Avaliação da qualidade da atenção primária: associação com o tipo de unidade de saúde / Quality assessment of primary care: association with type of health unit

Tatiane Baratieri, Clérito Kaveski Peres, Maicon Henrique Lentsck

Abstract


Objetivo: Avaliar a qualidade da Atenção Primária à Saúde na perspectiva dos usuários, associada ao tipo de unidade de saúde e fatores socioeconômicos. Métodos: Estudo avaliativo junto a 379 usuários dos serviços de atenção primária do município de Guarapuava/Paraná/Brasil entrevistados utilizando o instrumento Primary Care Assessment Tool-Brasil; estimou-se o nível de qualidade (0 a 10), sendo classificado como “escore alto” (>6,6) e “escore baixo” (<=6,6);  analisou-se, por meio de regressão logística, a associação entre variáveis dependentes (escore essencial alto e escore geral alto) e independentes (tipo de unidade de saúde e variáveis socioeconômicas). Resultados: Na avaliação da qualidade da APS predominou o “escore baixo” (escore geral = 81,5%; escore essencial = 68,9%). A análise mostrou que usuários da unidade de saúde Tradicional avaliam pior a atenção primária, quando comparados aos usuários de unidades de Estratégia Saúde da Família (escore geral: Odds Ratio (OR)=0,28; escore essencial: OR=0,40). Quanto às variáveis de ajuste, houve associação entre escore geral alto e escore essencial alto com o ciclo de vida do usuário, de modo que acompanhantes de crianças têm mais chances de avaliar melhor o serviço quando comparados a idosos (OR=2,50 para escore geral alto; OR=2,36 para escore essencial alto). Conclusões: As unidades de saúde tradicionais têm piores avaliações quando comparadas às unidades de saúde da família, e acompanhantes de crianças avaliam melhor a atenção primária, quando comparados a idosos.


Keywords


Atenção Primária à Saúde, Serviços de Saúde, Avaliação em Saúde.

References


Starfield B. Atenção Primária. Equilíbrio entre Necessidades de Saúde, Serviços e Tecnologia. Brasília: UNIESCO; 2002. 177 p.

Aoki T, Inoue M, Nakayama T. Development and validation of the Japanese version of Primary Care Assessment Tool. Fam Pract. 2016;33(1):112–7. DOI: 10.1093/fampra/cmv087.

Hu R, Liao Y, Du Z, Hao Y, Liang H, Shi L. Types of health care facilities and the quality of primary care: a study of characteristics and experiences of Chinese patients in Guangdong Province, China. BMC Heal Serv Res. 2016;16:1–11. DOI:10.1186/s12913-016-1604-2.

Paula WKAS de, Samico IC, Caminha M de FC, Filho MB, Silva SL da. Primary health care assessment from the users’ perspectives: a systematic review. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(2):335–45. DOI: 10.1590/S0080-623420160000200021.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. 2017.

Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde Primary Care Assessment Tool PCATool-Brasil. Brasília; 2010.

Harzheim E, Oliveira MMC, Agostinho MR, Hauser L, Stein AT, Gonçalves MR, et al. Validação do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: PCATool-Brasil adultos. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(29):274–84. DOI:https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)829.

Bresick GF, Sayed AR, Le Grange C, Bhagwan S, Manga N, Hellenberg D. Western Cape Primary Care Assessment Tool (PCAT) study: Measuring primary care organisation and performance in the Western Cape Province, South Africa (2013). Afr J Prim Heal Care Fam Med. 2016;8(1):e1–12. DOI:https://doi.org/10.4102/phcfm.v8i1.1057.

Carroll JC, Talbot Y, Permaul J, Tobin A, Moineddin R, Blaine S, et al. Academic family health teams part 1: patient perceptions of core primary care domains. Can Fam Physician. 2016;62(1):e23–30. Available from:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27331228.

Kim KY, Lim K, Park EW, Choi EY, Cheong YS. Patients’ perceived quality of family physicians’ primary care with or without “family medicine” in the clinic name. Korean J Fam Med. 2016;37(5):303–7. DOI:10.4082/kjfm.2016.37.5.303.

Fracolli LA, Gomes MFP, Nabão FRZ, Santos MS, Cappellini VK, Almeida ACC de. Primary health care assessment tools: a literature review and metasynthesis. Cien Saude Colet. 2014;19(12):4851–60. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141912.00572014.

Silva CS de O e, Fonseca ADG, Souza LPS e, Siqueira L das G, Belasco AGS, Barbosa DA. Integralidade e Atenção Primária à Saúde: avaliação sob a ótica dos usuários. Cien Saude Colet. 2014;19(11):4407–15. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141911.14122013.

Oliveira VBCA, Veríssimo M de L ó. R. Children’s health care assistance according to their families: A comparison between models of Primary Care. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(1):30–6. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000100004.

Chomatas E, Vigo A, Marty I, Hauser L, Harzheim E. Avaliação da presença e extensão dos atributos da atenção primária em Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(29):294–303. DOI:https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)828.

Alencar MN de, Coimbra LC, Morais APP, Silva AAM da, Pinheiro SR de A, Queiroz RC de S. Avaliação do enfoque familiar e orientação para a comunidade na Estratégia Saúde da Família. Cien Saude Colet. 2014;19(2):353–64. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014192.08522012.

Marin MJS, Moracvick MYAD, Marchioli M. Health service access: comparing professionals’ and users’ views of primary care. Rev Enferm UERJ. 2014;22(5):629–36. DOI: DOI:http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2014.4238.

Paes NA, Silva CS, Monteiro TMF, Cardoso MAA, Oliveira JL. Satisfação dos usuários hipertensos com os serviços da rede de atenção primária no Brasil: um estudo de validação. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(2):87–93. Disponível em:https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892014000700003.

Carroll JC, Talbot Y, Permaul J, Tobin A, Moineddin R, Blaine S, et al. Academic family health teams Part 2: patient perceptions of access. Can Fam Physician. 2016;62(C):e31–9. Available from:http://www.cfp.ca/content/62/1/e31.

Vaz EMC, Magalhães RKBP, Toso BRG de O, Reichert AP da S, Collet N. Longitudinalidade do cuidado à criança na Estratégia Saúde da Família. Rev Gauch Enferm. 2015;36(4):49–54. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/51862/35662.

Lima E de FA, Sousa AI, Primo CC, Leite FMC, Lima R de CD, Maciel ELN. An assessment of primary care attributes from the perspective of female healthcare users. Rev Lat Am Enfermagem. 2015;23(3):553–9. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0496.2587.

Castro ALB de C, Andrade CLT, Machado CV, Lima LD. Condições socioeconômicas, oferta de médicos e internações por condições sensíveis à atenção primária em grandes municípios do Brasil. Cad Saude Publica. 2015;31(11):2353–66. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126114.

Brasil. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Foco - saúde suplementar. 4th ed. Agência Nacional de Saúde Suplementar, editor. Rio de Janeiro; 2012.

Azevedo BDS, Biondo CS, Sena EL da S, Boery RNS de O, Yarid SD. Reflexão bioética sobre o acesso à saúde suplementar no Brasil. Acta Bioeth. 2015;21(1):117–25. Disponilvel em:https://scielo.conicyt.cl/pdf/abioeth/v21n1/art15.pdf

Owolabi O, Zhang Z, Wei X, Yang N, Li H, Wong SY, et al. Patients’ socioeconomic status and their evaluations of primary care in Hong Kong. BMC Health Serv Res. 2013;13(1). DOI:10.1186/1472-6963-13-487.

Silva SA da, Fracolli LA. Avaliação da assistência à criança na Estratégia de Saúde da Família. 2016;69(1):54–61. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690107i.

Harzheim E, Pinto LF, Hauser L, Soranz D. Avaliação dos usuários crianças e adultos quanto ao grau de orientação para Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cien Saude Colet. 2016;21(5):1399–408. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.26672015.

Sá F dos S, Oliveira CDL, Fernandino D de M, Pádua CAM, Cardoso CS. Assessment of primary health care from the perspective of patients hospitalized for ambulatory care sensitive conditions. Fam Pract. 2016;33(3):243–8. DOI:10.1093/fampra/cmv096.

Gonçalves MR, Hauser L, Prestes IV, Schmidt MI, Duncan BB, Harzheim E. Primary health care quality and hospitalizations for ambulatory care sensitive conditions in the public health system in Porto Alegre, Brazil. Fam Pract. 2016;33(3):238–42. DOI:10.1093/fampra/cmv051.

Santos NCC de B, Vaz EMC, Nogueira JA, Toso BRG de O, Collet N, Reichert AP da S. Presença e extensão dos atributos de atenção primária à saúde da criança em distintos modelos de cuidado. Cad Saude Publica. 2018 Feb 5;34(1):e00014216. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00014216.

Bastos ML, Menzies D, Hone T, Dehghani K, Trajman A. The impact of the Brazilian family health on selected primary care sensitive conditions: A systematic review. PLoS One. 2017;12(12):e0189557. DOI:https://doi.org/10.1371/journal.pone.0182336.

Rasella D, Harhay MO, Pamponet ML, Aquino R, Barreto ML. Impact of primary health care on mortality from heart and cerebrovascular diseases in Brazil: a nationwide analysis of longitudinal data. BMJ. 2014;348:g4014. DOI:https://doi.org/10.1136/bmj.g4014.

Venancio SI, Rosa TE da C, Sanches MTC, Shigeno EY, Souza JMP. Efetividade da Estratégia Saúde da Família sobre indicadores de saúde da criança no Estado de São Paulo. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2016;16(3):283–93.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha. 2011.

Furtado MC de C, Braz JC, Pina JC, de Mello DF, de Lima RAG. A avaliação da atenção à saúde de crianças com menos de um ano de idade na Atenção Primária. Rev Lat Am Enfermagem. 2013;21(2):554–61.

Leão CDA, Caldeira AP, Oliveira MM, Celestina. Atributos da atenção primária na assistência à saúde da criança: avaliação dos cuidadores. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2011;11(3): 323-334. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292011000300013.

Araújo LUA de, Gama ZA da S, Nascimento FLA do, Oliveira HFV de, Azevedo WM de, Almeida Júnior HJB de. Avaliação da qualidade da atenção primária à saúde sob a perspectiva do idoso. Cien Saude 2014;19(8):3521–32.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-087

Refbacks

  • There are currently no refbacks.