Classificação das intervenções farmacêuticas realizadas em unidade de terapia intensiva / Classification of pharmaceutical interventions carried out in an intensive care unit

Aline Wiland da Rosa, Simone Rodrigues da Silva, Renan Almeida de Jesus, Débora Gafuri Teixeira, Mônica Michele Alexandre, Giuliana Zardeto Sabec

Abstract


As Unidades de Terapia Intensiva (UTI) consistem em um ambiente de alta complexidade, no qual os pacientes, de modo geral, fazem uso de uma grande quantidade de medicamentos e estão, por conta disso, estão sujeitos a uma variedade de Problemas Relacionados a Medicamentos (PRM). Por conta disso, é essencial que exista a atuação do farmacêutico clínico neste ambiente com a finalidade de promover o uso racional de medicamentos, auxiliar na farmacoterapia correta e segura do paciente, minimizar riscos e diminuir custos. Tais ações podem ser adotadas a partir da análise farmacêutica da prescrição médica, sobretudo no que diz respeito à compatibilidade dos medicamentos, possíveis interações e reações adversas, dosagem, dentre outros. Considerando tal problemática, a presente pesquisa tem por objetivo avaliar, por meio de uma revisão bibliográfica, a classificação das intervenções farmacêuticas realizadas em UTIs do Brasil. Foram utilizados para a pesquisa, artigos publicados nas bases de dados do Google Acadêmico, PubMed, Scielo, Lilacs e CAPES. Os resultados encontrados evidenciaram que as principais intervenções farmacêuticas em UTIs dizem respeito ao manejo da diluição, ajuste de dose ou tempo de infusão e interações medicamentosas. Conclui-se que há uma boa aceitação das intervenções por parte dos prescritores, o que destaca a importância e a valorização do trabalho farmacêutico nas equipes que atuam em UTIs.


Keywords


Farmácia Clínica, Terapia Intensiva, Intervenção Farmacêutica, Acompanhamento farmacoterapêutico.

References


ALMEIDA, D. R. Impacto da Farmácia Clínica no Centro de Terapia Intensiva (CTI) Adulto de um Hospital Universitário. 2018. 43f. Monografia (Graduação em Farmácia) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, 2018.

AMERICAN COLLEGE OF CLINICAL PHARMACY (ACCP). The definition of clinical pharmacy. Pharmacotherapy, v. 28, n. 6, p. 816-817, 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília: ANVISA, 2010. Disponível em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.htm. Acesso em: 20 set. 2019.

ARAÚJO, E. de O. et al. Intervenções Farmacêuticas em uma Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Universitário. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 8, n. 3, p. 25-30, 2017.

BRASIL. Consenso brasileiro de atenção farmacêutica: proposta. Ministério da Saúde, 2002. Disponível em:

. Acesso em: 22 set. 2019.

CASSIANI, S. H. B. et al. O sistema de medicação nos hospitais e sua avaliação por um grupo de profissionais. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.39, n.3, p.280-287, 2004.

CLAUS, B. O. et al. Expected net benefit of clinical pharmacy in intensive care medicine: a randomized interventional comparative trial with matched before-and-after groups. Journal of Evaluation in Clinical Practice, v. 20, n. 6, p. 1172-1179, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA (CFF). Farmácia Hospitalar: coletânea de práticas e conceitos. Brasília: CFF, 2017.

COSTA, L. S. Atuação do farmacêutico em unidade de terapia intensiva: impacto da farmácia clínica no acompanhamento da terapia medicamentosa. 2014. 92 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Médicas) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

DOMBROSKI, V. Monitoramento terapêutico de vancomicina em uma Unidade de Terapia Intensiva. Revista Médica da UFPR, v. 2, n. 2, p. 67-73, abr./jun. 2015.

FIDELES, G. M. A. et al. Recomendações farmacêuticas em unidade de terapia intensiva: três anos de atividades clínicas. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 27, n. 2, p. 149-154, 2015.

KANE-GILL, S.; WEBER, R. J. Principles and practices of medication safety in the ICU. Critical Care Clinics, v. 22, n. 2, p. 273-290, 2006.

MAGALHÃES, A. C. A. F. et al. Avaliação da implantação do serviço de farmácia clínica na Unidade de Terapia Intensiva para contribuir na segurança do paciente. Revista Médica de Minas Gerais, v. 26, n. 5, p. 16-22, 2016.

MEDEIROS, R. D. A.; MORAES, J. P. Pharmaceutical intervention in drug prescriptions in the intensive care unit. Revista Brasileira De Farmácia Hospitalar E Serviços De Saúde, v. 5, n. 2, p. 26-29, abr. 2014.

NOVAES, M. R. C. G. et al. Guia de Boas Práticas em Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. São Paulo: Ateliê Vide o Verso, 2009.

NUNES, P. H. C. et al. Intervenção farmacêutica e prevenção de eventos adversos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 44, n. 4, p. 691-699, 2008.

PELENTIR, M. et al. Importância da assistência e atenção farmacêutica no ambiente Hospitalar. Revista de Ciência e Tecnologia, v. 1, n.1, p. 20-28, 2015.

PEREIRA, L. R. L; FREITAS, O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 44, n. 4, p. 601-613, out/dez. 2008.

RESENDE, S. C. et al. O uso de antidepressivos por estudantes em uma instituição de ensino superior e as possíveis intervenções farmacêuticas/The use of antidepressants by students in a higher education institution and the possible pharmaceutical interventions. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 3, p. 1633-1649, 2019.

SILVA, A. C. de S. et al. Acompanhamento farmacoterapêutico em unidade de terapia intensiva respiratória: descrição e análise de resultados. Einstein, v. 16, n. 2, p. 1-7, 2018.

SANTOS, J. P. et al. Cuidado farmacêutico em UTI oncológica/Pharmaceutical care in oncology UTI. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 5697-5704, 2020.

ZUBIOLI, A. Ética farmacêutica. São Paulo: Sobravime, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-524

Refbacks

  • There are currently no refbacks.