Jogos digitais como ferramenta auxiliar na qualidade do envelhecimento ativo / Digital games as an auxiliary tool in the quality of active aging

Ana Elisa Pillon, Leila Regina Techio, Bianca Antonio Gomes, Vania Ribas Ulbricht, Márcio Vieira de Souza

Abstract


Este artigo apresenta os resultados obtidos em uma revisão integrativa da literatura de artigos indexados nas bases Scopus, Web of Science e Scielo, no período de 2015 a 2019, sobre o impacto que os jogos digitais podem ter na qualidade de vida dos idosos. Objetivou responder a pergunta: Como os jogos digitais podem auxiliar na manutenção da qualidade de vida durante o processo de envelhecimento? Para isso, foram mapeadas três linhas de estudo: os jogos aplicados como ferramenta de inclusão digital; os jogos como meio de conexão entre os idosos, modificando a forma de se relacionarem; e a terceira linha que busca medir o impacto dos jogos digitais na qualidade de vida dos idosos. Os estudos selecionados apontaram que a presença dos dispositivos móveis no cotidiano das pessoas é uma realidade, e que o uso dos recursos tecnológicos pode auxiliar no envelhecimento ativo, bem como nos relacionamentos virtuais, inclusão digital e aumento do sentimento de pertencimento. Sendo assim, este estudo aponta que a tecnologia possui potencial para manter a qualidade de vida dos idosos sendo que novas pesquisas sobre temas correlatos são imprescindíveis e podem enriquecer a construção de um novo “envelhecer”.


Keywords


Idosos, Qualidade de vida, Dispositivos móveis, Jogos.

References


Almeida, A. M. de O.; Cunha, G. G.. (2003). Representações sociais do desenvolvimento humano. Psicologia: Reflexão e Crítica, [s.l.], v. 16, n. 1, p.147-155, 2003. FapUNIFESP (SciELO). Recuperado em 4 de setembro 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722003000100015.

Behar, P.A; Grande, T.P.F; Machado, L. R.; Wasserman, C. (2012). Redes sociais: um novo mundo para os idosos. CINTED-UFRGS, Novas Tecnologias na Educação, V.10 N.1.

Botelho, L.; Cunha, C.; Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5 (11), p. 121-136, 2011.

Carrapato, P.; Correia, P.; Garcia, B.. Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde Sociedade, São Paulo SP, v. 26, n. 3, p.676-689, 2017.

Chen, S-T., Chiang, I-T., I., Liu, E. Z-F. & Chang, M. (2012). Effects of improvement on selective attention: Developing appropriate somatosensory video game interventions for institutional- dwelling elderly with disabilities. Turkish Online Journal of Educational Technology, v. 11, n. 4, p. 409-417.

McKinsey & Company. (2019). Brazil Digital Report. Recuperado em 8 de setembro 2020 de https://www.mckinsey.com/br/our-insights/blog-made-in-brazil/brazil-digital-report.

Mejía, M. A. G.; Polania, L. M. M.; Quijano M. C. (2015). Rendimiento cognitivo y calidad de vida de adultos mayores asistentes a grupos de tercera edad. Acta Neurol Colomb, 31 (4), p. 398- 403, 2015.

OMS. World Health Organization (2017). ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Recuperado em 8 de setembro 2020 de https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/la-salud-mental-y-los-adultos-mayores.

Petersen, D. A. W., Kalempa, V. C., & Pykosz, L. C. (2013). Envelhecimento e inclusão digital. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, 10 (15), 120-128. Recuperado em 8 de setembro 2020 de https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-221.2013v10n15p120.

Santos, G. A. dos; Dorneles, T.M.; Serqueira, B. B. de. Jogos digitais: um estudo sobre a motivação de idosos em plataformas multimodais. INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática Porto Alegre, v.20, n.4, p. 51-62, dez. 2017.

Savi, R.; Ulbricht, V. R. (2008). Jogos Digitais Educacionais: Benefícios e Desafios. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 6, n.2, 2008. Recuperado em 10 de setembro 2020 de http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/14405/8310.

Skalee, A. A.; Kliszcz, S.; Parreira, F. J.; Silveira, S. R.. (2017). “Fredi no mundo da reciclagem”: jogo educacional digital para conscientização da importância da reciclagem. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n.1, 2017. Recuperado em 8 de setembro 2020 de https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/75103/42545.

Schneider, R. H.; Irigaray, T. Q.. (2008). O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia (Campinas), [s.l.], v. 25, n. 4, p.585-593, dez. 2008. FapUNIFESP (SciELO). Recuperado em 5 de setembro 2020 de http://dx.doi.org/10.1590/s0103-166x2008000400013.

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). (2020). Envelhecimento ativo - Conceito e fundamento. 2020. Recuperado em 3 de setembro 2020 de https://sbgg.org.br/espaco-cuidador/envelhecimento-ativo/.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-407

Refbacks

  • There are currently no refbacks.