasi E. Excesso de peso da escola materias e seus fatores de risco no sul do Brasil. Um corte transversal estudar Eur J Phys Rehabil Med 2008; 44 (1): 33-8

Macêdo MAS. Prevalência das Alterações Posturais em Escolares do Ensino Fundamental. Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte e Nordeste de Educação Tecnólogica. Belém – PA, 2009.

Mansur KMK, Roveda PO. Presença da fisioterapia preventiva no contexto escolar: educação e prevenção em saúde. Cinergis. 2016; 17: 4.

Kendall FP, McCreary EK, Provance PG. Músculos: provas e funções. 4a ed. São Paulo: Manole; 1995.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-236

Refbacks

  • There are currently no refbacks.