Assistência adequada nas situações de abortamento espontâneo: um material informativo para uniformizar condutas e informações / Adequate assistance in situations of spontaneous abortion: informative material to standardize conduct and information

Andressa Almeida de Freitas, Livia Vieira Simões Ansaloni, Kátia Maria Rodrigues

Abstract


O abortamento é definido como a interrupção da gestação em até 22 semanas gestacionais ou peso conceptual de 500 gramas. No Brasil, segundo os dados do Ministério da Saúde, calcula-se que ocorra mais de um milhão de abortamentos por ano. No Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde o aborto não especificado (categoria O06 da CID-10) representou entre 2006 e 2015 como a causa básica mais frequente entre os óbitos por aborto. E nesse sentindo, oferecer esse material à rede municipal de saúde de Goiatuba - Go é de grande importância, já que, não há um documento com esse teor disponível nos serviços de saúde e, portanto, o presente trabalho tem como objetivo auxiliar tanto os profissionais, quanto às mulheres com informações acessíveis e de qualidade e que contribua com o atendimento prestado às mulheres em situação de abortamento que são atendidas em Goiatuba-Go. Para o desenvolvimento do material informativo foi utilizada como modelo a pesquisa-ação, que tem como pressuposto principal construir conhecimento coletivamente e com a participação dos indivíduos, a fim de identificar soluções para um problema recorrente, evidenciando o resultado unânime sobre a importância da produção e disseminação desse material.


Keywords


acolhimento, humanização, abortamento, conscientização.

References


ANJOS, K. F.; SANTOS, V. C.; SOUZAS, R.; EUGÊNIO, B. G. Aborto e saúde pública no Brasil: reflexões sob a perspectiva dos direitos humanos. Saúde Debate vol.37 no.98 Rio de Janeiro July/Sept. 2013.

BARBARESCO, Aline Almeida et al. Infecções de transmissão vertical em material abortivo e sangue com ênfase em Toxoplasmose gondii. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, jan. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 60 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos; Caderno nº 4)

BEZERRA, E. S; RIBEIRO, J. V; WATERKAMP, F. A saúde da mulher e a contribuição de enfermagem frente a mulher que sofreu aborto. Faculdade Pimenta Bueno, Rondônia, 2016.

BONASSA, R. T.; ROSA, M. I.; MADEIRA, K.; SIMÕES, P. W. Caracterização de casos de internação por abortos complicados na macrorregião sul catarinense. Arq. Catarin Med. 2015 jul-set; 44(3): 88-100.

BRITO, E. P.; BANAZESKI, A. C.; BEDIN, R.; GASPARIN, V. A. Assistência de enfermagem em situações de aborto induzido / provocado: uma revisão integrativa da literatura. Revista Enfermeria Global, n. 43, jul/2016.

CARDOSO, Bruno Baptista; VIEIRA, Fernanda Morena dos Santos Barbeiro and SARACENI, Valeria. Aborto no Brasil: o que dizem os dados oficiais?. Cad. Saúde Pública [online]. 2020, vol.36, suppl.1, e00188718. Epub Feb 21, 2020. ISSN 1678-4464. https://doi.org/10.1590/01002-311x00188718.

CARVALHO, S. M; PAES, G. O. Integralidade do cuidado em enfermagem para a mulher que vivenciou o aborto inseguro. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 18(1) Jan-Mar 2014.

GESTEIRA, Solange Maria dos Anjos; BARBOSA, Vera Lúcia; ENDO, Paulo César. O luto no processo de aborto provocado. Acta paul. enferm. São Paulo, v. 19, n. 4, dez. 2006.

MARIUTT, M. G; BOBATO, J. A; BARBOSA, A. S. Representação dos profissionais da saúde pública sobre o aborto e as formas de cuidado e acolhimento. Rev. SPAGESP vol.13 no.2 Ribeirão Preto, 2012.

MARIUTTI, M. G.; FUREGATO, A. R. F. Fatores protetores e de risco para depressão da mulher após o aborto. Rev Bras Enferm, Brasília 2010 mar-abr; 63(2): 183-9.

MORAIS, L. A legislação sobre o aborto e seu impacto na saúde da mulher. Senatus, Brasília, v. 6, n. 1, p. 50-58, maio 2008.

NINA, B. C. A atuação da equipe de enfermagem frente à mulher em processo de abortamento em uma maternidade pública de Roraima. Monografia, Boa vista, Roraima, 2017.

PEREIRA, Adriana de Jesus. O Papel do Profissional Enfermeiro Frente ao Aborto em seus Aspectos Jurídicos, Físico e Emocionais. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 08, Vol. 07, pp. 95-115, Agosto de 2018. ISSN:2448-0959.

SCHEL, M.; CUNHA, M. L. O; GOTTEMS, L. B. D; CHARIGLIONE, I. P. F. S. et al., 2019. O processo de construção de material educativo para mulheres vítimas de violência. Enferm. Foco 2019; 10 (6): 50-56. hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br> Acesso em 30/11/2020.

SOARES M. C. S; FREITAS V. E. O; CUNHA, A. R. R; ALMEIDA, J. L. S. SOUTO, C. M. R. M; ARRUDA, R. D. Práticas de enfermagem na atenção às mulheres em situação de abortamento. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, vol. 13, núm. 1, 2012, pp. 140-146 Universidade Federal do Ceará Fortaleza, Brasil, 2012.

THIOLLENT M. Metodologia da pesquisa-ação. 14ª ed. São Paulo: Cortez; 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-258

Refbacks

  • There are currently no refbacks.