Plantas alimentícias não convencionais (PANCs) utilizadas por população rural na Amazônia Oriental, Brasil / Unconventional food plants (UFP) in the rural community of Eastern Amazon, Brazil

Ana Clara Almeida dos Santos, Klebson Daniel Sodré do Rosário, Dyana Joy dos Santos-Fonseca, Jone Clebson Ribeiro Mendes

Abstract


O presente estudo buscou inventariar as espécies de plantas alimentícias não convencionais conhecidas e utilizadas pela população rural do Distrito de Porto Grande. A amostragem foi não probabilística, através da técnica "bola de neve", as entrevistas semiestruturadas serviram para coletar as informações socioeconômicas e os usos dos recursos vegetais, a aplicação da lista livre ajudou a compreender os recursos com maior familiaridade. As espécies citadas eram coletas, durante a turnê-guiada e foram identificadas por métodos clássicos da taxonomia vegetal. Participaram 14 mulheres nativas da região, a maioria (85,72%) residia há mais de 50 anos na localidade estudada. Sessenta e quatro espécies de PANCs, distribuídas em 54 gêneros e 33 famílias foram encontradas. Acreditamos que é necessário o desenvolvimento de estratégias que incentivem o uso sustentável das espécies de PANCs, as quais podem se tornar importantes na subsistência e na contemplação de renda familiar de muitos moradores da região.


Keywords


conhecimento popular, comunidades rurais, soberania alimentar.

References


Agra NG, Santos RF. Agricultura Brasileira: Situação Atual e Perspectivas de Desenvolvimento. João Pessoa, 2011. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2019.

Albuquerque UP, Lucena RFP, Cunha LVFC. Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobiológica e Etnoecológica. Estudos & Avanços. Recife, PE. 2010.

Amorozo MCM. Agricultura tradicional, espaços de resistência e o prazer de plantar. In: Albuquerque UP, Alves AGC, Borges ACL, Silva VA. Atualidades em etnobiologia e etnoecologia. 1 ed. Recife: SBEE, 2002. p. 123-131.

Barreira TF, Paula Filho GX, Rodrigues VCC, Andrade FMC, Santos RHS, Priore SE, Pinheiro-Sant’ana HM. Diversidade e equitabilidade de Plantas Alimentícias Não Convencionais na zona rural de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(4):964-974, 2015.

Borges R, Peixoto AL. Conhecimento e uso de plantas em uma comunidade caiçara do litoral sul do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botânica Brasílica, 23(3):769-79, 2009.

Carneiro AM. Espécies ruderais com potencial alimentício em quatro municípios do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Tese - (Doutorado em Botânica), Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004. 111 f.

Cara CA. Modernização da Agricultura Brasileira e Impactos Ambientais. Perspectiva Geográfica, Paraná, 12(5):126-135, 2009.

Castelo-Branco M, Alcântara FA, Melo PE. O projeto horta urbana de Santo Antônio do Descoberto. Brasília: Embrapa Hortaliças, 160 p., 2007.

Chaves MS. Plantas alimentícias não convencionais em comunidades ribeirinhas na Amazônia. Dissertação (Mestrado em Agroecologia) – Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, p. 108. 2016.

Duarte G. Levantamento e Caracterização das Plantas Alimentícias Não Convencionais do Parque Florestal de Monsanto - Lisboa. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ecologia Humana e Problemas Sociais Contemporâneos, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2017. 95 f.

Fernandes RS. Frutas, sementes e amêndoas silvestres na comunidade indígena Tunuí-Cachoeira – AM. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Departamento de Botânica, Universidade Federal de Lavras. Lavras, 2012, 200f.

Gaia CML. A educação escolar pública na Vila de Porto Grande/Cametá (PA): institucionalização do ensino público na década de 1960. 2017. 73 f. Monografia (Graduação) – Faculdade de educação, Universidade Federal do Pará, Campus Universitário do Tocantins, Cametá, 2017.

Gonçalves GG. Etnobotânica de plantas alimentícias em comunidades indígenas multiétnicas do baixo rio Uaupés – Amazonas. Tese (Doutorado em Horticultura) – Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp Campus de Botucatu, Universidade Estadual Paulista. Botucatu, 2017,191f.

Hanazaki N, Tamashiro JY, Leitão-Filho HF, Begossi A. Diversity of plant uses in two Caiçara communities from the Atlantic Forest coast, Brazil. Biodiversity & Conservation, 9(5):597-615, 2000.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/cameta/panorama. Acesso em 23 set 2019.

Kinupp VF. Plantas Alimentícias não convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2007. 562f.

Krebs J. Ecological methodology. New York: Harper & Row; 2 ed., 1998. 624 p.

Luis E. Guia de Campo Plantas alimentícias não convencionais. Apostila Hortaliças Não Convencionais. EPAMING Governo de Minas: Manual de Hortaliças Não Convencionais Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2010.

Nascimento VT, Lucena RFP, Maciel MIS, Albuquerque UP. Knowledge and Use of Wild Food Plants in Areas of Dry Seasonal Forests in Brazil. Ecology of Food and Nutrition, 52(4):317-43, 2013. https://doi.org/10.1080/03670244.2012.707434.

Nesbitt M, McBurney RPH, Broin M, Beentje HJ. Linking biodiversity, food and nutrition: The importance of plant identification and nomenclature. Journal of food composition and analysis, 23(6):486-98, 2010.

Oliveira GT, Ferreira JMS, Rosa LH, Siqueira EP, Joham S, Lima LARS. In vitro antifungal activities of leaf extracts of Lippia alba (Verbenaceae) against clinically important yeast species. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 47(2):247-250, 2014. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0008-2013.

Oliveira SKS. Etnobotânica em duas comunidades da terra indígena São Marcos. Roraima, Brasil. Tese (Doutorado em Biodiversidade e Conservação) – Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Pará. Belém, 2016, 113f.

Padilha MRF, Souza VBM, Shinohara NKS, Pimentel RMM. Plantas Alimentícias Não Convencionais presentes em Feiras Agroecológicas em Recife: Potencial Alimentício. Brazilian Journal of Developmen, 6(9): 64928-64940, 2016.

Rapoport EH, Ladio AH. Los bosques andino-patagónicos como fuentes de alimento. Bosque, 20(2): 55-64, 1999.

Terra SB, Vieria CTR. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs): levantamento em zonas urbanas de Santana do Livramento, RS. Ambiência Guarapuava, 15(1):112-130, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-386

Refbacks

  • There are currently no refbacks.