Associação entre excesso de peso e prática de atividade física em escolares no município de Aracaju/ Association of overweight and physical activity in school children in the city of Aracaju

Luíza Brito Nogueira, Ana Jovina Barreto Bispo, Isabela Santos Gois, Camilla de Oliveira Ramos, Danilo Brito Nogueira, Luanna Gabriella Oliveira Daboit

Abstract


Introdução: A obesidade infantil, doença multifatorial e crônica, destaca-se pelo crescente aumento na prevalência e pelo impacto causado por ser fator de risco potencial de comorbidades na infância e de doenças crônicas não transmissíveis na vida adulta. Considerando-a como problema de saúde pública e verificando a ampliação das morbidades associadas, o presente estudo tem como objetivos estimar a prevalência de crianças na faixa etária escolar que estão com excesso de peso no município de Aracaju, e associar o peso com a prática de atividade física. Metodologia: Foi realizado um estudo de natureza observacional, descritivo, transversal com abordagem quantitativa. Amostra tipo probabilística por conveniência foi composta por 65 crianças. Foram incluídas crianças entre 5 e 10 anos de idade, matriculadas em escolas públicas e privadas do município de Aracaju. Resultados: A amostra foi constituída de 65 escolares, com mediana de idade de oito anos e predomínio do sexo feminino (52,3%). Verificou-se   frequência de 41,5% de eutrofia, 7,6% de obesidade grave, 20% de obesidade, 29,2% de sobrepeso, 1,5% de magreza. Relataram prática de atividade física três vezes por semana sete (13,7%) crianças. Dentre as crianças com excesso de peso 15 (44,1%) praticavam atividade física regular quase nunca ou nunca, sete (20,6%) algumas vezes e 12 (35,3%) sempre. Conclusão: O diagnóstico de excesso de peso superou o de eutrofia. A obesidade esteve associada a ausência de atividade física regular. O estímulo à atividade física regular nas escolas pode ser uma importante estratégia no combate à obesidade infantil.


Keywords


escolares, crianças, sobrepeso.

References


ALBUQUERQUE, L.; e colaboradores. Relação da obesidade com o comportamento alimentar e o estilo de vida de escolares brasileiros. Nutrición clínica y dietética hospitalaria. Vol. 36. Num. 1. p. 17-23. 2016.

BELCHER, B.R, D. Berrigan, K. W. Dodd, B. A. Emken, C. P. Chou, and D. Spruijt-Metz, “Physical activity in US youth: effect of race/ethnicity, age, gender, and weight status,” Medicine and Science in Sports and Exercise, vol. 42, no. 12, pp. 2211–2221, 2010. [6] R. C.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. 2ª ed rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

CASTRO, J. M., et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade e os fatores de risco associados em adolescentes. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 12, n. 69, p. 84-93, 2018.

COLLEY, D. Garriguet, I. Janssen, C. L. Craig, J. Clarke, and M. S. Tremblay, “Physical activity of Canadian children and youth: accelerometer results from the 2007 to 2009 Canadian Health Measures Survey,” Health Reports, vol. 22, no. 1, pp. 15–23, 2011.

CORSO, ACT et al. Fatores comportamentais associados ao sobrepeso e à obesidade em escolares do Estado de Santa Catarina. Rev. bras. estud. popul. 2012 Jun; 29(1): 117-131.

ESKENAZI, Ednalva Maria de Sousa; et al. Fatores Socioeconômicos Versão 07jul15. 12 Associados à Obesidade Infantil em Escolares do Município de Carapicuíba (SP, Brasil). Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Vol. 22, nº 3, p. 247-254, 2018

FAGUNDES, A. L. N. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares na região de Parelheiros do município de São Paulo. Rev Paul Pediatr., São Paulo, v. 26, n. 3, p. 212-217, set. 2008.

GARCIA, Hermoso A, Saavedra J, Escalante Y, Domínguez A. The Intention to be Physically Active in Sedentary Obese Children: A Longitudinal Study. Behavioral Sciences. 2018 Jan; 8(1).

HALLAL, P. et al. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet 380, 247–257 (2012).

MALIK VS, Willett WC, Hu FB. Global obesity: trends, risk factors and policy implications. Nature reviews endocrinology. 2013; 9:13-27.

MARIZ L.S., Enders B.C., Santos V.E.P., Tourinho F.S.V., VIeira C.E. N.K. Causas de obesidade infantojuvenil: reflexões segundo a teoria de Hannah Arendt. 2015. Rev. Texto contexto Enfermagem. 2016; 24(3): 891-897.

MOREIRA M.S.F., Oliveira F.M., Rodrigues W., Oliveira L.C.N., Mitidiero, J., Fabrizzi F., et al. Doenças associadas à obesidade infantil. Rev. Odontológica de Araçatuba. 2014; 35(1): 60-66

NCD RISK FACTOR COLLABORATION (NCD-RisC). Worldwide trends in bodymass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128·9 million children, adolescents, and adults. Lancet, Londres, v. 390, n. 10113, p. 2627-2642, 2017.

Portal Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). Núcleo de Tecnologia da Informação do Estado Nutricional dos Indivíduos acompanhados por período, fase do ciclo da vida e índice. 2021. Disponível em: https://sisaps.saude.gov.br/sisvan/

POSSO M., Brugulat-Guiteras P., Puig T., Mompart-Penina A., Medina-Bustos, A., Alcañiz M., et al. Prevalencia y condicionantes de la obesidad en la población infantojuvenil de Cataluña, 2006-2012. Rev. Medicina Clinica. 2014; 143(11): 475-483.

ROCHA, Laira Moema da. Obesidade infantil: uma revisão bibliográfica. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte – MG, 2013.

ROMAN, B et al. Proportion of children meeting recommendations for 24-hour movement guidelines and associations with adiposity in a 12-country study. International journal of behavioral nutrition and physical activity. 2016; 13(123). Disponível em: https://www.ncbi.nlm. nih.gov/pmc/articles/PMC5123420/.

SALLIS, J. F. et al. Progress in physical activity over the olympic quadrennium. Lancet 388, 1325–1336 (2016).

SILVA, O. B. Questionários de Avaliação da Atividade Física e do Sedentarismo em Crianças e Adolescentes.Acesso em 23 de setembro de 2021.

SOUZA E.B. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cad. UniFOA.2010; 5(13): 49-53.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de Alimentação: orientações para alimentação do lactente ao adolescente, na escola, na gestante, na prevenção de doenças e segurança alimentar. Departamento Científico de Nutrologia, 4ª. Ed., São Paulo: SBP, 2018. 172 p.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Avaliação nutricional da criança e do adolescente – Manual de Orientação. Departamento de Nutrologia.2ª ed rev.Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Pediatria, 2021.

VANHELST J, Fardy PS, Béghin L, Bui-Xuan G, Mikulovic J. Strategies in intervention programmes for obese youth: implication of the age and the type of physical activities. Clinical Physiology and Functional Imaging. 2015 Jan; 35(1): 17-20.

WEIHRAUCH-BLÜHER S, Wiegand S. Risk Factors and Implications of Childhood Obesity. Curr Obes Rep. 2018 Dec;7(4):254-259. doi: 10.1007/s13679-018-0320-0. PMID: 30315490.

WHO. Physical Activity. (2017).Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs385/en/. (Acesso em: 09/05/2022)

WHO. Facts and fgures on childhood obesity. Disponível em: http://www.who.int/end-childhood-obesity/facts/en.(Acesso em: 09/05/2022)(2014).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-275

Refbacks

  • There are currently no refbacks.