Relação da leitura do clorofilômetro com os teores de clorofila de plântulas originadas de sementes tratadas com Tiametoxam / Relationship of the chlorophilometer reading with the chlorophyll contents of seedlings originated from seeds treated with Tiametoxam

Andréia da Silva Almeida, Luciana Regina Lauxen, Anna Flávia Santos Calazans, Leticia Holbig Harter, Bruna Chistofari Ceolin, Gabriel Fleck da Rosa, Lilian Vanussa Madruga de Tunes, Francisco Amaral Villela

Abstract


Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do tiametoxam, aplicado via semente, no índice de clorofila no desenvolvimento de plantas de duas cultivares de algodoeiro.O trabalho foi conduzido em laboratório e em casa de vegetação, com sementes das cultivares DeltaOpal e NuOpal, cada uma representada por três lotes. No laboratório foram determinadas a qualidade inicial das sementes através do teor de água, germinação e germinação a baixa temperatura. Para avaliar o efeito do tiametoxam sobre os atributos bioquímicos, sementes de ambas as cultivares foram tratadas com o produto, sendo empregadas as doses de 0 (sementes não tratadas) e 600 mL de produto kg-1 de semente. As sementes foram semeadas em vasos acomodados em casa de vegetação, sendo as avaliações realizadas a cada 7 DAE para o índice de clorofila após a emergência, O tratamento de sementes com tiametoxam aumenta o índice de clorofila durante o desenvolvimento de plantas de algodoeiro, variando com a cultivar e  lote


Keywords


Gossypium hirsutum L, inseticida, tratamento de sementes

References


AOSA - Association of Official Seed Analysts -. Seed vigor testing handbook. East Lansing. (Contribution, 32), 88 p. 1983.

BASKIN, C. C. Three-day count as a vigor test for cottonseed. Seed Technology, v.23, n.1, p.81-84, 2001.

BELTRÃO, N. E. M.; VIEIRA, D. J. O agronegócio do gergelim no Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p. 121-160. 348 p. 2001.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: Mapa/ACS, 398p. 2009.

BUCHANAN, B., GRUISSEM, W., JONES, R. (Eds).Biochemistry & Molecular Biology of Plants 3 a Impressão. American Society of Plant Physiologists, Rockville, Maryland, USA. 1367 p. 2001.

CARVALHO, M. C. S.; FERREIRA, G. B. F.; STAUT, L. A. Algodão no Cerrado do Brasil. Brasília,D.F.: Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, 2007.

CASTRO, P.R.C. ; PITELLI, A.C.M. ; PERES, L. E. P. ; ARAMAKI, P. A.. Análise da atividade reguladora de crescimento vegetal de tiametoxam através de biotestes. Publ. UEPG Ci. Exatas Terra, Ci. Agr. Eng. v.13 p.25–29, 2007.

CASTRO, P.R.C. Agroquímicos de controle hormonal na agricultura tropical. Piracicaba: ESALQ, (Série Produtor Rural, 32). 46p. 2006.

CASTRO, P.R.C.; PEREIRA, M.A. Bioativadores na agricultura. In: GAZZONI, D.L. (Coord.). Tiametoxam: uma revolução na agricultura brasileira. Petrópolis, RJ; Ed. Vozes, p.115-122. 2005.

DIAS, D. C. F. S.; ALVARENGA, E. M. Teste de germinação a baixa temperatura. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, p.7.1-7.4. 1999.

FREITAS, DB; BEZERRA, EC; TEIXEIRA, NT. 2001. Aldicarb e Carbofuran e teores de nutrientes na parte aérea de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) cv. Carioca 80. Ecossistema 26: 68-70.

MOTOMIYA, A. V. de A. Utilização de sensor óptico ativo para detectar deficiência foliar MUSSI , L. Eficiência fotodinâmica das protoporfirinas IX de magnésio e zinco. 2003. 73p. Dissertação (Mestrado em Química) - Curso de Pós-graduação em Química, Instituto de Química, Unicamp.

OOSTERHUIS, D. M. Growth and development of a cotton plant. Faytteville: University of ArkansasCooperative Extension Service, 1992. 24 p.

OPTI-SCIENCES, Inc. 2002. CCM-200 Chlorophyll Content Meter. http://www.optisci.com/ccm.htm. Ultimo acesso em novembro 2010.

ROSOLEM, C. A. Ecofisiologia e manejo da cultura do algodoeiro. Piracicaba: POTAFOS, (Informações agronômicas, n. 95). 9 p. 2001.

ROSOLEM, C. A. Fenologia e ecofisiologia do algodoeiro. In: ALGODÃO – Pesquisas e resultados para o campo. FACUAL, Cuiabá. 392 p. 2006.

SANTOS, W. J. dos. (Ed.). Cultura do algodoeiro. Piracicaba: POTAFOS, 1999. p. 35-55.seeds. New York: Pergamon Press. 270p. 2006.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3. ed. Trad. de E.R. Santarém. Porto Alegre: Artmed. 719p. 2004




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-572

Refbacks

  • There are currently no refbacks.