Avaliação do efeito clínico da terapia de fotobiomodulação com uso do laser de baixa intensidade em rosácea eritêmato-telangiectásica: Estudo piloto / Evaluation of the clinical effect of photobiomodulation therapy using low intensity laser in erythemato-telangiectatic rosacea: Pilot study

Maria Laura de Oliveira de Avelar Alchorne Trivelin, Alice de Oliveira de Avelar Alchorne, Elisa Raquel Martins da Costa Marques, Maurício Mota de Avelar Alchorne, Matheus Frade da Silva, Eric Mello Ribeiro Freixadas, Stefano de Avelar Alchorne Trivelin, Maria Cristina Chavantes

Abstract


Introdução: Rosácea acomete, mundialmente, 45 milhões de pessoas, com evolução crônica, certa predisposição familiar e períodos de recrudescência. Esta é uma enfermidade auto-inflamatória incurável, envolvendo vasos cutâneos e unidade pilossebácea, acometendo principalmente a face. Os sintomas, como: queimação, dor, prurido e rubor, levam ao desenvolvimento de eritema e flushing, devendo ser tratada, evitando sequelas físicas e psíquicas. Esta é uma doença sem cura espontânea e evolução progressiva séria. Considerada um flagelo para os pacientes, muitos desencadeiam quadros de ansiedade, depressão, frustração, isolamento, baixa autoestima, dentre outros problemas emocionais e psicológicos. Todavia, praticamente, todos esses casos podem ser controlados com drogas tópicas e orais, principalmente, tetraciclina com efeitos colaterais e, também, uso de Luz Intensa Pulsada. Deve-se evitar os fatores estimulantes de surtos, tratar agravamento e sequelas, bem como prevenir recidivas, que só acarretam grave estresse psíquico. Objetivo: Analisar a resposta clínica da Terapia de Fotobiomodulação com uso do Laser de Baixa Intensidade (LBI) em portadores de rosácea. Metodologia: Aprovação do Projeto - CAAE 51675115.9.0000.5511. Estudo piloto, transversal, controlado, com 5 pacientes adultas com rosácea, relatando 3,5 anos [2-7anos] de diagnóstico, recidivas constantes e depressão profunda. Uma semana, minimamente antes do início da fotobiomodulação, todas as medicações foram suspensas. Colhidos exames pré e pós LBI, seguidos de questionários (percepção da doença e tratamentos). As pacientes foram submetidas a 10 sessões semanais consecutivas, com CW Diodo Laser (Twin-MMOptics®, Brasil), através dos seguintes parâmetros: ? = 660 nm, P = 15 mW, T = 10 seg., Fluência = 3,8J/cm², ø = 0,025 cm², ?pt = 0,15 J/ponto e ?T = 5,8 - 9,4 J, Densidade de P = 0,6 W/cm2 . A região do facis foi avaliada, pré e pós LBI, mensurado pH cutâneo e temperatura local (termômetro digital). A evolução clínica dos sinais de inflamação local (eritema, prurido e aspecto da lesão cutânea), foram avaliados e realizados registros fotográficos. Resultados: Após 10 sessões de LBI, todas as pacientes relataram redução do rubor (flushing), ardência, coceira e sensibilidade da pele tratada; 2 outras referiram melhora na ardência e coceira nos olhos. Todas telangiectasias maiores regrediram acentuadamente. O grau de satisfação aferido pelos questionários é máximo, com relatos de melhora substancial na qualidade de vida. Conclusão: Terapia com Fotobiomodulação com uso do LBI em rosácea revelou ser eficaz, sem efeitos adversos, segura e cost-effectiveness.

 


Keywords


Fotobiomodulação, Laser de Baixa Intensidade, Rosácea, Estudo piloto.

References


SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA [Internet]; 2015. Disponível em: http://www.sbd.org.br. Acesso em: 10 abr. 2016.

MONTEIRO EO; MOREIRA AM. Rosácea. In: Lupi, Omar, Belo, Josemir, Cunha Paulo Rowilson. Rotinas de diagnóstico e tratamento da Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2. ed. Rio de Janeiro: AC Farmacêutica, 2012.

MOUSTAFA F.; LEWALLEN R.S.; FELDMAN S.R. The psychological impact of rosacea and the influence of current manegement options. J Am Acad Dermatol. v. 71, n. 5, p. 973-80, nov. 2014.

BALDWIN, Hillary E. Diagnosis and treatment of rosacea: state of the art. J Drugs Dermatol. v. 11, n. 6, p. 725-30, jun. 2012.

VAN ONSELEN, Julie. Rosacea: symptoms and support. Br J Nurs. v. 12, n. 21, p. 1252-5, nov./dez. 2012.

BOLOGNIA, Jean L. Dermatologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

JARMUDA, Stanislaw et al. Potential role of Demodex mites and bacteria in the induction of rosacea. J Med Microbiol. v. 61, n. Pt11, p. 1504-10, nov. 2012.

TWO, Aimee M. et al. Rosacea: part I. Introduction, categorization, histology, pathogenesis, and risk factors. J Am Acad Dermatol. v. 72, n. 5, p. 749-58, may. 2015.

TÜZÜN, Yalçin et al. Rosacea and rhinophyma. Clin Dermatol. v. 32, n. 1, p. 35-46, jan-feb. 2014.

STEINHOFF, Martin et al. Clinical, cellular and molecular aspects in the pathophysiology of rosacea. J Investig Dermatol Symp Proc. v. 15, n. 1, p. 2-11, dec. 2011.

STEINHOFF, M.; SCHAUBER, J.; Leyden, J.J. New insigths into rosacea pathophysiology: a review of recent findings. J Am Acad Dermatol. v. 69, n. 6 Suppl 1, p. S15-26, dec. 2013.

CANDIANI, Jorge Ocampo; GATTI, Carlos Fernando; LUPI, Omar. Dermatología; guías de actualizaión clínica. Rio de Janeiro: AC Farmacêutica, 2015.

HERANE, M.I.; PIQUERO-MARTÍN, J. Rosácea y afecciones relacionadas. Venezuela: Editorial Creser Publicidade, 2007.

DEL ROSSO, James Q. et al. Why is rosacea considered to be an inflammatory disorder? The primary role, clinical relevance, and therapeutic correlations of abnormal innate immune response in rosacea in rosacea-prone skin. J Drugs Dermatol. v. 11, n. 6, p. 694-700, jun. 2012.

DRUMMOND, Peter D.; SU, Daphne. Endothelial and axon reflex vasodilatation to acetylcholine in rosacea-affected skin. Arch Dermatol Res. v. 304, n. 2, p. 133-7, mar. 2012.

RIVITTI, Evandro A. Manual de dermatologia clínica de Sampaio e Rivitti. São Paulo: Artes Médicas, 2014.

RAINER, Barbara M. et al. Rosacea is associated with chronic systemic diseases in a skin severity-dependent manner: Results of a case-control study. J Am Acad Dermatol. v. 73, n. 4, p. 604-8, oct. 2015.

BELDA JUNIOR, Walter; DI CHIACCHIO, Nilton; CRIADO, Paulo Ricardo. Tratado de Dermatologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2014.

MANSOURI ,Yasaman; GOLDENBERG, Gary. Devices and topical agents for rosacea management. Cutis. v. 94, n. 1, p. 21-5, jul. 2014.

OGE', Linda K.; MUNCIE, Herbert L.; PHILLIPS-SAVOY, AmandaR. Rosacea: Diagnosis and Treatment. Am Fam Physician. v. 92, n. 3, p.187-96, aug 1. 2015.

VANZUUREN Esther J., FEDOROWICZ, Z. Interventions for rosacea: abridged updated Cochrane systematic review including GRADE assessments. Br J Dermatol. v. 173, n. 3, p. 651-62, sep. 2015.

WEINKLE, Alisson P.; DOKTOR, Vladyslava; EMER, Jason. Update on the management of rosacea. Clin Cosmet Investig Dermatol. v. 8, p. 158-77, apr 7. 2015.

BLOOM, Bradley S. et al. Impact of intradermal abobotulinumtoxinA on facial erythema of rosacea. Dermatol Surg. v. 41 Suppl 1, p. S9-16, jan. 2015.

TORREZAN, Luiz; VALENTE, Renata. Luz Intensa Pulsada: tratamento para o fotoenvelhecimento. [Internet].; 2015. Disponível em: http://www.minhavida.com.br/beleza/tudo-sobre/16552-luz-intensa-pulsada-tratamento-para-o-fotoenvelhecimento. Acesso em: 15 mai. 2016.

TANGHETTI, Emil al. Consensus recommendations from the American acne & rosacea society on the manegement of rosacea, part 4: a status report on physical modalities and devices. Cutis. v. 93, n. 2, p.71-6, feb. 2014.

LIU, Jianjun et al. Comparative efficacy of intense pulsed light for different erythema associated with rosacea. J Cosmet Laser Ther. 2014 Dec; 16(6):324-7.

PICCOLO, Domenico; DI MARCANTONIO D.; CRISMAN, Giuliana et al. Unconventional use of intense pulsed light. Biomed Res Int. 2014.

CHAVANTES, Maria Cristina. Laser em Biomedicina. São Paulo: Atheneu, 2009.

VANZUUREN, Esther J. et al. Interventions for rosacea. Cochrane Database Syst Rev. v. 4, n. CD003262, apr. 2015.

MAZER, J. M. Role of laser in the treatment of rosacea. Ann Dermatol Venereol. v. 141 Suppl 2, p. S175-8, sep. 2014.

SAY, Ekin Mese; OKAN, Gokhan; GÖKDEMIR, Gonca. Treatment Outcomes of Long-Pulsed Nd:YAG Laser for Two Different Subtypes of Rosacea. J ClinAesthetDermatol. v. 8, n. 9, p. 16-20, sep. 2015.

SALEM, Samar A. et al. Neodymium-yttrium aluminum garnet laser versus pulsed dye laser in erythemato-telangiectatic rosacea: comparison of clinical efficacy and effect on cutaneous substance (P) expression. J Cosmet Dermatol. v. 12, n. 3, p. 187-94, sep. 2013.

PROCKT, Anderson Pedroso; TAKAHASHI, André; PAGNONCELLI, Rogério Miranda. RM. Uso de terapia com laser de baixa intensidade na cirurgia bucomaxilofacial. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentaria e Cirurgia Maxilofacial. v. 49, n. 4, p. 247-55. 2008.

KARU, Tiina. Primary and Secondery mechanisms of action of visibletonear infra-redradiation on cells. J. Photochem. Photobiol. B. v. 49, n. 1, p. 1-17. 1999.

STEINER, Rudolf. Basic Laser Physics. In: Raulin C, Karsai S. Laser and IPL Technology in Dermatology and Aesthetic Medicine Springer-Verlag Berlin Heidelberg, 2011.

BENVINDO, R.G. et al. Efeitos da terapia fotodinâmica e de uma única aplicação de laser de baixa potência em bactérias in vitro. Fisioter. Pesqui. v. 15, n. 1, p. 53-57. 2008.

DETERLING, Louise Calil; PRADO, Eunice; MATIAS, Agda Maria S. et al. Benefícios do laser de baixa potência no pós cirúrgico de cirurgia plástica. Revista Augustus. v. 14, n. 29, p. 45-53, fev. 2010.

KLAUMANN, P.R.; WOUK, A.F.P.F; SILLAS, T. Patofisiologia da dor. Archives of Veterinary Science. v. 13, n. 1, p. 1-12. 2008.

TOMIMURA, Suely. Avaliação da modulação autossômica e estresse oxidativo pós-indução com laser de baixa intensidade em ratos espontaneamente hipertensos: estudo experimental. 2013. Dissertação (Mestrado em Biofotônica) – Universidade Nove de Julho, 2013.

CHAVANTES, Maria Cristina et al. Aplicação do laser de baixa potência em várias especialidades médicas. In: Uso do laser no Brasil. São Paulo: Wolfersen & Teixeira (ed.) de Livros, v. 1, 2016. p. 273-285.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-607