Efeitos da pandemia de Covid-19 na epidemiologia dos pacientes pediátricos com Dengue em Sergipe de 2018 a 2022/ Effects of the Covid-19 pandemic on the epidemiology of pediatric patients with Dengue vírus in Sergipe from 2018 to 2022

Ellen Priscila Graça e Silva, Izailza Matos Dantas Lopes, Eliakin Rodrigues da Graça, Ketlen Natany Goes Xavier, José Roberto Brandão Sobrinho, Raimundo Pereira Neto, Rodrigo Herman Costa de Araújo, Menandro Araujo Chantel Hora

Abstract


Objetivo: Estudar como a pandemia de Coronavírus afetou o perfil epidemiológico em pacientes pediátricos com dengue no Estado de Sergipe. Metodologia: Estudo descritivo transversal, através da coleta de informações no Departamento de Informática do SUS (DATASUS), a partir de dados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde – SIH/SUS no período de janeiro de 2018 a Janeiro de 2022, na faixa etária de 0 a 9 anos. Resultados: Durante o período de Janeiro de 2018 a Janeiro de 2022, em Sergipe, houve 681 internações por dengue clássica e Febre hemorrágica devido ao vírus da dengue. Sendo gasto R$ 214.176,35 em serviços hospitalares. Na faixa etária abordada (0 a 9 anos) existiu maior número de casos entre 5 e 9 anos. Além disso, um discreto aumento no sexo feminino. Registro de dois óbitos em todo o período e redução de internamentos no estágio que compreende à pandemia. Conclusão: Essa análise, portanto, mostrou-se relevante por apresentar uma alteração na epidemiologia durante o período de pandemia covid-19, que apesar da taxa de internação reduzida e do baixo número de óbitos, apresenta um número importante a ser avaliado, bem como as suas implicações para a Saúde, qualidade de vida da população, gastos hospitalares e intervenções de políticas públicas.

 


Keywords


pediátrico, Covid-19, perfil epidemiológico, Dengue, febre hemorrágica da Dengue.

References


Simmons CP, Farrar JJ, Nguyen vV, Wills B. Dengue. N Engl J Med. 2012 Apr 12;366(15):1423-32. doi: 10.1056/NEJMra1110265. PMID: 22494122.

Pryor MJ, Carr JM, Hocking H, Davidson AD, Li P, Wright PJ. Replication of dengue virus type 2 in human monocyte-derived macrophages: comparisons of isolates and recombinant viruses with substitutions at amino acid 390 in the envelope glycoprotein. Am J Trop Med Hyg. 2001 Nov;65(5):427-34. doi: 10.4269/ajtmh.2001.65.427. PMID: 11716094.

Thisyakorn U, Nimmannitya S. Nutritional status of children with dengue hemorrhagic fever. Clin Infect Dis. 1993 Feb;16(2):295-7. doi: 10.1093/clind/16.2.295. PMID: 8443312.

Trang NTH, Long NP, Hue TTM, Hung LP, Trung TD, Dinh DN, Luan NT, Huy NT, Hirayama K. Association between nutritional status and dengue infection: a systematic review and meta-analysis. BMC Infect Dis. 2016 Apr 20;16:172. doi: 10.1186/s12879-016-1498-y. PMID: 27097934; PMCID: PMC4839161.

Kourí G, Guzmán MG, Bravo J. Hemorrhagic dengue in Cuba: history of an epidemic. Bull Pan Am Health Organ. 1986;20(1):24-30. PMID: 3768589.

Organização Mundial da Saúde. Dengue hemorrágica: diagnóstico, tratamento, prevenção e controle, 2ª edição. OMS, Genebra 1997.

Organização Mundial da Saúde. Dengue: Diretrizes para diagnóstico, tratamento, prevenção e controle, Nova edição. OMS: Genebra 2009.

Souza, José, et al. Impacto da pandemia da COVID-19 no volume de atendimentos no pronto atendimento: experiência de um centro de referência no Brasil. Einsten, São Paulo, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde, Período de chuvas exige atenção especial no combate ao Aedes aegypti, 2021. Acessado em 18 de Abril de 2022

Lira, Ferreira et all, Incidência da dengue no Brasil: Análise comparativa entre São Paulo e Alagoas. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.6, p. 24410-24426 nov./dec. 2021

Silva MBA, et al. Perfil das arboviroses Dengue, Chikungunya e Zika no Distrito Sanitário III do município de Recife (Brasil). Revista Brasileira de Meio Ambiente.2021; 9(6): 039-050

OPAS, Casos de dengue nas Américas chegam a 1,6 milhão, o que destaca a necessidade do controle de mosquitos durante a pandemia, 2020. Acessado em 22 de Maio de 2022

Luz, PM, Grinsztejn B, Galvani AP. Disability adjusted life years lost to dengue in Brazil. Tropical Medicine and International Health, 2009; 14(2): 237-246.

Shepard, DS; COUDEVILLE, L; HALASA, YA, Zambrano B, Dayan GH. Econimic Impact of Dengue Illeness in the Americas. J. Trop. Med. Hyg., 2011; 84(2): 200-207.

Leite, Priscila. Impacto da dengue no Brasil em período epidêmico e não epidêmico: incidência, mortalidade, custo hospitalar. Brasília, 2015.

Simmons CP, et al. Anticorpos maternos e fatores virais na patogênese do vírus da dengue em lactentes. Epub 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde, Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue, Brasília, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-280

Refbacks

  • There are currently no refbacks.