Abordagens cirúrgicas na litíase renal: revisão integrativa / Surgical approaches in renal lithiasis: integrative review

Cinthia Stroher, Aliny Cristhina da Silva Souza Buriti, Sinara Rodrigues de Sá, Gabriela Silva Coelho, Palloma Loyanne Pereira Santana, Vitória Freese Alves, Kamilla Assis Diniz, Erla Lino Ferreira Carvalho

Abstract


A litíase renal é uma condição dolorosa, de início agudo formada por um conglomerado de cristais e matriz orgânica no trato urinário. Manifesta-se com dor lombar em cólica, de início súbito, que pode irradiar para flancos, face interna da coxa, fossas ilíacas, testículos, uretra ou grandes lábios, dependendo da localização dos cálculos. O diagnóstico da litíase urinaria é feito pela clínica do paciente, exame físico e exames complementares de imagem, sendo a Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada (TC), Radiografia de abdome e a Ressonância Magnética os mais utilizados. O tratamento dos cálculos renais pode ser clínico ou cirúrgico. No clínico são abordados técnicas de analgesia e expulsão espontânea do cálculo. As técnicas cirúrgicas são a litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO), nefrolitotripsia percutânea (NLP), ureterorrenoscopia e a cirurgia aberta. O objetivo principal é descrever as abordagens cirúrgicas para o tratamento da urolitíase, ressaltando das características e as indicações de cada técnica, bem como sua aplicação, vantagens, desvantagens e complicações. O estudo emprega uma revisão integrativa a fim de sintetizar, de forma ordenada e abrangente, os resultados obtidos. Para a seleção dos estudos empregaram-seos seguintes critérios: descritores – “Urolitíase”, “Procedimentos Cirúrgicos Endoscópicos” e “Conversão para Cirurgia Aberta”, nas bases de dados - Pubmed, Electronic Library Online (Scielo) e Lilacs; no período de 2010 a 2022 e na língua inglesa e portuguesa. Infere-se, portanto que as abordagens terapêuticas no campo cirúrgico, conforme foi estabelecido ao longo do estudo tem vantagens e desvantagens a depender da tecnologia escolhida, perfil do pacientebem como do cálculo, necessitando uma busca para padronizar os métodos cirúrgicos a fim de reduzir as complicações, com base em critérios de indicação precisos e operador eficiente, através do melhor método a depender das melhores vantagens em relação às desvantagens do tratamento cirúrgico.


Keywords


nefrolitíase, urolitíase, procedimentos cirúrgicos endoscópicos, conversão para cirurgia aberta.

References


SANTOS, Francilayne Moretto dos et al. Metabolic investigation in patients with nephrolithiasis. Einstein (São Paulo), [S.L.], v. 15, n. 4, p. 452-456, 18 dez. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082017ao4029. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/eins/a/SgdkScMDCcwyxYGjPcGYDkM/?lang=en>

MAYANS, Laura. Primary Care: Clinics in Office Practice. Nephrolithiasis. [S.L.], v. 46, n. 2, p. 203-212, jun. 2019. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.pop.2019.02.001.

TALSO, Michele et al. Extracorporeal shockwave lithotripsy: current knowledge and future perspectives. Minerva Urol Nefrol. 2019 Aug;71(4):365-372. doi: 10.23736/S0393-2249.19.03415-5. Disponível em: < https://www.minervamedica.it/en/journals/minerva-urology-nephrology/article.php?cod=R19Y2019N04A0365>

CHAUSSY, Christian G. e TISELIUS, Hans-Göran. How can and should we optimize extracorporeal shockwave lithotripsy? Urolithiasis. 2018 Feb;46(1):3-17. doi: 10.1007/s00240-017-1020-z. Disponível em:

CHUNG, Doo Yong et al. Comparison of stone-free rates following shock wave lithotripsy, percutaneous nephrolithotomy, and retrograde intrarenal surgery for treatment of renal stones: A systematic review and network meta-analysis. PLoSUm . 2019;14(2):e0211316. Publicado em 21 de fevereiro de 2019. doi:10.1371/journal.pone.0211316. Disponível em: < https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0211316>

OUYANG, Wei et al. Adjunctive medical expulsive therapy with tamsulosin for repeated extracorporeal shock wave lithotripsy: a systematic review and meta-analysis. Internacional brazurol [online]. 2021, v. 47, n. 1 [Acessado em 15 de maio de 2022], pp. 23-35. https://doi.org/10.1590/S1677-5538.IBJU.2020.0093. Disponível em:

MORALES Díaz E., et al. Tratamento cirúrgico da litíase renal por nefrolitotomia percutânea. Revista Cubana de Urologia [Internet]. 11 (1): 12 p. 2022. Disponível em: http://revurologia.sld.cu/index.php/rcu/article/view/706.

KAMEI, D. J., et al. Comparação dos Resultados Cirúrgicos da Nefrolitotripsia Percutânea entre as Posições Prona e Valdivia-Galdakao. Revista Médica. Paraná, Curitiba, 2020; 78 (1):32-39. Disponível em:

OLIVEIRA, Pedro Henrique Martins et al. Cirurgia endoscópica intrarrenal combinada (ECIRS) em posição galdakao-valdívia modificada: um relato de caso de cirurgia endoscópica intrarrenal combinada (ECIRS) em posição galdakao-valdívia modificada: relato de caso. Brazilian Journal Of Health Review. Curitiba, v. 5, n. 2, p. 4316-4324, mar./apr2022. Bimestral. doi:10.34119/bjhrv5n2-026 Disponível em: < https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/44915>

ACEVES, Jorge Gutierrez et al. A minipercutânea é o novo padrão para a nefrolitotomia percutânea? Confederação americana de urologia (CAU). Aua News: The Official Newsmagazine Of The American Urological Association | And Sociedade Brasileira De Urologia, Brasil, v. 2, n. 1, p. 1-13, abr. 2020. Disponível em: https://portaldaurologia.org.br/medicos/wp-content/uploads/2020/05/Revista-AUA.pdf.

SIMONETI, Fernanda Soares et al. Considerações Atuais Sobre A Cirurgia Aberta Em Nefrolitíase Em Nível Uretero Pélvico E Ureteral Inferior. Revista Fac. Ciência Médica. Sorocaba, v. 17, n. 1, p. 48-49, fev. 2015. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/21903/pdf>

JÚNIOR, N. A. et al. Litotripsia Extracorpórea e Tratamento Cirúrgico da Litíase Urinária. Urologia Fundamental, cap.13, p.128-134. São Paulo, 2010.

LI, H. et al. Does prior failed shock-wave lithotripsy impact outcomes of ureterorenoscopy? a systematic review and meta-analysis. Eur Rev Med Pharmacol Sci., [s. l], 26(7), p. 2501-2510, abr. 2022. doi: 10.26355/eurrev_202204_28486. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/35442465/>

DYBOWSKI, Bartosz et al. Risk factors for infectious complications after retrograde intrarenal surgery – a systematic review and narrative synthesis. Central European Journal Of Urology, [S.L.], v. 73, n. 3, p. 437-445, set. 2021. PolishUrological Association. http://dx.doi.org/10.5173/ceju.2021.250 Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8552946/>

Astolfi RH. et. al. Current scenario of endourological treatment of kidney stones in brazil: results of a national survey. Int Braz J Urol. 2020 May-Jun; 46(3):400-408. doi: 10.1590/S1677-5538.IBJU.2019.0363 Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7088489/>

MA R, Reddy S, Vanstrum EB, Hung AJ. Innovations in UrologicSurgical Training. CurrUrol Rep. 2021 Mar 13;22(4):26. doi: 10.1007/s11934-021-01043-z. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8106917/>

El-HUSSEINY T, BUCHHOLZ N. The role of open stone surgery. Arab J Urol. 2012 Sep;10(3):284-8. doi: 10.1016/j.aju.2012.03.004. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4442944/>

ZHANG Friedrich Bo-Yan, et al. Outcomes of percutaneous nephrolithotomy versus open stone surgery for patients with staghorn calculi. Urological Science. v. 28, n. 2, p. 97-100. Junho 2017. doi.org/10.1016/j.urols.2017.02.001 Disponível em: < https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1879522617300076>




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-278

Refbacks

  • There are currently no refbacks.